Menu
Busca quarta, 15 de julho de 2020
(67) 99659-5905

Redação do Enem com nota máxima passará por 'pente fino', diz ministro

22 março 2013 - 13h25

As redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que ganharem nota máxima (1.000 pontos) vão passar por uma banca composta por três professores doutores para fazer um "pente fino" no texto. A novidade foi anunciada nesta sexta-feifra (22) pelo ministro da Educação Aloizio Mercadante. A mudança se dá depois da divulgação de que textos com erros de grafia como "trousse" e "enchergar" ganharam nota máxima dos avaliadores no último Enem (veja no vídeo ao lado.

Mercadante confirmou ainda que redações com 'deboche' como receita de macarrão instantâneo e hino de clube de futebol vão receber nota zero. Candidatos que no último Enem inseriram receita do miojo e o hino do Palmeiras no texto ganharam notas 560 e 500, respectivamente.

"Para ter nota máxima a redação deverá ir para uma banca com três doutores", disse Mercadante. "Não basta mais passar só pelos dois corretores. Atualmente existem casos que tem um erro mas ainda assim é possível ter nota máxima. Agora a correção será mais exigente."

Sobre os casos de "deboche" na redação, Mercadante procurou minimizar. "Não dá para se pegar para o todo, foram mais de 4,1 milhões de candidatos que fizeram redações. O exame ocorre de forma bem transparente.

Corretores afastados

O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Luiz Cláudio Costa, afirmou que mais de 300 corretores contratados para avaliar as redações do Enem 2012 foram afastados do processo de correção das provas. Em entrevista, Costa explicou que os corretores foram afastados porque seus supervisores verificaram que eles não cumpriram os requisitos de qualidade.

"Os corretores têm um supervisor que vê a qualidade, nós temos 23 itens de checagem de qualidade. Ele faz checagem, quando não havia jeito, se não estava cumprindo, os corretores que foram retirados", afirmou o presidente do órgão responsável pelo Enem.

Nesta semana, as redações de dois estudantes levantaram o debate sobre o critério de correção do Enem pela peculiaridade dos textos, que incluíram, no meio da dissertação sobre imigração no século 21, trechos do hino do Palmeiras e de uma receita de miojo. A nota final da prova deles foi 500 e 560, respectivamente --a pontuação vai de 0 a 1.000.

Na edição de 2012 do exame, o número de corretores aumentou em 40%, principalmente porque as regras da correção foram alteradas e previam um aumento no número de redações que passariam por um terceiro corretor.

Segundo Costa, foram contratados 5.692 corretores, 234 supervisores de avaliação, 468 auxiliares e dez subcoordenadores pedagógicos para o processo de avaliar as redações. O número de avaliadores afastados representa menos de 6% do total.

O presidente do Inep negou que os corretores tivessem uma carga de redações acima do ideal para que a correção fosse criteriosa e disse que o preço pago por redação corrigida aumentou de R$ 1,65 para R$ 2,35. "O valor é extremamente coerente com o que se paga em todas as universidades", afirmou.

Treinamento dos corretores

Para contratar os corretores, Costa afirmou que enviou ofícios a todas as universidades públicas do país pedindo que os reitores das instituições indicassem profissionais formados em letras com experiência no assunto. O diploma de graduação no curso é um requisito obrigatório para que o profissional atue na correção e, segundo o presidente do Inep, a titulação é confirmada nos casos em que o avaliador não é indicado em ofício pelos dirigentes das universidades.

"Muitos corretores são indicados por instituições. Se eu tenho um reitor que me indica, eu tenho total confiança nessa indicação", afirmou.

Ele disse ainda que todos os avaliadores contratados receberam treinamentos presenciais e à distância durante um período de 100 dias. Antes da data do Enem, eles passaram por dois testes: no primeiro, eles deveriam corrigir redações com temas aleatórios e, depois da realização do Enem, os corretores treinaram a correção de redações com o tema da prova: "Movimento imigratório para o Brasil no século 21".

1.700 redações por corretor

Já durante a correção oficial, que dura pouco mais de 30 dias, Costa explica que cada corretor acaba cumprindo seu próprio ritmo de trabalho.

Todos recebem, pela internet e a cada 24 horas, um "envelope eletrônico" de 50 redações separadas por um sistema que mistura redações de vários estados e de candidatos da rede pública e da rede privada.

Caso um corretor consiga avaliar as 50 redações com qualidade, ele pode receber um segundo lote dentro desse período de 24 horas. Isso acontece com mais frequência, de acordo com o presidente do Inep, nos primeiros dez dias do período de correção.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CONTRABANDO
Carga com 150 mil maços de cigarros é apreendida no Sul de MS
ASSEMBLEIA LEGISLATIVA
Aprovado estado de calamidade pública em mais três municípios
TV DOURADOS NEWS
3º BPM de Dourados faz balanço das ações de 45 dias de atuação
PANDEMIA
Em MS, mais de 300 pacientes estão internados devido ao coronavírus
DOURADOS
Gaeco encontra munições na casa de procurador alvo de operação
DOURADOS
Homem é preso com 10kg de maconha na rodoviária
DOURADOS
Criança baleada por atirador em noite sangrenta morre no hospital
BRASIL
Toffoli concede prisão domiciliar ao ex-deputado Geddel Vieira Lima
BR-463
Caminhão que transportava cavalos tinha maconha escondida em fundo falso
MANIFESTO
Comerciantes fazem carreata e pedem redução de aluguel em Dourados

Mais Lidas

DOURADOS
Atirador chegou em igreja na hora da comunhão e entrou dizendo ter feito bobagem
BARBÁRIE
Vizinhos relatam frieza de atirador que ainda voltou para conferir se ex estava morta
CRIME BÁRBARO
Atirador que matou ex-mulher e feriu crianças fez outras vítimas antes de se suicidar
DOURADOS
Polícia vai à casa onde atirador começou noite sangrenta e identifica testemunhas