Menu
Busca sexta, 07 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Quase 500 mil limpam o nome até a segunda dezena de agosto

01 setembro 2004 - 22h37

A recuperação da economia levou o país a ganhar um contingente de 439 mil pessoas que conseguiram regularizar suas dívidas nos primeiros 20 dias de agosto, de acordo com dados do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito). Com o nome limpo na praça, vários consumidores se reabilitaram a comprar a crédito. Em julho como um todo 923 mil pessoas saíram da inadimplência. Até o dia 20 do mês passado, 2,550 milhões de pessoas tiveram o nome incluído no Serviço de Proteção ao Crédito, enquanto 2,989 milhões foram excluídas --daí o saldo positivo de 439 mil pessoas em dia. Os últimos dois meses representam uma reversão na tendência de aumento na inadimplência. Em junho, por exemplo, o país ganhou 321 mil novos inadimplentes. "Estamos tendo um reaquecimento gradual na economia, que só tende a crescer. Com isso, foi antecipada a queda na inadimplência, que tradicionalmente acontece em outubro e novembro. Neste ano, [essa tendência] já começou forte em julho", afirma Edson Monteiro, presidente do SPC Brasil. O número de consultas ao banco de dados da organização caiu 40% na comparação com o mês de julho. "É uma queda relativamente rotineira nas consultas, seguindo a queda da inadimplência. Quando o consumidor paga, deixa de adquirir", diz Monteiro. O volume de consultas é um dos indicadores do nível de atividade do comércio, já que ela é feita por empresas que precisam checar o cadastro de clientes que solicitam crédito para comprar produtos. O banco de dados do SPC é composto por 140 milhões de cadastros de pessoas físicas e 16 milhões de cadastros de pessoas jurídicas. O sistema é acessado diretamente por 1,5 milhão de operadores, representantes de cerca de 550 mil empresas em todo o país. Apesar da queda na inadimplência, dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicam que o consumo está crescendo. No segundo trimestre, o consumo das famílias cresceu 5% na comparação com o mesmo período do ano passado. Este foi o melhor resultado desde o segundo trimestre de 1997. O crédito facilitado e o crédito habitacional estariam agindo como indutores do crescimento do consumo. A recuperação da demanda ainda depende do acompanhamento da capacidade de endividamento, da renda e da taxa de desemprego, segundo o IBGE. Em julho, a taxa de desemprego caiu pelo terceiro mês consecutivo e ficou em 11,2%, de acordo com a Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE.

Deixe seu Comentário

Leia Também

STJ
Advogado acusado de matar ex-lider do PSL sofre nova derrota na Justiça
IBGE
Governo recorre da decisão do Supremo sobre realização do Censo 2021
Motorista perde o freio e caminhão carregado com frangos colide em carreta
Motorista perde o freio e caminhão carregado com frangos colide em carreta
BRASIL
Mulher vítima de violência terá prioridade em programa habitacional
Jeep bate em carreta, capota, sai da pista e fica destruído na BR-267
NOVA ANDRADINA
Jeep bate em carreta, capota, sai da pista e fica destruído na BR-267
BRASÍLIA
'Tô vendo uma barata aqui', diz Bolsonaro a apoiador com cabelo 'black power'
Suspeito de levar foragidos do ES ao Paraguai é preso com R$ 12 mil
UFGD
Workshop de saúde vocal para profissionais da voz acontece na próxima semana
NOVA ANDRADINA
Ex-namorado de líder do PSL encontrada morta, é indiciado por feminicídio
BRASIL
Caixa Econômica lança campanha para estimular transações pelo celular

Mais Lidas

PANDEMIA
Decreto reduz toque de recolher em Dourados na semana do Dia das Mães
DOURADOS
Pancadaria em motel termina na delegacia com três pessoas detidas
REGIÃO
Mãe e filha são executadas em locais diferentes na fronteira
PONTA PORÃ
Vítima de execução na fronteira registrou boletim de ocorrência contra o namorado