Menu
Busca quinta, 29 de julho de 2021
(67) 99257-3397

Reunião entre bancos e bancários é suspensa sem novos acordos

25 outubro 2004 - 14h57

Após uma hora e meia de negociações, foi suspensa sem novos acordos a reunião entre a Executiva Nacional dos Bancários e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), iniciada na manhã de hoje em São Paulo. As entidades pretendiam negociar com as direções do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal cláusulas não julgadas pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) na última semana. Segundo o presidente da Confederação Nacional dos Bancários da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, a reunião foi suspensa por causa da intransigência dos bancos. Segundo ele, os bancos não querem alterar a proposta já feita aos funcionários. “Nós estamos dizendo que a proposta feita pelos bancos foi rejeitada pela categoria. Nós viemos aqui estabelecer um processo de negociação na expectativa de que eles fossem colocar uma proposta superior àquela que já tinha sido rejeitada”. Freitas disse ainda que os banqueiros insistem em não mudar a proposta porque os custos devem permanecer exatamente no parâmetro estabelecido. “Nós não concordamos com isso de maneira nenhuma. Aí houve um stress na negociação e eles disseram que não há mais clima pra negociar hoje e se retiraram da mesa”. Para o sindicalista, é preciso chegar rapidamente a uma conclusão. Houve a proposta de que as duas partes voltassem a se reunir nesta terça-feira (26), mas o encontro ainda não foi confirmado. Segundo o coordenador das negociações da Fenaban, Magnus Apostólico, a reunião foi suspensa porque os ânimos ficaram muito alterados. “O que fez o clima ficar pesado foi o discurso indevido da mesa da CNB-CUT, acusando os bancos de intransigência, de não-negociação, quando isso não é verdade”. Apostólico destacou que a Fenaban já havia adiantado que não levaria nenhuma nova proposta para a reunião. “A nossa proposta está colocada. Eles pediram a reunião e nós estávamos dispostos a ouvi-los e, se houvesse uma alternativa viável, nós levaríamos aos bancos para saber se eles aprovariam ou não. Mas, infelizmente, o ambiente acabou se deteriorando e não houve condições de se discutir nem a proposta deles”.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Corpo de homem sequestrado em Ponta Porã é encontrado esquartejado
FRONTEIRA
Corpo de homem sequestrado em Ponta Porã é encontrado esquartejado
BRASIL
Após reação do STF, Bolsonaro defende ações do governo na pandemia
Tatuagem ajudou identificar vítima fatal de acidente entre carro e carreta
ÁGUA CLARA
Tatuagem ajudou identificar vítima fatal de acidente entre carro e carreta
EMPREGO
Governo convoca candidatos aprovados em quatro processos seletivos
Veículo é apreendido na BR-158 com 300 celulares e outros contrabandos
APARECIDA DO TABOADO
Veículo é apreendido na BR-158 com 300 celulares e outros contrabandos
MÚSICO PRESO
Gilmar Mendes rejeita liberdade para DJ Ivis, indiciado por agredir a ex
Oito pessoas da mesma família são presas em operação contra o PCC
ASTRONOMIA
Chuvas de meteoros podem ser avistadas nas próximas madrugadas
AQUIDAUANA
Caçadores são presos e multados por caça e abate de porcos silvestres 
ELEIÇÕES
Discurso de fraude é de quem não aceita a democracia, diz ministro do STF

Mais Lidas

DOURADOS
Acidente no Centro deixa motociclista com fratura na perna e motorista foge
DOURADOS
Drogas e submetralhadora são apreendidos no Idelfonso Pedroso
FRONTEIRA
Casal é executado por "justiceiros" enquanto comemorava aniversário
DOURADOS
Justiça converte em preventiva prisão de jovem que matou adolescente atropelado