Menu
Busca sexta, 10 de abril de 2020
(67) 9860-3221

Procurador da República e repórteres ficam reféns de índios

15 janeiro 2004 - 15h02

O procurador da República Ramiro Rockenbach da Silva foi mantido em poder dos índios de Japorã, hoje de manhã. Ele foi ao local informar aos índios sobre a liminar de reintegração de posse, concedida ontem pelo juiz federal Odilon de Oliveira, e ficou retido numa das áreas ocupadas. O repórter Ginez Cesar, da TV Sulamérica (afiliada da TV Globo em Dourados), o repórter-cinematográfico Oséias Medeiros e o repórter-fotográfico do jornal “Diário MS”, de Dourados, Ademir Almeida, também foram retidos pelos índios. Eles acompanhavam a visita do procurador. O grupo ficou em poder dos índios por cerca de três horas. Os quatro, mais o motorista do Ministério Público Federal que levou Ramiro da Silva ao local, estão retornando neste momento a Dourados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Funcionária de hospital deixa plantão e percebe que moto foi furtada
MS
Confira as dicas dos bombeiros para um feriado prolongado mais seguro
DOURADOS
Após assalto, suspeito deixa documento pessoal cair na fuga
MS
Detran abre as portas na segunda-feira, mas agências de shoppings permanecem fechadas
DOURADOS
Desacerto em compra de casa termina com três presos por ameaça, extorsão e porte ilegal
DOURADOS
Dupla de moto dispara e atinge homem que aguardava para iniciar trabalho
PANDEMIA
Procon raciona compra de luvas e máscaras por consumidor em Dourados
MS
Capital ativa hoje Drive Thru para agilizar exames do novo coronavírus
BRASIL
Pesquisa mostra população entre 10 e 40 anos vulnerável ao sarampo
DOURADOS
Celebrações de Páscoa serão restritas a padres e diáconos transmitidas na web

Mais Lidas

COVID-19
Dourados confirma mais um caso de coronavírus e Estado chega a 89
COVID-19
Dos casos de coronavírus em Dourados, três estão curados e um internado
DOURADOS
Mulher morta em acidente cursava pedagogia e terá corpo levado a Naviraí
DOURADOS
Dupla é presa acusada de tentativa de homicídio e fazer criança como escudo