segunda, 08 de agosto de 2022
Dourados
22°max
17°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

Produtores querem liberação do algodão transgênico

20 setembro 2004 - 14h19

Na tarde da última quinta-feira, o empresário Jorge Maeda aproveitou uma escala no Ministério da Agricultura na visita a Brasília para pressionar o governo a liberar o cultivo de algodão transgênico já a partir de novembro, via medida provisória."Se veio de contrabando, no bolso do produtor, não sei porque não sou fiscal do governo, mas não tenho dúvida de que em todo lugar [do país] já tem um pouco", resumiu horas depois, já de volta a Ituverava, interior de São Paulo, de onde comanda a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão, a Abrapa.Maeda é um dos grandes produtores do país, fornecedor da Coteminas, indústria têxtil de propriedade da família do vice-presidente José Alencar e que fica com 20% do consumo anual de algodão brasileiro. "Não compramos, e, se há algodão transgênico, é muito pouco", rebate Josué Alencar, filho do vice e presidente da Coteminas, ele mesmo defensor da liberação do algodão geneticamente modificado."Sou a favor da liberação porque o algodão transgênico reduz custos com a pulverização de inseticidas e, conseqüentemente, o dano ambiental", disse Alencar.O argumento é semelhante ao divulgado no site da multinacional Monsanto, que detém a tecnologia de produção do algodão geneticamente modificado com a Syngenta, outra multinacional do ramo de sementes.O endereço eletrônico da Monsanto, principal beneficiária da liberação da soja transgênica desde 2003 mediante a cobrança de royalties, registra a avaliação de que o algodão seguiria o mesmo caminho do grão: "o cultivo ilegal irá difundir-se no país".Não se tratava apenas de uma ameaça, como puderam aferir fiscais do Ministério da Agricultura. No início de agosto, o ministério confirmou os primeiros resultados de amostras coletadas em lavouras de Mato Grosso. Alguns testes deram positivo: havia algodão geneticamente modificado plantado clandestinamente no país. Começava ali uma cruzada para impedir que o algodão repetisse o caso da soja e virasse um fato consumado.No caso da soja, o governo só reagiu depois de colhidas cinco safras ilegais e as culturas transgênicas atingirem quase 80% da área plantada do grão no Rio Grande do Sul. Naquela altura, a destruição das lavouras repercutiria até no saldo das exportações.Até a última sexta-feira, a equipe do ministro Roberto Rodrigues (Agricultura) contabilizava dez testes positivos entre 60 amostras analisadas de um total de 591 amostras de algodão colhidas em sete Estados. Depois de Mato Grosso, a fiscalização avançou por Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, Bahia, Maranhão e Paraná. Nas próximas semanas, deverá atingir 15 Estados produtores de algodão.Os produtores de algodão e sementes já autuados por plantio ilegal --cinco ao todo-- poderão ter de pagar multa de até R$ 18 mil e mais US$ 125 por saca apreendida. As lavouras ainda podem ser destruídas. Os produtores estão ameaçados de perder o acesso ao crédito, além de serem processados criminalmente.O algodão modificado tem em seu DNA um gene da bactéria Bacillus thuringiensis, a Bt, que produz uma toxina letal a lagartas. Com isso, é menor a necessidade de borrifação de inseticida.Nos bastidores dos debates sobre a liberação de transgênicos no Brasil, o algodão é a bola da vez, uma preocupação que une tanto os ambientalistas, liderados no governo pela ministra Marina Silva (Meio Ambiente), como tradicionais defensores dos transgênicos, como Roberto Rodrigues.O que uniu os dois times foi uma peculiaridade das lavouras de algodão: o alto risco de o pólen de uma planta transgênica contaminar espécies nativas. Isso transforma o cultivo clandestino do algodão transgênico em algo bem mais perigoso do que as várias safras de soja plantadas a partir de sementes contrabandeadas.A Folha apurou que não há chance de a liberação do cultivo do algodão geneticamente modificado ocorrer antes do início do cultivo da próxima safra, via MP, como defendem alguns produtores, numa carona com a oitava safra de soja transgênica.O pedido de liberação será avaliado a partir da próxima semana pela CTNBio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança). Dificilmente a resposta sairá antes de novembro, quando começa o próximo cultivo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Para Abrasel MS, setor de gastronomia vai crescer 15% com a promoção do dia dos Pais
TV DOURADOS NEWS

Para Abrasel MS, setor de gastronomia vai crescer 15% com a promoção do dia dos Pais

TJ/MS

Judiciário realiza hoje webinário Direitos dos Povos Indígenas I

PESQUISA

Censo pode ser respondido por telefone ou internet; saiba como

Ladrão esquece mochila aberta e dinheiro roubado voa durante fuga
TRAPALHADA

Ladrão esquece mochila aberta e dinheiro roubado voa durante fuga

Campanha de Vacinação contra Poliomielite começa nesta segunda
DOURADOS

Campanha de Vacinação contra Poliomielite começa nesta segunda

FRONTEIRA

Com corda improvisada, integrantes do PCC fogem de presídio paraguaio

TEMPO

Segunda-feira nublada com chuva a qualquer hora do dia em Dourados

SAÚDE

Varíola dos macacos: entidades criticam estigma a homossexuais

POLÍCIA

Homem é espancado em construção abandonada na Capital

GERAL

Justiça nega 'habeas corpus' pedido pela defesa do cônsul alemão

Mais Lidas

LUTO

Conselho de Agronomia lamenta morte de jovem agrônoma em acidente

Adolescente fica gravemente ferido após caminhonete capotar na MS-141

SUSPEITO FOI PRESO

Casal de idosos é assassinado em residência no centro de Coxim

REGIÃO

Corpo de idoso é encontrado carbonizado em residência destruída por incêndio