Menu
Busca terça, 20 de abril de 2021
(67) 99257-3397

PTB entra no STF contra Estatuto do Desarmamento

15 janeiro 2004 - 16h59

O PTB entrou na tarde desta quinta-feira com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) no STF (Supremo Tribunal Federal) contra o Estatuto do Desarmamento, aprovado em dezembro do ano passado pelo Senado.Na ação, o partido alega a inconstitucionalidade total da lei (por questões formais) e de alguns de seus artigos (por questões materiais). Para o PTB, o fato de a lei ter sido proposta pelo Congresso invadiu competência privativa do Presidente da República.Uma das inconstitucionalidades apontadas pelo partido estaria nos artigos 2º --que diz que compete ao Sinarm (Sistema Nacional de Armas) "cadastrar a identificação do cano da arma, as características das impressões de raiamento e de microestriamento de projétil disparado, conforme marcação e testes obrigatoriamente realizados pelo fabricante"-- e no artigo 23 --determina que todas as munições comercializadas no país sejam acondicionadas em embalagens com código de barras, para que seja possível identificar o fabricante e o adquirente. A alegação é de que essas medidas seriam tecnicamente inviáveis e , portanto, contrariam o chamado "princípio da razoabilidade" da Constituição Federal.De acordo com a Adin, a federalização do registro e do porte de armas, outra das medidas do Estatuto, também estaria em desacordo com a Constituição por "subtrair dos Estados sua competência administrativa do poder de polícia, vedando-lhes autorizar porte de arma de fogo aos seus naturais e residentes, segundo os interesses e necessidades locais".Para o PTB, a inafiançabilidade dos crimes de porte e disparo de arma de fogo fere o "princípio da proporcionalidade, ao eliminar a possibilidade de concessão de liberdade provisória sem fiança para acusados ou indiciados por crimes que não chegam a lesar objetivamente a vida, a saúde, a integridade física, a propriedade".Por fim, a ação do partido alega que a proibição de venda ao cidadão comum fere o direito do comerciante, e que o aumento da idade mínima para comprar uma arma, de 21 para 25 anos, é descabida, já que o novo Código Civil reduziu de 21 para 18 anos a idade mínima para praticar todos os atos da vida civil.

Deixe seu Comentário

Leia Também

REI DA FRONTEIRA
Juiz resolve manter Fahd Jamil preso no Garras e pede perícia médica
PANDEMIA SEM CONTROLE
Brasil registra mais 3.481 mortes por Covid em 24 horas e passa de 378 mil
Defron prende três e apreende mais de 60 quilos de maconha 
POLÍCIA
Defron prende três e apreende mais de 60 quilos de maconha 
EDUCAÇÃO
Inscrições abertas para a I Semana de Internacionalização UEMS
DOIS IRMÃOS DO BURITI
Suspeito de matar irmão com tiro de espingarda se apresenta à polícia
CAMPO GRANDE
Homem é preso acusado de cultivar 'maconha gourmet' em contêiner
PANDEMIA
Fila continua e 12 pessoas aguardam leitos de UTI Covid em Dourados
ACIDENTE
Queda de jatinho no aeroporto da Pampulha mata piloto e fere dois
FRONTEIRA
Câmeras de segurança flagram atentado a casa de vereador; veja vídeo
CAMPO GRANDE
Polícia Civil apreende armas de fogo que seriam negociadas

Mais Lidas

ASSALTO
Mulher tem carro roubado ao parar no semáforo em Dourados
POLÍCIA
Irmãos morrem após serem atropelados por caminhonete em rodovia
LOTERIAS
Mega-Sena premia uma aposta com R$ 40 milhões e 11 douradenses acertam a Quadra
DOURADOS/ITAPORÃ
Produtor rural morto em acidente na MS-156 voltava de aniversário em pesqueiro