Menu
Busca terça, 27 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
AÇÃO

Prefeitura de Dourados contribui com função social da ressocialização

Prefeitura de Dourados contribui com função social da ressocialização

19 novembro 2017 - 20h05Por Assessoria

Uma parceria Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) e a empresa Global Prestadora de Serviços vai permitir o cumprimento das ações de reinserção social de internos do Presídio Estadual de Dourados (PED) com benefício à Fundação Municipal de Saúde de Dourados (Funsaud) que vai enviar à lavanderia ativada no presídio toda a demanda da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e Hospital da Vida, permitindo economia à administração e cumprimento da função social das medidas socioeducativas em Dourados.
 
Na sexta-feira (17), uma solenidade com a presença do secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, José Carlos Barbosa, e a empresa envolvida, além dos representantes da Agepen e Ministério Público, marcou a divulgação das atividades na lavanderia instalada no presídio utilizando mão de obra de internos com vistas à preparação dos detentos para retorno à sociedade. Já são entre 600 e mil quilos de roupas lavadas com previsão de aumento da capacidade para 2 mil quilos.
 
A prefeita Délia Razuk, em agenda externa, foi representada no ato solene pelo assessor especial do gabinete, Alexandre Mantovani, que destacou os principais benefícios da ação. “A lavanderia que agora passa a funcionar aqui é um divisor de águas e com certeza contribuirá para o serviço local e o cumprimento da pena na melhor forma. É importante destacar que a função social de reinserção de pessoas à sociedade vem sendo cumprida pela PED. E estamos aqui para fomentar este processo, contribuindo com esta iniciativa”, disse. Também estiveram presentes representantes da Funsaud, do gabinete da Prefeitura.
 
O diretor-presidente da Agepen, Aud de Oliveira Chaves, destacou que a implantação da unidade de lavanderia na PED é uma ação que abre portas para tantas outras, com a possibilidade de inúmeros avanços no que tange aos métodos de ressocialização. “Os internos precisam desta atenção e podemos, tão somente, privá-los de liberdade, mas com todos os demais direitos garantidos. Esperamos outras parcerias semelhantes em outras unidades do Estado”, disse.
 
O secretário José Carlos Barbosa destacou a participação da Prefeitura de Dourados no processo, mantendo uma demanda para que a lavanderia possa funcionar. Segundo ele, esta é a mostra de que a sociedade precisa olhar, conhecer e participar do sistema prisional. “No Brasil não temos pena de morte e muito menos prisão perpétua. Assim, todo preso retorna para a sociedade e temos que contribuir para que retorne da melhor maneira. Agradeço a preocupação da prefeita Délia em encaminhar a demanda da rede hospitalar, propondo serviço aos internos e economia para a administração, sem é claro deixar de contribuir na reinserção deles à sociedade”, disse.
 
O promotor Juliano Albuquerque, da 8ª Promotoria comemorou uma mostra da quebra da barreira do preconceito. Segundo ele, é preciso mostrar aos empresários que estes podem atuar com o trabalho dos presos. “A certeza é de produtividade garantida com retorno à empresa, o ensino de um ofício aos detentos e o fato principal que não há perigo algum”, disse. Ele destacou que a PED já comporta ações de reinserção semelhantes, como a marcenaria, uma confecção e fabricação de bolas de futebol.
 
Segundo a Agepen, para a implantação da lavanderia, a empresa realizou as adequações necessárias determinadas pela Vigilância Sanitária, bem como a perfuração de um poço artesiano para atender as necessidades de água.
 
John Gomes, empresário que resolveu investir no projeto, disse que a meta é ampliar a capacidade diária de limpeza de vestimentas hospitalares. “Iniciamos em caráter experimental há cerca de dois meses e estou muito satisfeito com o trabalho desempenhado, nosso objetivo é ampliar as atividades e dar oportunidade a mais internos. Iniciamos com cinco, atualmente temos seis e nos próximos dias teremos mais quatro atuando no setor”, declarou o empresário.
 
Os reeducandos que atuam na lavanderia recebem remuneração mensal de três quartos do salário mínimo vigente e a remição de um dia na pena a cada três trabalhados, conforme estabelece a legislação. Os maquinários e estruturação do novo setor de trabalho foram de responsabilidade da empresa.
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

PROVA
Segunda etapa do Concurso da Magistratura começa no próximo sábado
UEMS
Publicada 3ª Edição do Auxílio para Acesso Emergencial à Internet
BALANÇO
DOF apreende quase 3 toneladas de drogas, cigarros e armas na fronteira
ECONOMIA
Ministério diz que não prevê pagar 13º do Bolsa Família neste ano
CAPITAL
Soldado da FAB de 22 anos morre após colisão entre moto e carro
EMPREGO
Comarca de Corumbá abre inscrições para selecionar estagiários de Direito
COSTA RICA
Trabalhador morre após cair de contêiner durante construção de auditório
CRIME AMBIENTAL
Dois são presos por abater Dourado durante pescaria em MS
ECONOMIA
Procura das empresas por crédito tem queda de 3,3% em setembro
AQUIDAUANA
Polícia fecha 'boca de fumo' e prende traficante

Mais Lidas

GRANDE DOURADOS
Cobertura de barracão de cerealista ‘voa’ com o vento; veja vídeo
DOURADOS
Guarda encerra festa organizada por adolescente em plena pandemia, apreende droga e até arma artesanal
DOURADOS
Délia decreta emergência por causa de danos provocados pela tempestade
TEMPESTADE
Chuva e ventos de 46km/h derrubam árvores e levam sujeira às ruas de Dourados