Menu
Busca segunda, 19 de abril de 2021
(67) 99257-3397

Queda do desmatamento se deve a ações do estado, avalia ministra

29 agosto 2005 - 13h40

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, negou na manhã de hoje que a tendência de redução do desmatamento da Amazônia se deva ao desaquecimento da agricultura. De acordo com a ministra, a queda de cerca de 50% na área desmatada nos últimos 11 meses é resultado de ações dos governos federais e estaduais, além da sociedade.Na semana passada, a superintendente de Conservação da organização não-governamental World Wild Fund no Brasil (WWF-Brasil), Rosa Lemos de Sá, afirmou que a diminuição dos níveis de desmatamento foi conseqüência do desaquecimento econômico registrado nos últimos meses, particularmente à queda do preço da soja.A ministra não concorda com a posição da WWF. "Atribuir apenas à questão das commodities a tendência de redução do desmatamento é talvez subestimar o esforço que vem sendo feito pelo estado brasileiro, pelas várias organizações da sociedade, que participaram de vários seminários junto com o Ministério do Meio Ambiente", pontuou. "Além de desconhecer uma estratégia que é fundamental que é a do ordenamento territorial e fundiário na Amazônia e a ferramenta estruturante da criação de unidades de conservação e homologação de terras indígenas, que, com certeza, criaram uma barreira na fronteira da utilização predatória dos recursos."Segundo Marina Silva, a diminuição do desmatamento se deve principalmente a ações como a criação de unidades de conservação das florestas, as parcerias com governos estaduais e a fiscalização integrada com a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária, o exército e o Ibama. Além disso, Marina Silva também afirmou que a ação conjunta de 13 ministérios colaborou para a queda do desmatamento.A ministra ressaltou também que um reaquecimento econômico do setor agrário, principalmente a produção de soja, não aumentará o desmatamento na região Norte. "Nós entendemos que existe um processo estruturante que está em curso na Amazônia e este se refletirá também na forma de ocupação para produção de grãos, que deve acontecer em bases sustentáveis", disse a ministra.Marina Silva participou na manhã de hoje em São Paulo da abertura do Programa de Formação de Líderes Sindicais como Educadores Ambientais, uma iniciativa conjunta de seu ministério com a Comissão Nacional do Meio Ambiente, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Federação de

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
CFM diz no Senado que não aprova tratamento precoce contra covid-19
MS
Homem que cumpria pena em regime aberto é preso por furto
Parlamentares buscam acordos para vetos e mudança no Orçamento
BRASIL
Parlamentares buscam acordos para vetos e mudança no Orçamento
POLÍCIA
Homem que fez ameaças de morte em rede social é preso pela polícia civil
Após três quedas, preço médio da gasolina volta a subir em Dourados
ECONOMIA
Após três quedas, preço médio da gasolina volta a subir em Dourados
POLÍCIA
Casal de namorados é preso por tráfico de drogas em Nova Andradina
BRASIL
General Silva e Luna toma posse como presidente da Petrobras
BRASIL
Anvisa autoriza novo ensaio clínico de vacina contra covid-19
BRASIL
Governo forma 254 novos sargentos da Polícia Militar e anuncia novas promoções
DIA DO ÍNDIO
Indígenas superam 'fakes' e já têm quase toda reserva imunizada contra a Covid-19

Mais Lidas

ASSALTO
Mulher tem carro roubado ao parar no semáforo em Dourados
POLÍCIA
Irmãos morrem após serem atropelados por caminhonete em rodovia
DOURADOS
Interno morre após briga com companheiro de cela da PED
PED
Arma de fabricação caseira é encontra em cela de interno morto