Menu
Busca sábado, 15 de agosto de 2020
(67) 99659-5905
SAÚDE & BEM - ESTAR

Quando ir ao médico? Descubra a frequência de acordo com a sua idade

11 julho 2020 - 07h13Por Saude.ig

Receber o diagnóstico precoce de qualquer doença pode ajudar significativamente na recuperação e qualidade de vida do paciente. Porém, quando ir ao médico é o último recurso, depois que os sintomas já começaram a se manifestar, as chances de reabilitação ficam prejudicadas.

No caso de mulheres com câncer de mama, por exemplo, 70% das pacientes acabam tendo que  recorrer à mastectomia e remover a mama totalmente porque demoraram para descobrir a doença. O dado é da Sociedade Brasileira de Mastologia, que chama atenção para as chances de cura se o tumor for detectado no início, que podem chegar a 95%. Sabendo dos benefícios de se buscar ajuda dos profissionais da saúde com regularidade, ainda fica a dúvida: quando ir ao médico ?

De acordo com Aier Adriano Costa, coordenador da equipe médica do aplicativo de consultas a domicílio Docway, a maioria da população não tem o costume de cuidar da saúde. “As pessoas têm o hábito de se automedicar ou procurar uma solução rápida para o problema com familiares, vizinhos e até no Google. O que acontece, é que isso pode acarretar um problema sério posteriormente”, explica.

Ainda segundo o especialista, fazer visitas ao médico para receber recomendações de exames de rotina, o chamado “check up”, é muito importante, mas poucos são os que mantêm este hábito.

Costa ressalta que tal acompanhamento médico é necessário para avaliar como está o funcionamento do corpo do paciente e, em caso de enfermidades, tratá-las. "Algumas doenças são insidiosas e só vêm apresentar sintomas relevantes quando já estão em estágio avançado. O costume de consultar um médico não apenas quando se está doente faz muito bem pra saúde e para uma boa qualidade de vida.", acrescenta.

Quando ir ao médico?

shutterstock/Reprodução
Especialista dá dicas de quando ir ao médico de acordo com a fase da vida ou idade


A verdade é que cada idade exige uma frequência diferente de idas ao médico . O médico da Docway explica quando é necessário buscar ajuda apenas para verificar se está tudo bem em diferentes fases da vida. Confira:

  • Crianças

Após a saída do hospital, caso esteja tudo bem com o recém-nascido, a primeira visita deve acontecer entre no 15º dia de vida. Passado esse período, as consultas devem ser feitas aos: 2, 4, 6, 9 e 12 meses no primeiro ano de vida.

No segundo ano, o pediatra deve ser consultado para o acompanhamento do bebê aos 15, 18, 21 e 24 meses. A partir daí, é necessário que se verifique o peso e a estatura a cada 6 meses até o quinto ano de vida e depois anualmente entre 6 e 18 anos.

No entanto, se o paciente apresentar alguma doença de base ou qualquer alterações ao longo deste acompanhamento, essa periodicidade pode sofrer alterações.

  • Grávidas

As mulheres devem procurar o médico assim que tiverem o diagnóstico de gravidez, ou mesmo na suspeita, para iniciar o acompanhamento da gestação. Até o sexto mês, as visitas ao obstetra devem ser mensais.

Depois disso, podem ocorrer de 15 em 15 dias, de acordo com o decorrer da gestação. Caso a gestante venha a sentir algo diferente, deve procurar imediatamente o médico.

  • Adultos

Devem realizar um check up com todos os exames necessários uma vez ao ano, caso não possuam nenhum problema já diagnosticado de saúde.

Exames de audição e visão devem ser feitos a partir dos 40 anos, ou antes, caso existam queixas pertinentes. Os exames específicos, ginecológicos e urológicos, por exemplo, como mamografias, ultrassonografias e consultas aos especialistas, devem ser realizadas na periodicidade recomendada por cada especialidade de acordo com as idades dos pacientes.

