Menu
Busca segunda, 21 de junho de 2021
(67) 99257-3397

Relator de CPI diz que advogada de Marcola será indiciada

23 maio 2006 - 16h16

O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS), relator da CPI do Tráfico de Armas, disse na tarde desta terça-feira que a advogada Maria Cristina de Souza Rachado, suspeita de ter comprado o áudio de uma sessão secreta da comissão de um ex-funcionário da Casa, está sendo ouvida como indiciada pelo crime, e não mais como testemunha. Rachado - que é advogada do líder do PCC, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola - presta depoimento à CPI na tarde desta terça. Pimenta comunicou o indiciamento dela durante um intervalo da sessão solicitado pela própria advogada, que foi ao banheiro. Ela sentiu-se mal durante a pausa e estava sendo atendida por um médico, às 17h10. Para a CPI, Rachado e o advogado Sérgio Wesley da Cunha são ligados ao PCC (Primeiro Comando da Capital) e pagaram R$ 200 a um ex-funcionário da Casa pela gravação da audiência reservada com os delegados da Polícia Civil de São Paulo Godofredo Bittencourt e Rui Ferraz Fontes, do Deic (Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado). Os parlamentares da CPI pediram a prisão dos dois advogados à Justiça Federal ainda na semana passada. O pedido ainda está sendo avaliado. Contradições Rachado complicou-se ao menos duas vezes durante seu depoimento. Ela não conseguiu explicar em que circunstâncias manteve contato por e-mail com o ex-funcionário responsável pela gravação da CPI e como recebe os honorários supostamente pagos por familiares de Marcola. Embora seu nome seja Cristina, a advogada negou ser a autora de um e-mail assinado como "Cris" e enviado a partir do endereço eletrônico da filha dela para o ex-funcionário da Casa que confessou, na semana passada, ter entregado cópias da gravação dos depoimentos aos advogados. Outro momento em que a situação de Rachado pareceu complicada foi quando os parlamentares pediram que ela explicasse como recebia os honorários por advogar em favor de Marcola. Ela disse que uma tia do detento vai ao seu escritório todos os meses e lhe entrega R$ 2.000 em dinheiro. Ela não soube dizer qual é a fonte de renda da mulher. Seqüência O vazamento dos depoimentos dos delegados ganhou importância na semana passada porque antecedeu a série de ataques contra forças de segurança paulistas e de rebeliões promovida a mando do PCC em vários pontos do Estado de São Paulo. Na audiência, os delegados informaram, segundo a CPI, que isolariam um grupo de presos considerados de alta periculosidade --incluindo líderes da facção-- e que tinham conhecimento do plano dos criminosos de promover uma megarrebelião no domingo passado, Dia das Mães. Por meio da gravação vendida aos advogados, as informações teriam chegado a Marcola e detonado a onda de violência. No dia seguinte à audiência dos delegados, quinta-feira (11), 765 presos foram levados para a penitenciária de Presidente Venceslau (620 km a oeste de São Paulo). Na sexta (12), oito líderes do PCC foram levados à sede do Deic, em Santana (zona norte de São Paulo). Naquele dia, quase simultaneamente, começaram os ataques. No sábado (13), Marcola foi levado para a penitenciária de Presidente Bernardes (589 km a oeste de São Paulo) e colocado no RDD (Regime Disciplinar Diferenciado). No domingo (14), auge dos ataques e rebeliões, Marcola recebeu a visita de outra advogada e de representantes do governo estadual, contrariando as regras do RDD. Há suspeita de acordo. O governo nega ter negociado com o PCC o fim dos ataques, mas admite que o encontro serviu para que a advogada garantisse a integridade física de Marcola e dos outros líderes isolados aos criminosos. Os presos conquistaram ainda outras reivindicações: a instalação de televisores e a mudança da cor dos uniformes. Desde o último dia 12, quando os ataques começaram, morreram 79 suspeitos de envolvimento nos crimes --conforme balanço divulgado nesta terça pela Secretaria da Segurança -, 41 agentes de segurança - entre policiais, guardas e agentes penitenciários -, quatro civis e 17 presos rebelados. Foram contabilizados ao todo 299 ataques. As informações são do site de notícias da Folha Online.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Procon notifica empresas sobre quase R$ 100 mil em multas por infrações graves
DOURADOS
Procon notifica empresas sobre quase R$ 100 mil em multas por infrações graves
Mulher é assediada durante pesquisa em Dourados e registra ocorrência
IMPORTUNAÇÃO SEXUAL
Mulher é assediada durante pesquisa em Dourados e registra ocorrência
Beneficiários do Bolsa Família recebem nesta segunda-feira
AUXÍLIO EMERGENCIAL
Beneficiários do Bolsa Família recebem nesta segunda-feira
Em cinco meses, Dourados aplicou 125 mil doses de vacinas contra a Covid-19
IMUNIZAÇÃO
Em cinco meses, Dourados aplicou 125 mil doses de vacinas contra a Covid-19
União Pneus tem prazo de entrega mais rápido da região em recauchutagens e consertos
INFORME PUBLICITÁRIO
União Pneus tem prazo de entrega mais rápido da região em recauchutagens e consertos
CAMPO GRANDE
Churrascaria é atingida por incêndio na região central da Capital
DOURADOS
Após mais de 2 meses internada por acidente, jovem morre no HV
TRÁFICO DE DROGAS
Moradora de Goiás é presa carregando drogas em ônibus na região de Dourados
DELIBERATIVA
Câmara federal realiza hoje sessão para votar Medida Provisória da Eletrobras
EDUCAÇÃO
1º Encontro de Pesquisadoras e Pesquisadores da Temática LGBT+ de MS

Mais Lidas

ASSASSINATO
Investigações apontam que mulher foi atraída para o local do crime por proposta de trabalho
VIVAL DOS IPÊS
Com suspeita de latrocínio, mulher é encontrada morta em Dourados
LAGUNA CARAPÃ
Veículo de mulher morta em Dourados é encontrado
REGIÃO
Preso, motorista de Corolla que matou moto entregador nega "racha"