Menu
Busca quarta, 27 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Projeto de Marçal Filho beneficia as mulheres

08 março 2010 - 09h05

O deputado federal Marçal Filho afirmou, durante o evento promovido no sábado em homenagem às mulheres pelo PMDB/Mulher, estar torcendo pela aprovação, “com urgência”, do Projeto de Lei 6393/09, de sua autoria e que pune com multa os empregadores que pagarem salários menores às mulheres do que aos homens ocupantes da mesma função. “Além da dupla jornada, tendo que além do emprego formal cuidar da casa e dos filhos, as mulheres ainda são submetidas à ganância de alguns patrões”, constatou o deputado.
 
“Atualmente, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT, Decreto-Lei 5.452/43) prevê punição para a discriminação profissional por motivos de sexo, idade, cor ou situação familiar. No entanto, o texto está desatualizado e estabelece multa de cem a mil cruzeiros, moeda já extinta”, explicou o parlamentar. “Esse vazio legal deixa brecha para patrões inescrupulosos praticarem a discriminação”, constatou o autor da proposta, lembrando que o pagamento de salários diferentes por motivo de sexo, assim como de idade, cor ou estado civil, também é proibido pela Constituição.
Porém, como argumenta Marçal Filho, "toda essa profusão de normas de proteção ao trabalho das mulheres não consegue impedir a grande discriminação sofrida por elas no Brasil".

Marçal Filho citou pesquisa da Confederação Internacional dos Sindicatos, realizada em março do ano passado, segundo a qual o Brasil aparece como o país com maior diferença salarial entre homens e mulheres entre os analisados — com variação de 34%. "O estudo, baseado em pesquisas com 300 mil mulheres em 24 países, aponta que, no mundo, elas ganham em média 22% menos que os homens", acrescentou o parlamentar. “Levantamento do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) aponta Mato Grosso do Sul, dentre as demais unidades da federação, como o estado onde essa diferenciação é praticada de forma mais gritante”, lamentou o parlamentar.
No estado, ainda segundo o levantamento citado por Marçal, o salário médio real de admissão pago para os homens (R$ 608,30) é 15,88% maior que o recebido pelas mulheres (R$ 589,24).
“Sugerimos que, constatada a diferença salarial, o empregador seja obrigado a pagar uma multa em favor da empregada, o que a nosso ver deve levá-lo a pensar duas vezes antes de burlar a lei, que já proíbe a discriminação, mas não pune o infrator”, explicou Marçal Filho. Na avaliação do parlamentar a legislação, em seu formato atual, não tem alcançado seu objetivo, que é impedir a discriminação.
Segundo ele, essa situação é agravada pelo medo que as prejudicadas tem de perder o emprego caso reclamem administrativa ou judicialmente da desigualdade salarial. “Muitas delas são arrimos de família e a perda do emprego representaria a falta do sustento para todos”, observou.
De acordo com o projeto, pela infração ao inciso III do art. 373-A, relativa à remuneração, será imposta ao empregador multa em favor da empregada correspondente a cinco vezes a diferença verificada em todo o período da contratação”.“Não basta dizer que não pode discriminar”, ponderou Marçal Filho. “É preciso penalizar quem descumprir a lei”, defendeu. Ele afirmou esperar tramitação rápida da proposta e confiar na sensibilidade do presidente Lula em sancioná-la, de forma a que beneficie logo as milhares de trabalhadoras do Brasil. O projeto tramita em caráter conclusivo pelas Comissões Permanentes da Câmara. Isso significa que, se aprovado, não terá que passar pelo crivo do plenário, indo direto para sanção do presidente Lula. “Espero que no ano que vem, no próximo Dia Internacional da Mulher, tenhamos essa conquista para comemorar”, concluiu.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
Idosa é agredida após ter a casa invadida por morador de rua
CULTURA
CineClube UEMS terá encontros online com filmes sobre pandemia
LOTERIA
Confira os números da Mega-Sena, que paga prêmio de R$ 33 milhões
JARAGUARI
Caminhonete paraguaia com R$ 5 mil em multas é apreendida em MS
CORUMBÁ
Companhia aérea deve indenizar por atraso de voo sem justificar motivo
SAÚDE
HU de Dourados lança Manual de Aleitamento Materno em formato de livro
CAMPO GRANDE
Homem passa mal, mobiliza Bombeiros e Samu e morre a caminho de UPA
AVANÇO DA PANDEMIA
Brasil registra 1.086 mortes por Civid-19 em 24 horas e chega a 25.598
CAPITAL
Homem é encontrado na rua, vai para CTI e morre sem identificação
POLÍCIA
Golpes a beneficiários do auxílio emergencial continuam em Dourados

Mais Lidas

DOURADOS
Prefeitura estende toque de recolher em 2h em Dourados
PANDEMIA
Dourados tem mais de 150 casos de Covid-19 e secretário diz ser assustadora a crescente na região
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher