Menu
Busca quinta, 28 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Regra nova do vôlei falha em teste e deve ser abandonada

26 dezembro 2009 - 10h13

Testada no Mundial de clubes de Doha (Qatar), em novembro, a polêmica Golden Formula --conjunto de regras criado para dar mais volume de jogo ao vôlei-- não atingiu as metas propostas pelos seus criadores. Com isso, a possibilidade de torná-la oficial deve ser descartada pela FIVB (Federação Internacional de Vôlei).

A ideia de seus criadores, os dirigentes do Qatar, era atrair mais a atenção do público, uma vez que, se a Golden Formula fosse bem sucedida, haveria mais ralis em uma partida.

Uma das principais metas dos qatarianos era aumentar para 51% a incidência de pontos obtidos em contra-ataques.

Mas, em um relatório produzido a partir das estatísticas do Mundial de clubes, o percentual médio não chegou nem perto: só 29% dos pontos surgiram após ralis. Nos jogos disputados sem a Golden Formula, 26% dos pontos, em média, vêm de contra-ataques.

O tempo de bola em jogo em cada ponto permaneceu praticamente o mesmo: a média subiu de 6s28 para 6s65.

O aumento é pouco significativo se forem consideradas as mudanças profundas promovidas pela introdução das novas normas, algo que irritou jogadores e técnicos, sobretudo aqueles que foram ao Mundial.

Segundo a Golden Formula, o primeiro ataque após cada saque só pode ser feito por um jogador que saltar do fundo da quadra, antes da linha dos três metros. Isso, contudo, só vale para o terceiro toque da equipe que estiver na recepção. Em outras palavras, será permitido, por exemplo, que um levantador ataque no segundo toque.

O representante brasileiro no Mundial, o Florianópolis, foi um dos que mais criticaram a Golden Formula. Apesar de ostentar o tricampeonato da Superliga, a equipe brasileira não passou da primeira fase do torneio. Chegou a perder na estreia para a inexpressiva equipe do Irã, o Paykan, que antes do torneio havia treinado por dois meses sob as novas regras.

Além do time brasileiro, quase todas as equipes do Mundial relataram suas dificuldades de adaptação. Em um seminário promovido durante o torneio, jogadores e técnicos demonstraram insatisfação com o fato de que, sob a Golden Formula, os jogadores do fundo acabam sobrecarregados. E os centrais, por sua vez, perdem sua função no primeiro ataque.

Apesar das críticas, os dirigentes qatarianos consideraram que os resultados obtidos com a nova experiência foram considerados satisfatórios. Enviaram inclusive, no início do mês, um relatório final à FIVB.

"Apesar de a maioria das equipes não ter tido tempo de treino para se adaptar ao novo sistema, com exceção do Paykan, do Irã, que teve um desempenho espetacular, as estatísticas dos testes mostraram resultados positivos", disse Abdulla Yousuf Al-Mal, presidente da federação do Qatar, na carta enviada à FIVB.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Auxílio emergencial com valor menor pode custar R$ 17 bi por mês
DOURADOS
Audiências de prestação de contas da prefeitura acontece nesta sexta-feira
JUSTIÇA E SAÚDE
Revogada portaria com punições a quem descumpria quarentena
EFEITO COVID-19
Consultas para tratamento do câncer diminuem 30% em hospital de Campo Grande
POLÍTICA
População pode participar da revisão do Plano Diretor de Dourados
COVID-19
Planos de saúde incluirão mais 6 exames na lista obrigatória
MATO GROSSO DO SUL
Governo faz testes em massa de coronavírus em regiões com surto de Covid-19
NO PALÁCIO DA ALVORADA
Ação contra fake news é para censurar mídias sociais, diz Bolsonaro
MATO GROSSO DO SUL
Projeto prevê suspensão da restrição do CPF por dívidas relativas ao IPVA
PANDEMIA
Ainda com baixa incidência, taxa de contágio de MS é uma das maiores do país

Mais Lidas

DOURADOS
Paciente com suspeita de coronavírus afasta mais de 20 profissionais da saúde no HV e UPA
PANDEMIA
Dourados é "campeã" de casos de coronavírus em MS pelo 3º dia consecutivo
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher