Menu
Busca segunda, 19 de abril de 2021
(67) 99257-3397

Prejuízo com o vírus MyDoom sobe para US$ 22 bi

30 janeiro 2004 - 12h20

O vírus MyDoom já está sendo considerado o segundo pior vírus da história. Em quatro dias, a praga já provocou prejuízos de US$ 22 bilhões, ficando atrás apenas do Sobig, que no ano passado gerou perdas de US$ 37 bilhões.Só as empresas dos EUA, pelos cálculos do Gartner Group, terão gastos de US$ 250 milhões com o vírus. Os gastos envolvem perda de produtividade e despesas com suporte técnico. O montante é maior qie os danos financeiros causados pelo MS Blast ou pelo Sobig, porque o MyDoom deixa para trás uma porta aberta para futuras invasões.O FBI e especialistas de todo o mundo estão à caça dos criadores do MyDoom. A SCO e a Microsoft, empresas que são alvo de um ataque DoS (Denial of Service) programado pelas versões a e b do MyDoom, respectivamente, oferecem recompensa de US$ 500 mil (US$ 250 mil cada) para quem der informações que levem à prisão dos criadores do vírus.Descoberto na noite de segunda-feira, durante a abertura do mercado asiático, o vírus se espalhou por 168 países em menos de 12 horas. Trinta e seis horas depois, mais de 100 milhões de e-mails haviam sido infectados. No dia de maior atividade, terça-feira, ele chegou a ser encontrado em 1 a cada 12 e-mails.O vírus utiliza truques de engenharia social para enganar o internauta e conseguir se instalar no sistema. Ele chega por e-mail, e os campos de assunto, corpo da mensagem e nome do arquivo anexo, que carrega o código malicioso, variam bastante, tornando difícil seu reconhecimento. Ao contrário dos demais vírus do tipo worm, o MyDoom não faz promessas de fotos pornográficas. Ele chega como se fosse uma mensagem de erro enviada pelo servidor de e-mail, avisando que a mensagem enviada não pôde ser entregue. Curioso para descobrir quem deixou de receber sua mensagem, o usuário clica no anexo e instala o vírus. Além do e-mail, o Mydoom também usa sistemas P2P (peer-to-peer), como o KaZaA, para se distribuir. Outro perigo apresentado por ele é a instalação de um cavalo de tróia na máquina contaminada, o que permite o roubo de informações e a manipulação remota do sistema.Dois dias depois de ter sido descoberto, o MyDoom já tinha uma variante, que pode ser mais perigosa do que a versão original por impedir que muitos programas de antivírus façam a atualização corretamente.OrigemO MyDoom.A pode ter sido criado na Rússia, segundo a empresa de segurança Kaspersky, que rastreou a origem das mensagens contaminadas e disse ter chegado a servidores de provedores russos. "Há 80% de chances de a origem do verme ser mesmo russa", disse Dennis Zenkov, porta-voz da empresa, ao jornal "The Moscow Times".

Deixe seu Comentário

Leia Também

Trio é preso com drogas, arma e dinheiro
TRÁFICO DE DROGAS
Trio é preso com drogas, arma e dinheiro
Começa hoje o prazo para matrículas em chamada única do Sisu
EDUCAÇÃO
Começa hoje o prazo para matrículas em chamada única do Sisu
Fahd diz em carta ser perseguido por criminosos e sustentado pelos filhos
ORMETÀ
Fahd diz em carta ser perseguido por criminosos e sustentado pelos filhos
Abril segue mais quente e seco do que a média em Dourados
CLIMA
Abril segue mais quente e seco do que a média em Dourados
MS se aproxima de 800 mortes por coronavírus em abril após mais 31 mortes
PANDEMIA
MS se aproxima de 800 mortes por coronavírus em abril após mais 31 mortes
TRÁFICO DE DROGAS
Polícia recupera veículo furtado com mais de 150kg de maconha com destino a Dourados
DOURADOS
Vacinação continua em unidades de saúde e no Centro de Convivência do Idoso
VEÍCULOS MS
Ferrari confirma que terá carro elétrico em 2025
PANDEMIA
Com mais de 1,3 mil casos ativos, Dourados registra mais dois óbitos por Covid
CAMPO GRANDE
Jovem é cercado e estuprado por internos dentro de Unei

Mais Lidas

ASSALTO
Mulher tem carro roubado ao parar no semáforo em Dourados
POLÍCIA
Irmãos morrem após serem atropelados por caminhonete em rodovia
DOURADOS
Interno morre após briga com companheiro de cela da PED
PED
Arma de fabricação caseira é encontra em cela de interno morto