Menu
Busca terça, 07 de abril de 2020
(67) 9860-3221

Professores de MS querem 9% de antecipação salarial

22 janeiro 2013 - 12h31



Professores e funcionários de escolas particulares de Mato Grosso do Sul, cuja data base é 1º de março, querem 9% de antecipação salarial para os pisos das categorias, para vigorar a partir de 1º de janeiro. O pedido foi feito pelo Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (privado) de Mato Grosso do Sul – Sintrae/MS, por intermédio de ofício encaminhado à presidente do Sinepe (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Mato Grosso do Sul), Maria da Glória Paim Barcellos.

Ricardo Martinez Froes, presidente do Sintrae explica que esse percentual reivindicado é o mesmo que o Governo Federal concedeu ao salário mínimo. Essa antecipação, segundo ele, se faz necessária para que o professor e funcionários de escolas particulares de MS não percam o poder de compra com seus salários.

O Sintrae pede também a antecipação de 5% de reajuste salarial para quem ganha acima do piso. “Esses percentuais de antecipação são imprescindíveis. A primeira, para que os pisos mantenham o mesmo poder de compra em relação ao salário mínimo. A segunda, para amenizar as perdas acumuladas desde a data-base anterior”, justificou.

O não atendimento a essas reivindicações, segundo Froes, “implicará no rebaixamento do valor real dos salários de professores e funcionários das escolas privadas de Mato Grosso do Sul, violando frontalmente os fundamentos constitucionais de valorização do trabalho ( Art. 1°, inciso IV, da Constituição da República Federativa do Brasil - CR) e do profissional da educação escolar (Art. 206, inciso V, da CR)”

O Sintrae/MS não tem dúvida de que o Sinepe vai atender a essas reivindicações dos professores e funcionários, pois entende que são propostas “razoáveis, modesta e absolutamente necessárias, pois não acarretam transtorno de nenhuma ordem para as escolas”, explica Ricardo Froes.

No dia 2 de fevereiro o Sintrae/MS reúne professores e funcionários de escolas particulares, em assembleia geral, para discutir a pauta de reivindicação que será encaminhada para a classe patronal. Nesse encontro a categoria vai decidir também os percentuais de reajuste salarial que vão pedir, para cobrir o acumulado da inflação e ganho real de seus vencimentos.

Ricardo Froes diz que Mato Grosso do Sul e o Brasil, de uma maneira geral, atravessam novos tempos de valorização maior dos professores e funcionários da educação. “É preciso que as escolas tenham uma maior consciência da importância de pagar melhores salários aos seus funcionários, maiores responsáveis pela melhoria da qualidade do ensino e pelo bom desempenho dessas instituições de ensino”, comentou o sindicalista que é professor e advogado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

IVINHEMA
Polícia frustra traficantes que levariam maconha para São Paulo
ECONOMIA
INSS define regras para antecipar pagamento de auxílio-doença
RIBAS DO RIO PARDO
Fusca apresenta defeito e motorista é flagrado com maconha na BR-262
EDUCAÇÃO
Enem: 670 mil estudantes já solicitam isenção da taxa de inscrição
AQUIDAUANA
Apreendida moto usada em fuga por homem que matou ex com tiro na cabeça
DOURADOS
Varas do Trabalho liberam R$ 50 mil para combate ao coronavírus
TRÊS LAGOAS
Preso integrante do PCC que sequestrou vítima para julgá-la em tribunal do crime
ASTRONOMIA
'Superlua rosa' poderá ser vista na noite desta terça no Brasil
PECULATO
Justiça condena réus por tráfico e investigador perde o cargo na polícia
GERAL
Governo federal lança programa de arrecadação de doações

Mais Lidas

DOURADOS
Dois homens são executados por dupla de moto no Jardim Carisma
FLEXIBILIZAÇÃO
Com restrições, comércio volta a funcionar amanhã em Dourados
COVID-19
Estado tem mais três confirmações do novo coronavírus em 24 horas, todas no interior
DOURADOS
Polícia apura que filho matou pai a pauladas após agredir a mãe grávida