terça, 17 de maio de 2022
Dourados
16°max
min
Campo Grande
16°max
min
Três Lagoas
19°max
10°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

Promotora abre inquérito contra Gugu por dano moral

18 setembro 2003 - 11h00

A promotora Deborah Pierri, da Promotoria de Justiça do Consumidor de São Paulo, instaurou inquérito civil para apurar informações sobre a entrevista veiculada pelo programa Domingo Legal, do SBT, com dois encapuzados que disseram ser do PCC (Primeiro Comando da Capital).O SBT, o apresentador Gugu Liberato, os diretores e produtores do programa deverão ser notificados hoje e terão 15 dias para se pronunciar sobre o caso."O objetivo é apurar o dano moral coletivo decorrente desse episódio lamentável", disse a promotora. Para Deborah, a exibição da entrevista causou um estado de insegurança e medo aos telespectadores --considerados consumidores."A divulgação da entrevista, verídica ou não [apura-se se os encapuzados pertencem ou não à facção criminosa], onde se glamouriza o crime, causou uma instabilidade social", disse. "Se ela for inverídica, o caso só tende a agravar a falta da confiança no meio de comunicação."Conforme a promotora, a emissora e Gugu podem não apresentar respostas ou optar por discutir o episódio com a promotoria, para encontrar um meio de ressarcir o dano moral causado aos telespectadores. "O mais importante é que eles reflitam sobre as nossas considerações, se a sociedade merece uma resposta por ter sido atacada em pleno domingo."O inquérito servirá como base para que a promotora entre ou não na Justiça com uma ação civil pública reparatória. Na ação, deverá ser exigida condenação financeira. Para Deborah, as desculpas pedidas por Gugu a apresentadores ameaçados pelos encapuzados, não são suficientes para reparar o dano moral causado aos telespectadores. "As desculpas são ótimas, mas não suficientes, elas não ressarcem o consumidor, não satisfazem." Gugu pediu desculpas na última segunda-feira, ao dar entrevista em programas de televisão.A promotora citou como exemplo uma ação movida no ano passado contra a MTV, que veiculou, em forma de vinhetas, cenas de sadomasoquismo. Na ação, a promotora pediu R$ 1 de indenização por cada telespectador atingido (cerca de 7 milhões, segundo dados da emissora). No caso do SBT, a promotora aponta um potencial de 150 milhões de telespectadores lesados.Antes de haver uma condenação judicial, a MTV e a promotoria entraram em acordo: a emissora passou a veicular programas educativos. "Eles fizeram um pacote de um ano de uma produção cultural, exibindo, por exemplo, explicações sobre a prostituição infantil", disse Deborah. "A sociedade só tem a ganhar quando alguém reconhece que errou." 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Rose Modesto diz que disputará governo e não será vice nas eleições de outubro
POLÍTICA

Rose Modesto diz que disputará governo e não será vice nas eleições de outubro

STF fixa em 120 dias a conclusão de investigação contra ex-senador
BRASIL

STF fixa em 120 dias a conclusão de investigação contra ex-senador

Prefeito de Pedro Juan é alvo de atentado a tiros
FRONTEIRA

Prefeito de Pedro Juan é alvo de atentado a tiros

Jovem é preso no local de trabalho ao ser flagrado recebendo drogas que comprava pela internet
BONITO

Jovem é preso no local de trabalho ao ser flagrado recebendo drogas que comprava pela internet

Suspeitos de traficarem drogas na modalidade "delivery" são presos
REGIÃO

Suspeitos de traficarem drogas na modalidade "delivery" são presos

PEDRO JUAN CABALLERO

Dupla é executada em pátio de posto de combustíveis

REGIÃO

Equipes resgatam capivaras que caíram em cisternas abertas

DOURADOS

Saúde promove atividades alusivas ao Dia de Luta Antimanicomial

TV DOURADOS NEWS

IFMS esta com inscrições para graduação em jogos digitais

BR-419

Bitrem boiadeiro tomba em rodovia e 12 animais morrem

Mais Lidas

JARDIM

Filho de secretária é morto por policiais militares após briga em bar

TRÁFICO DE DRGOAS

Casal é preso na fronteira tentando trazer maconha para Dourados

DOURADOS

Mulher tem parte da orelha arrancada por mordida durante confusão

HOSPITAL DA VIDA

Foragido da Justiça por não pagar pensão é esfaqueado em conveniência