Menu
Busca segunda, 25 de maio de 2020
(67) 99659-5905

PSDB e PMDB não falam a mesma língua

17 dezembro 2009 - 14h43

O quadro político continua sendo de instabilidade em Mato Grosso do Sul, até porque o processo sucessório só deve começar a se definir a partir da realização das convenções partidárias, em junho de 2010. O certo, até o momento, é que há informações desencontradas em termos de composição das chapas majoritárias.
PMDB e PSDB, por exemplo, não falam a mesma língua sobre eventuais alianças, mesmo sendo aliados atualmente. Os dois grupos políticos têm como principal adversário o ex-governador Zeca do PT.
Em entrevista à imprensa na terça-feira, o governador André Puccinelli (PMDB) declarou estar conversando com seus aliados "há muito tempo".
Abordado por repórteres durante a entrega do 5º Prêmio de Gestão Pública, na Governadoria, André Puccinelli disse contar com o apoio de 9 partidos e que trabalha para atrair outros 10 para seu palanque.
No entanto, o presidente regional do PSDB, deputado estadual Reinaldo Azambuja, deu uma versão totalmente oposta ao ser questionado no mesmo dia, em relação a possíveis entendimentos.
"Não tivemos nenhuma conversa com o governador sobre aliança, a gente tem trabalhado pelos municípios, mas sobre questões políticas, principalmente nós do PSDB. Em momento algum tivemos nenhuma conversa com o governador sobre 2010", disse ao Conjuntra Online, ao apontar o Bloco Democrático Reformista, do qual também fazem parte DEM e PPS, como alternativa no próximo pleito, caso a coligação com o PMDB não prospere.
Apesar disso, Azambuja comentou que o bloco trabalha também com a hipótese de apoiar o projeto de reeleição do governador, se esse for o encaminhamento.
"Nós tomamos a decisão de aguardar a nossa candidatura presidencial, o que deve ocorrer ao final de janeiro. Definido o candidato, vamos ter uma reunião com ele para que a gente converse sobre o melhor caminho para a gente tomar aqui em Mato Grosso do Sul", colocou.
Ele disse que a senadora Marisa Serrano é, no momento, o único nome dentro do bloco capaz de aglutinar forças para disputar as eleições do ano que vem ao governo de Mato Grosso do Sul.
Questionado sobre se iria para o sacrifício caso o PSDB o escolhesse, o deputado descartou a possibilidade de postular o cargo.
"A candidatura majoritária nossa, que hoje é colocada dentro do bloco, é da senadora Marisa Serrano. Eu estou preparando a minha candidatura, a minha campanha para deputado federal. Então, eu não especulo essa possibilidade de sair ao governo, seja para ir para o sacrifício ou para termos palanque", descartou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

STJ
Quinta Turma dará mais publicidade aos processos levados em mesa para julgamento
BRASIL
Câmara pode votar Lei de Emergência Cultural na próxima terça-feira
BRASIL
Firjan Senai oferece cursos de aperfeiçoamento para todo o país
STJ
Juiz deverá aplicar medidas coercitivas a familiares que se recusam a fazer DNA, sejam ou não parte na investigação de paternidade
STF
Empresas optantes pelo Simples têm direito a imunidades em receitas decorrentes de exportação
MINISTRO
Weintraub: “tentam deturpar minha fala para desestabilizar a nação”
DIA MUNDIAL
Situação de stress social pode ser gatilho para quem tem esquizofrenia
ESTADO
Canil do Corpo de Bombeiros participa de ocorrências no interior e na capital
ESPORTE
Beach Handebol brasileiro busca alternativas para se manter no topo
INTERIOR
Com peças de Lego, alunas da UEMS criam robô que ajuda na prevenção do coronavírus

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Homem morre atropelado por rolo compactador
PANDEMIA
Dourados ultrapassa marca de 100 casos confirmados de coronavírus
MARACAJU
Homem morre após tentativa de fuga e troca de tiros com a polícia
MS-145
Motorista disse não ter visto momento que atropelou e matou ciclista