Menu
Busca quinta, 26 de novembro de 2020
(67) 99659-5905
Grupo de Trabalho

Reunião discute combate ao feminicídio em Mato Grosso do Sul

25 janeiro 2020 - 18h00Por Redação com Portal MS

A Secid (Secretaria Especial de Cidadania) de Mato Grosso do Sul coordenou reunião realizada na sexta-feira (24) entre órgãos governamentais estaduais com a proposta de discutir a formulação de metas, ações e indicadores a serem desenvolvidos pelos órgãos estaduais competentes, visando à construção de uma agenda estratégica de ações e parcerias na prevenção e combate ao feminicídio no Estado.

Uma segunda reunião será realizada no mês de fevereiro, já para a definição das datas e ações a serem executadas.

De acordo com o Secretário de Estado de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel, é de suma importância a transversalidade nas ações de enfrentamento ao feminicídio: “Lamentavelmente muitas mulheres ainda são vítimas de violência doméstica ou mortas por menosprezo à condição de mulher, que são os casos de feminicídio. Apesar de todos os esforços do Governo do Estado, por meio de campanhas e políticas públicas efetivas, sabemos que ainda há muito a se fazer por isso estamos comprometidos no enfrentamento a todas as formas de violência contra as mulheres”, afirma.

Mato Grosso do Sul foi um dos primeiros Estados do país a fazer a adaptação das diretrizes nacionais para investigar, processar e julgar crimes de femínicidios. Em setembro/2015 houve uma primeira reunião no Ministério da Justiça, em Brasília/DF e desde então o Estado vem discutindo as mortes violentas de mulheres na perspectiva de gênero, tipificando os crimes de feminicídio conforme previsão da Lei federal nº 13.104/2015.

Um Grupo de Trabalho Interinstitucional foi constituído por meio do decreto nº 14.391/2016, formado pelas instituições da segurança pública estadual (Polícia Militar, Polícia Civil, Bombeiros e Perícias) e por órgãos do sistema de justiça estadual (Defensoria Pública, Ministério Público e Poder Judiciário) e pelo órgão gestor estadual das políticas para mulheres (Subsecretaria de Políticas Públicas para Mulheres).

Como resultado desse trabalho integrado e multidisciplinar, destacamos o atendimento psicossocial a mulheres sobreviventes de feminicídios e familiares mulheres das vítimas no Centro Especializado de Atendimento a Mulheres em situação de violência (CEAM); a instituição do Dia Estadual de Combate ao Feminicídio (Lei Estadual nº 5.202/2018); o Procedimento Operacional Padrão (POP) para atendimento dos órgãos vinculados à Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública (SEJUSP) aos casos de violência contra a mulher e feminicídios, detalhando e otimizando a atuação de cada um, padronizando os procedimentos em todos os municípios e, por fim, a publicação do Plano Estadual de Combate ao Feminicídio, por meio do decreto nº 15.325/2019, como resultado de reuniões que ocorreram em abril e maio/2019 na Governadoria, no TJMS e na Assembleia Legislativa, quando da organização do Dia Estadual de Combate ao Feminicídio.

“Essa foi uma campanha construída pelos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, e ainda com efetiva participação da sociedade civil, de toda a comunidade. A nossa “madrinha” foi a modelo e ativista Luiza Brunet, e iniciamos então uma grande campanha de enfrentamento à violência contra mulheres e de prevenção a novas mortes de mulheres. Combater o feminicídio é dever de todos nós”, afirma a Secretária Especial de Cidadania, Luciana Azambuja.

O Plano traz, em seu artigo 1º, os seguintes objetivos: sensibilizar e conscientizar a sociedade sobre a violência sofrida pelas mulheres, que muitas das vezes leva à morte violenta, por meio de campanhas educativas permanentes e continuadas; incentivar a realização de ações de mobilização, palestras, panfletagens, eventos debates, visando discutir o feminicídio como a maior violação de direitos humanos das mulheres, crime hediondo que não pode ser naturalizado ou banalizado; evitar a revitimização e a violência institucional da mulher em situação de violência.

E cada órgão governamental, considerando sua atuação e competências, deve articular suas ações de forma transversal e integrada com os demais, para executar projetos e políticas para prevenir/ erradicar a violência contra mulheres e criar mecanismos para fortalecer os programas já executados, como o “Maria da Penha vai à Escola” e o “Programa Mulher Segura” (PROMUSE), inclusive, expandindo-os para municípios do interior.

Para a secretária Luciana Azambuja Roca, “essa primeira reunião serviu para conhecermos melhor as ações e programas já desenvolvidos por outras pastas, a exemplo dos cursos de capacitação para profissionais do SUAS executados pela SEDHAST, onde teremos a oportunidade de colocar a questão do enfrentamento à violência contra a mulher, ou para analisarmos mais detalhadamente os dados estatísticos dos feminicídios ocorridos no Estado, com esclarecimentos e sugestões dadas por representantes da SEJUSP”.

E, sobre um cronograma de ações para o ano de 2020, Luciana informa que “a partir deste diálogo, elaboraremos uma agenda de oficinas de formação/qualificação para profissionais da rede de atendimento à mulher em situação de violência, pois a capacitação para o atendimento humanizado dos profissionais que atuam na ponta é uma solicitação constante dos movimentos de mulheres e um anseio de toda a sociedade”.

Participaram da reunião representantes da SEGOV – Secretaria Especial de Cidadania e Subsecretaria de Políticas Públicas para Mulheres e para a Promoção da Igualdade Racial; da SEJUSP – Polícia Militar e Polícia Civil; da SEDHAST – Superintendência da Política de Assistência Social e Superintendência de Direitos Humanos, além da FUNTRAB – Fundação do Trabalho de Mato Grosso do Sul.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NÚMEROS DA PANDEMIA
Brasil registra 698 mortes por Covid em 24 horas e total soma 171,4 mil
CAMPO GRANDE
Preso é flagrado com 100 porções de cocaína no Centro de Triagem
JUDICIÁRIO
STF autoriza remarcação da data de concursos por crença religiosa
CAPITAL
Depoimento de assassino contradiz versão de pai sobre morte de Everton
PRESIDENTE INVESTIGADO
Bolsonaro diz que não vai depor em inquérito sobre interferência na PF
JARDIM
Homem é multado por derrubar árvores e incendiar a madeira ilegalmente
SENTENÇA
Flagrado transportando 28t de maconha, homem "pega" oito anos e 7 meses de cadeia
EMPREGO
Comarca de Sidrolândia abre vagas para remoção de juiz leigo
Justiça manda prender ex-vereador envolvido em escândalo sexual
DOURADOS
Juiz nega pedido de partido por última vaga na Câmara de Vereadores

Mais Lidas

VIOLÊNCIA
Mulher esfaqueia ex após discussão em hotel no Centro de Dourados
DOURADOS 
Foragido, autor de homicídio condenado a 16 anos é preso no Novo Horizonte
CRIME BÁRBARO
Suspeita de esquartejar e colocar corpo de namorado em malas se entrega à polícia
IMPROBIDADE
Caso de vereador que perdeu mandato em Dourados tem desfecho no STJ