sexta, 24 de maio de 2024
Dourados
19ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

Prefeito de Água Clara vai ao TJ contra criação de município

30 setembro 2003 - 14h42

O prefeito de Água Clara, Ésio Vicente de Matos (PTB), anunciou hoje, que impetrará Mandado de Segurança, no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, contra a criação do município de Paraíso das Águas. A decisão foi tomada 72 horas depois de o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) suspender a homologação do resultado do plebiscito, atendendo liminar impetrada pelo procurador regional eleitoral Alexandre Amaral Gavronski. A emancipação do distrito foi aprovada pela Assembléia Legislativa durante sessão extraordinária ocorrida na última sexta-feira. O prefeito aponta um forte impacto negativo na economia de seu município, caso o plebiscito seja convalidado. Segundo ele, Água Clara terá um prejuízo de R$ 3,6 milhões em seu Orçamento, entre outros fatores nocivos a administração municipal.  “Podemos até perder parte do município, desde que seja de acordo com a lei, mas não no afogadilho com quer a Assembléia, que realizou até sessão extraordinária”, disse o prefeito, ao considerar justa a decisão do TSE. Para o advogado do município, Josephino Ujacow, a lei estadual sancionada pelo governador Zeca do PT, além de inconstitucional é ilegal, por ferir o artigo 18, parágrafo 4o , da Constituição Federal. “Nesse caso, é exigido a elaboração de Lei Complementar Federal para que esta estabeleça os requisitos necessários à criação de municípios, como a viabilidade econômica e a forma da consulta plebiscitária” , explicou. Josephino Ujacow  contestou ainda o fato de a Assembléia e o governador  terem se baseado em Lei Complementar Estadual para aprovar e sancionar, respectivamente, o projeto de implantação de Paraíso das Águas. “A Assembléia e o governador feriram o princípio da hierarquia das leis, já que estão alicerçados em Lei Complementar Estadual, quando a Constituição Federal exige a observância de Lei Complementar Federal”, observou o advogado, garantindo que irá protocolar o mandado de segurança até o final da semana. No Mandado de Segurança, Ujacow lembra que o próprio TRE (Tribunal Regional Eleitoral), ao homologar o resultado da consulta popular, afrontou a Resolução nº 274, de sua própria autoria, que exigia, em seu artigo 2º, quorum de 50% e mais um dos eleitores inscritos para aprovação do plebiscito. Segundo ele, no curso do processo, foi elaborada a Lei Complementar nº 102, de 1º de setembro de 2003, que diminuiu o quorum exigido pela resolução 274.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL

Governo sobretaxa misturas no aço usadas para burlar punições

JUSTIÇA

STF julga validade de regras internacionais para sequestro de crianças

SÃO PAULO

Parada LGBT+ pede que público resgate cores da bandeira do Brasil

ECONOMIA

Taxação de super-ricos ganha adesão de países, diz Haddad

Polícia apreende cocaína escondida dentro de caixas de suco
MATO GROSSO DO SUL

Polícia apreende cocaína escondida dentro de caixas de suco

SAÚDE

SUS terá recursos para aumentar acesso a cuidados paliativos

TRÁFICO DE DROAGS E RECEPTAÇÃO

Objetos furtados são recuperados em boca de fumo após investigação

SUL DO PAÍS

Com volta da chuva, aulas são suspensas em Porto Alegre

AGRICULTURA FAMILIAR

1º PAA Indígena de MS é lançado na Aldeia Jaguapiru em Dourados

BRASIL

Lula discute crise climática com juízes de corte internacional

Mais Lidas

REGIÃO 

Empresários são detidos por desvio de energia elétrica após operação do SIG

R$ 37 MILHÕES

Empresa é contratada para prolongar avenida do Centro até parque público de Dourados

BR-463

Douradense é preso com drogas em carro de luxo

ITAPORÃ

Funcionário de fazenda morre durante manutenção em silo