Menu
Busca sábado, 17 de abril de 2021
(67) 99257-3397

Reality show" alemão "tortura" participantes por audiência

16 janeiro 2004 - 10h44

Um aquário vazio com uma abertura no lado inferior para colocar a cabeça. Com uma máscara de mergulho na cabeça e um snorkel para respirar na boca, era preciso esperar o cubo encher de água, até tapar o queixo e, por fim, o rosto todo.Enquanto Daniel Küblböck, candidato do novo "reality show"rea alemão "Ich bin ein Star - Holt mich hier raus!" ("Sou um estrela me tirem daqui"), esperava a água subir, só sabia que junto viriam enguias e "algumas surpresas". Primeiro apareceram peixinhos dourados diante dos seus olhos, logo atrás: uma aranha aquática. Foi o momento em que o rapaz de 18 anos entrou em pânico, arrancou a cabeça do vidro e fugiu chorando.Sadismo e audiência,/b>No estilo "Big Brother", dez chamadas "estrelas" atrizes, esportistas ou cantores de segunda classe vivem juntos em plena selva da Austrália por duas semanas. Quem não agüenta mais as humilhações e a vigilância permanente pelas câmeras, pede ao público: "Me tirem daqui!". Mas a volta ao mundo civilizado está nas mãos dos espectadores. Eles é que decidem pelo voto quem sai e quem fica.O grande sucesso do novo show, lançado pela emissora comercial RTL, tem uma razão simples: o prazer do público com o sofrimento alheio. Quanto mais o candidato sofre, tanto mais espectadores ligam seu televisor. À estréia assistiram 4,85 milhões de pessoas, quatro dias depois já foram em torno de 7,18 milhões.Sem novidadesFenômeno já bem conhecido no Brasil: programas de baixo nível, seja na Globo, SBT ou Rede TV, já viraram costume. A lista é grande: começa pelo vocabulário impróprio, apelo sexual e discriminação racial e termina por apologia e incitação ao crime, inclusive à prática da tortura. O princípio de programas baseados no sadismo funciona no Brasil como agora na Alemanha. Mas parece que no Brasil alguns já estão cansados de ver tanto mau gosto.No segundo semestre de 2002 a Comissão de Direitos Humanos lançou uma campanha com o slogan "Quem financia a baixaria é contra a cidadania" para estimular os espectadores a não assistirem a programas que desrespeitam os direitos humanos e para incentivar os consumidores a não comprarem produtos das empresas que os patrocinam.

Deixe seu Comentário

Leia Também

APLICATIVO
Celulares podem ajudar no combate a fraudes em bombas de combustíveis
COXIM
'Descontrolado', adolescente é apreendido por pilotar moto e dar tiros
MOEDA FORTE
Paraguaios aproveitam valorização do guarani para compras no Brasil
Jovem de 19 anos é preso e multado por pescar com petrechos ilegais 
Drive-thru nos Bombeiros neste domingo começa às 8 horas
DOSES LIMITADAS
Drive-thru nos Bombeiros neste domingo começa às 8 horas
TRÁFICO
Polícia apreende mais de uma tonelada de maconha em caminhonete furtada 
SAÚDE
Bolsonaro confirma que passará por nova cirurgia para corrigir hérnia
CAPITAL
Morre condutor de moto que sofreu acidente com namorada na BR-163
COVID-19
MS recebe neste sábado 338.130 medicamentos do 'kit intubação'
PARANÁ
Foragido, sul-mato-grossense é preso com R$ 5 milhões em drogas

Mais Lidas

DOURADOS
Motociclista é preso após passar 'fumando um baseado' ao lado de viatura
CRIME AMBIENTAL
Goiano preso com minhocas terá que pagar multa de quase meio milhão de reais
AMEAÇA DE EXTINÇÃO
Após passar por MS, homem é preso com mudas raras que seriam vendidas na Bolívia
DOURADOS
Funsaud oficializa saída de diretor médico da UPA após denúncia de escala sem plantonista