Menu
Busca segunda, 01 de março de 2021
(67) 99257-3397

Preços de cervejas podem aumentar, diz AmBev

13 agosto 2009 - 16h19

A AmBev, proprietária de marcas como Brahma e Antartica, informou hoje que estuda aumentar os preços das cervejas no Brasil no fim do ano. Segundo João Castro Neves, diretor geral da companhia, a fabricante ficará atenta aos movimentos de mercado para praticar os reajustes. Mas ele ressaltou que, no momento, não está ocorrendo nenhuma movimentação neste sentido.

O executivo afirmou que seus concorrentes têm sido "mais racionais" em relação a preços e que o setor ainda está preocupado com a crise mundial. Ele destacou que os preços mais agressivos têm sido praticados pela Petrópolis, produtora da Itaipava. Em teleconferência com analistas realizada hoje, Neves afirmou que a AmBev poderá elevar os preços no quarto trimestre, caso encontre espaço para isso.

No segundo trimestre, a empresa se beneficiou de aumentos praticados no último verão, mas o preço se manteve estável em relação ao primeiro trimestre. O executivo explicou que os preços cresceram devido ao aumento da tributação no setor e pela mudança no mix de produtos. "A maior parte da alta pode ser atribuída à tributação", afirmou.

Neves disse estar "cautelosamente otimista" em relação ao segundo semestre, mas destacou que a empresa prevê um cenário mais otimista do que no início do ano. Esta mudança ocorreu porque a empresa percebeu os resultados positivos de alguns lançamentos feitos no Brasil e pôde avaliar melhor os impactos da crise mundial, que ainda gerava muita incerteza no começo de 2009. "A AmBev espera se beneficiar de um clima melhor e dos feriados que ocorrerão no segundo semestre", disse o executivo. Mesmo assim, ele destacou que o mundo "ainda está muito instável".

Ele destacou que inovações também devem impulsionar os resultados da companhia nos próximos meses. A participação média de mercado da AmBev no segundo trimestre foi de 68,3%, um ponto porcentual a mais do que no mesmo período do ano anterior. "Uma grande parte do aumento de participação foi possível graças às inovações", afirmou.
A AmBev, proprietária de marcas como Brahma e Antartica, informou hoje que estuda aumentar os preços das cervejas no Brasil no fim do ano. Segundo João Castro Neves, diretor geral da companhia, a fabricante ficará atenta aos movimentos de mercado para praticar os reajustes. Mas ele ressaltou que, no momento, não está ocorrendo nenhuma movimentação neste sentido.

O executivo afirmou que seus concorrentes têm sido "mais racionais" em relação a preços e que o setor ainda está preocupado com a crise mundial. Ele destacou que os preços mais agressivos têm sido praticados pela Petrópolis, produtora da Itaipava. Em teleconferência com analistas realizada hoje, Neves afirmou que a AmBev poderá elevar os preços no quarto trimestre, caso encontre espaço para isso.

No segundo trimestre, a empresa se beneficiou de aumentos praticados no último verão, mas o preço se manteve estável em relação ao primeiro trimestre. O executivo explicou que os preços cresceram devido ao aumento da tributação no setor e pela mudança no mix de produtos. "A maior parte da alta pode ser atribuída à tributação", afirmou.

Neves disse estar "cautelosamente otimista" em relação ao segundo semestre, mas destacou que a empresa prevê um cenário mais otimista do que no início do ano. Esta mudança ocorreu porque a empresa percebeu os resultados positivos de alguns lançamentos feitos no Brasil e pôde avaliar melhor os impactos da crise mundial, que ainda gerava muita incerteza no começo de 2009. "A AmBev espera se beneficiar de um clima melhor e dos feriados que ocorrerão no segundo semestre", disse o executivo. Mesmo assim, ele destacou que o mundo "ainda está muito instável".

Ele destacou que inovações também devem impulsionar os resultados da companhia nos próximos meses. A participação média de mercado da AmBev no segundo trimestre foi de 68,3%, um ponto porcentual a mais do que no mesmo período do ano anterior. "Uma grande parte do aumento de participação foi possível graças às inovações", afirmou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Veículo pega fogo ao colidir em coqueiro entre Dourados e Itaporã
ACIDENTE
Veículo pega fogo ao colidir em coqueiro entre Dourados e Itaporã
ESPORTE
Vôlei de praia: Guto e Arthur Mariano vencem etapa do Brasileiro
Senado vota na terça MP que facilita compra de vacinas contra coronavírus
PANDEMIA
Senado vota na terça MP que facilita compra de vacinas contra coronavírus
ESPORTE
Jogo entre Joinville e Marcílio Dias é adiado após surto de Covid-19
Operação Piracema é encerrada com aplicação de R$ 79 mil em multas
FISCALIZAÇÃO
Operação Piracema é encerrada com aplicação de R$ 79 mil em multas
EUA
Facebook vai pagar US$ 650 milhões para encerrar ação por violar privacidade
REGIÃO
Embriagado, homem é preso após bater em carro estacionado
EDUCAÇÃO
Prouni abre inscrições para lista de espera nesta segunda-feira
PANDEMIA
Repórter fotográfico de MS morre vítima do coronavírus
PANDEMIA
Dourados figura com 82% de ocupação dos leitos de UTI/SUS para Covid-19

Mais Lidas

DOURADOS 
Mulher é esfaqueada na região central e encaminhada ao HV em estado grave
DOURADOS 
Mulher que esfaqueou rival é autuada em flagrante por tentativa de homicídio
DOURADOS 
Mulher é presa após furtar residência no Altos do Indaiá
ITAQUIRAÍ
Acusado de matar homem com tiro na nuca diz que vítima ameaçava ex