  • Idosos

Se estão saudáveis, podem seguir a mesma recomendação dos adultos e ir apenas uma vez por ano. Mas se apresentam alguma doença, devem ir ao médico com a frequência determinada por ele.

Para finalizar, o especialista recomenda que as idas ao médico se tornem um hábito, para evitar maiores problemas no futuro. “Não deixem que apenas a doença leve ao médico, um acompanhamento adequado previne inúmeros problemas, a sua saúde agradece”, completa.

Perigos do autodiagnóstico

shutterstock
Quando ir ao médico deixa de ser uma prioridade e as pessoas passam a procurar ajuda na internet a saúde pode estar em perigo


Quando a saúde não vai bem, seja por conta de uma febre insistente, um sinal na pele que não para de coçar ou dores incomuns, a primeira reação de grande parte das pessoas é de buscar ajuda na internet em vez de procurar um médico.

Basta colocar os termos “sintomas”, “dor de cabeça” e “febre” no buscador on-line para que o “Dr. Google” mostre que essas são características comuns em casos de meningite, gripe ou dengue. Aí fica por conta do usuário escolher a doença que melhor se identifica e está dada a sentença.
Parece exagero, mas muitas pessoas estão “resolvendo” seus problemas de saúde desta forma. Esse comportamento está fazendo com que os médicos fiquem preocupados com o que eles estão chamando de “cibercondríacos”, aqueles pacientes que se autodiagnosticam por meio de pesquisas na internet.

De acordo com a professora e clínico geral Helen Stokes-Lampard, presidente do Royal College of General Practitioner , muitas pessoas acabam acreditando que têm tal doença, uma vez que foi  “diagnosticada” pelo Google e isso está atrapalhando o trabalho dos profissionais da saúde.

Em outros países, especialistas já advertiram que esses pacientes estão colocando o National Health Service , algo como “Serviço Nacional de Saúde” do Reino Unido, em risco, já que a quantidade de pessoas que colocam em dúvida o trabalho do clínico geral só aumenta.

Em entrevista à revista “Pulse”, a professora Stokes-Lampard chegou a dizer que "o Dr. Google está presente em 80% das consultas” que ela tem agora. "Sinto que precisamos levantar os problemas que esse comportamento pode trazer ao paciente e trabalhar isso com cada um, particularmente. Temos que ser ousados e esse é um desafio para todos nós da área da saúde", completou.

Quando ir ao médico deixa de ser uma prioiridade, além de causar uma preocupação desnecessária ou errônea, o paciente que decide se autodiagnosticar pode tomar medidas por conta própria que podem estar prejudicando sua real condição de saúde, e fazendo com que o diagnóstico correto seja adiado, podem comprometer o tratamento adequado e uma recuperação sadia.

Leia Também

FALTA DE ÁGUA
Indígenas vão à Câmara e pedem solução para problema antigo na Reserva de Dourados
REGIÃO
Recurso destinado por Marçal beneficia Lar do Idoso com veículo
APARECIDA DO TABOADO
Dois morrem após carreta carregada com sementes tombar em curva
BOLETIM
Dourados confirma mais duas mortes por coronavírus
MS/PR
Casal é preso em balsa com mais de 7kg de haxixe
PANDEMIA
MS registra mais de mil novos casos de Covid e sete mortes em um dia
TRÊS LAGOAS
Briga generalizada em bar termina com homem esfaqueado nas costas
MISSÃO ESPECIAL
Delegação brasileira que viajou ao Líbano retorna ao país
PREVISÃO DO TEMPO
Dourados tem alerta de tempestade e final de semana deve ser chuvoso
FUTEBOL
Timão, Fla e Palmeiras entram em campo hoje pelo Brasileirão

Mais Lidas

DOURADOS
Fogo destrói lanchonete, invade loja e queima várias motocicletas
DOURADOS
Decreto deve autorizar volta de cursos profissionalizantes e atividades práticas de universidades
PANDEMIA
Prefeitura autoriza abertura de bares e flexibiliza funcionamento de outros setores
DOURADOS
Operação 'Gambiarra' mira reformas de escolas municipais pagas por secretária em nome de empresa