domingo, 16 de junho de 2024
Dourados
26ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

Robinho pede que jornalistas deixem as imediações da casa dele

09 novembro 2004 - 17h12

Pela primeira vez desde que teve a mãe sequestrada, no sábado à noite, o atacante Robinho falou com os jornalistas, nesta terça-feira pela manhã. E falou pouco. Num pronunciamento de menos de um minuto, na sede do Santos, na Vila Belmiro, o jogador evitou informações sobre o andamento das investigações. Ao invés disso, fez um apelo à imprensa. Quer que os jornalistas deixem as imediações de sua casa e evitem procurar parentes e pessoas mais próximas da família para especular sobre o assunto.Apesar de falar muito rapidamente, o jogador negou as teses de extorsão e vingança, que chegaram a ser discutidas por alguns jornais de São Paulo. Robinho agradeceu as manifestações de apoio de que vem recebendo e reiterou o desejo de manter a imprensa longe de sua casa. “Primeiro eu queria agradecer pelas cartas e mensagens positivas que tenho recebido. A solidariedade dos atletas do Santos e de outros atletas. Mas eu queria pedir calma à imprensa. Vocês (jornalistas) ficam o tempo todo me filmando; ficam perto da minha casa e isso não é legal. Além disso, ficam dando informações erradas. Já ouvi falar em extorsão, vingança. Isso não é verdade. Eu espero que vocês possam parar com isso, porque neste momento, minha família precisa de tranquilidade”, disse o jogador, que deixou a sala em seguida.POLÍCIA FORA: O presidente do Santos, Marcelo Teixeira, assumiu a entrevista a partir daí. Ele reiterou o pedido de Robinho e disse que a imprensa, ao invés de ajudar, está atrapalhando.“Em nenhum momento queremos cercear a liberdade da imprensa, mas da forma como as informações estão sendo divulgadas, estão sendo prejudiciais às investigações”, disse o dirigente. “Eu queria pedir para que vocês saíssem do local (as imediações do prédio onde mora o jogador) . Não é por estar alí, que vocês vão ter informações sobre o caso. Eu prometo que assim que a gente tiver novidades, vocês serão os primeiros a saber”, acrescentou. Teixeira disse ainda que a família “não quer envolvimento da polícia” no caso e que “os devidos contatos (dos seqüestradores) ainda estão sendo aguardados”.A mãe de Robinho, Marina da Silva Souza, de 43 anos, foi seqüestrada no sábado à noite, no município de Praia Grande, litoral sul de São Paulo, quando preparava uma festa. Segundo testemunhas contaram à polícia, dois indivíduos invadiram a casa e levaram Marina. O Departamento de Polícia Judiciária do Interior, informou ontem que as investigações correm sob segredo de justiça.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Alems, TJ e Governo se unem em apoio ao Ponto Final para Feminicídio
POLÍTICA

Alems, TJ e Governo se unem em apoio ao Ponto Final para Feminicídio

FUTEBOL

Cruzeiro anuncia acordo com Dudu, atacante do Palmeiras

Pneu de carreta estoura e homem morre na varanda de casa

Pneu de carreta estoura e homem morre na varanda de casa

UEMS é uma das organizadoras do Seminário da Rede UniSustentável
EDUCAÇÃO

UEMS é uma das organizadoras do Seminário da Rede UniSustentável

Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 53 milhões
LOTERIAS

Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 53 milhões

FUTEBOL

Estadual Sub-20 abre rodada com vitórias de Aquidauanense e Dourados

POLÍTICA

Presidente do Solidariedade, Eurípedes Jr. se entrega após 4 dias foragido

CASSILÂNDIA

Jovem é morto pelo próprio irmão após supostamente agredir a mãe

TEMPO

Domingo de sol com algumas nuvens em Dourados; não chove

POLÍTICA

Comissão aprova punições para pessoas e empresas que discriminarem pessoas com autismo

Mais Lidas

NEGÓCIOS E CIA

Veja quem recebe o PIS/Pasep na próxima semana

LUTO

Policial civil sofre infarto no trabalho e morre em hospital de Dourados

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

Missão Caiuá é "desclassificada" pela Sesai e deixará de atender saúde indígena em Dourados

DOURADOS

Motociclista 'fura' preferencial, é atingida por veículo e morre no Hospital da Vida