Menu
Busca sexta, 07 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Presidente poderá usar televisão para defender Meirelles

08 agosto 2004 - 17h04

O governo vai reforçar nesta semana a defesa do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. Alvo de sucessivas denúncias produzidas pela oposição, Meirelles já demonstra impaciência em relação às pressões a que está submetido, sinal que tem preocupado o ministro da Fazenda, Antônio Palocci. No Palácio do Planalto, a ordem é dar cada vez mais visibilidade à chamada agenda positiva. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva poderá até mesmo ir à TV para falar dos resultados extremamente favoráveis na economia em cadeia nacional. Meirelles já avisou que pretende abandonar a estratégia do governo de ficar de plantão para responder a cada nova denúncia. "Estou exausto", disse ele no fim da semana em que foi alvo de uma super exposição na mídia. O presidente do Banco Central admite que a tática da oposição, de submetê-lo a um desgaste incessante, tem cumprido o seu objetivo e dificilmente será interrompida antes das eleições municipais de outubro. Por isso, não vê mais sentido em ficar "24 horas no ar", dando explicações. Acha que, a partir de agora, quem tiver denúncia de sonegação fiscal contra ele deve ir direto à Receita Federal. Pressão Lula está convencido de que Meirelles merece apoio e não vai afastá-lo do cargo. "Nunca agi sob pressão e não vai ser agora que vou agir", disse ele, recentemente, a mais de um interlocutor. Tanto Lula quanto Palocci avaliam que Meirelles tem dado justificativas "consistentes" para as acusações. A Secretaria de Comunicação do Governo e Gestão Estratégica (Secom) chegou a analisar a possibilidade de Lula aparecer em cadeia nacional nesta semana para falar dos números positivos da economia e, indiretamente, defender Meirelles. Mas a estratégia pode ficar para uma segunda etapa. Motivo: o governo não quer passar a impressão de que está preocupado em demasia. Em pleno inferno astral - ele completará 59 anos no dia 31 deste mês -, Meirelles ainda administra, como autoridade monetária, os vasos comunicantes entre as denúncias e o comportamento do mercado financeiro, que exibiu, na semana passada, os primeiros sinais de contaminação. Copom A situação é, de fato, delicada.Dentro de oito dias, o presidente do Banco Central estará presidindo a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) para definir a trajetória de juros do País. Para o governo, o ideal é que, ao longo desta semana, a "crise Meirelles" seja deslocada para as páginas internas dos jornais e que a chamada agenda positiva passe a ocupar lugar de destaque. Conflito O governo trabalha para que a atual onda de denúncias não comprometa a condução da política monetária. "Seguramente, Meirelles saberá prestar esclarecimentos sobre tudo", afirmou o líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP). Na prática, porém, o Planalto ainda tenta negociar a melhor data para a ida de Meirelles à Comissão de Fiscalização e Controle do Senado. "Ele virá aqui, mas não para falar apenas desse episódio. Vai abordar também os ótimos resultados da economia", argumentou Mercadante. O presidente do PT, José Genoino (SP), que ficou ostensivamente fora do conflito, admite que sua preocupação, no momento, é exclusivamente com a campanha eleitoral.Para ele, as denúncias contra Meirelles não passam de fofoca. "Essa turma da oposição pensou que ia ser fácil vencer as eleições e agora está vendo que vai perder. Aí apela, mas não estou nem aí", disse Genoino, dando de ombros.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Contrato de gestão da Funsaud vence em junho e conselho faz alerta
DOURADOS
Contrato de gestão da Funsaud vence em junho e conselho faz alerta
Anta de 200kg é resgatada após cair dentro de piscina de clube
MARACAJU
Anta de 200kg é resgatada após cair dentro de piscina de clube
VACINAÇÃO
"Dia D" de vacinação contra a Influenza será amanhã em Dourados
Polícia apreende carga com 17 mil pacotes de cigarros do Paraguai
CONTRABANDO
Polícia apreende carga com 17 mil pacotes de cigarros do Paraguai
Balanço contábil de 2020 da endividada Funsaud ainda não foi finalizado
DOURADOS
Balanço contábil de 2020 da endividada Funsaud ainda não foi finalizado
IMUNIZAÇÃO
Campo Grande faz 'repescagem' da vacina para servidores da Segurança Pública
BRASIL
Inscrições para o Revalida 2021 vão de 31 de maio a 11 de junho
PANDEMIA
Mais duas mulheres morrem por coronavírus e Dourados chega a 441 óbitos
PANDEMIA
MS se aproxima de 6 mil óbitos por Covid e soma mais de 254,7 mil infectados
ARTIGO
Um anjo sem asas

Mais Lidas

DOURADOS
Mulher presa com armas, drogas e veículos mantinha relacionamento com interno da PED
DOURADOS
Pancadaria em motel termina na delegacia com três pessoas detidas
JÓQUEI CLUBE
Jovem é presa em Dourados com armamento de uso restrito, drogas e veículo clonado
DOURADOS
Carga de tijolos cai de caminhão em rotatória na Coronel Ponciano; veja vídeo