Menu
Busca domingo, 07 de março de 2021
(67) 99257-3397

Preço do seguro de automóvel é reajustado em cerca de 10%

05 agosto 2009 - 10h48

Mulher com idade entre 20 e 25 anos. Utiliza um carro 1.0 equipado com travas e vidros elétricos, direção hidráulica e ar-condicionado para ir ao trabalho e à faculdade na cidade de São Paulo. Em março do ano passado, uma pessoa com esse perfil pagava R$ 977,57 na apólice do seguro do veículo. A partir deste mês, pagará R$ 1.102,62. Nesse mesmo período, o preço de mercado desse automóvel despencou quase 20% - desvalorização média observada no segmento de usados. Esse é apenas um exemplo entre muitos, mas ilustra a atual política de reajustes do mercado segurador do País. Quem for renovar a apólice ou contratar um seguro novo, perceberá um encarecimento entre 8% e 10%, aumento confirmado pelo presidente do Sindicato dos Corretores de Seguros no Estado de São Paulo (Sincor-SP), Leoncio de Arruda.

Se na prática o valor mais alto já incomoda, psicologicamente tem efeito ainda maior. Com o início da Lei Seca, o mercado esperava queda de até 20% no preço das apólices, já que as seguradoras usam um percentual para reparo de colisões em torno de 20% do valor total. Entretanto, o impacto da nova lei sobre as estatísticas de acidente não foi suficiente para influenciar os preços dos seguros. “A Lei Seca não impactou, porque a queda no número de acidentes não foi significativa”, ressalta o diretor da Superintendência de Seguros Privados (Susep), Alexandre Penner.

Sem fatores que amenizem os custos, o aumento da sinistralidade (índice de ocorrências) encarece os contratos. Segundo o diretor da corretora Maior Seguros, Juliano César da Silva, o mercado de automóveis tem índice de sinistralidade (que considera a relação entre a média de utilização do seguro e os custos que a empresa paga) entre 65% e 67%, mas chegou a 70% em julho. Isso significa que, para cada R$ 100 recebidos em prêmio, a seguradora pagará R$ 70 em indenizações aos clientes. Na prática, se o contrato com a seguradora cobre roubos, o preço da apólice é naturalmente impactado, porque os índices de roubo em diversos estados do país subiram.


O aumento do preço das peças afeta o sinistro"
No entanto, atribuir o aumento a apenas os altos índices de roubo é um equívoco, segundo especialistas. Entre os principais vilões do crescimento da taxa de sinistralidade está também o encarecimento das autopeças devido à falta no mercado de reposição. Segundo Silva, as montadoras não estavam preparadas para o forte aumento da demanda de carros novos, estimulado pela redução do IPI, e isso provocou a falta de peças no mercado de reposição. “Isso prejudica o custo, ou seja, afeta o sinistro”, observa Silva. Para o próximo semestre, o presidente do Sincor-SP afirma que não haverá novos ajustes.


Margem de lucro
Outro fator que ajuda no encarecimento dos seguros é a redução da taxa básica de juros (Selic). Como as seguradoras recorrem às operações financeiras para obterem lucro e tal ganho financeiro é refletido de acordo com as taxas de juros, com a queda da Selic as empresas perdem lucratividade. Para aumentar a margem de lucro, elas repassam tal perda para o preço do contrato. “O ganho operacional das seguradoras é ínfimo ou até não existe, em virtude da sinistralidade e dos custos administrativos. Então, a empresa compensa em ganhos e repassa o custo ao consumidor”, justifica o diretor da corretora Maior Seguros.


Reação do mercado
O valor do seguro não é afetado por insumos naturais da economia, como o aumento das vendas de veículos novos, mas as seguradoras são. O mercado de seguros de automóveis deverá crescer, em média, 10% nos próximos anos. Além do aumento da frota circulante, o que tem injetado ânimo nas seguradoras é a própria mudança de postura do consumidor. “De uma forma geral, a importância do seguro está cada vez mais sendo percebido pelo consumidor, o que é natural de uma economia estável. A questão da estabilidade da moeda possibilitou o brasileiro a se planejar”, observa o diretor da Susep.

Ainda mais otimista, o presidente do Sincor-SP acredita que o crescimento deverá ser ainda maior neste ano, ao redor de 15%. Segundo ele, se em 2010 for confirmada a retomada do mercado geral, a expansão poderá chegar a 18%. “A carteira de seguro para automóveis está entre as que mais cresceram. Principalmente, porque em períodos de crise todo mundo quer garantir o seu bem”, diz Leoncio de Arruda. De acordo com levantamentos das entidades ligadas ao setor, 30% dos automóveis em circulação no país são segurados.



Deixe seu Comentário

Leia Também

REGIÃO
Jovem sem CNH é flagrado em direção perigosa e preso
Em Israel, Ernesto Araújo defende parceria tecnológica contra a covid
PARCERIA
Em Israel, Ernesto Araújo defende parceria tecnológica contra a covid
Contratação de mulheres em cargos de liderança cresceu 20% em 2020, mostra Page Executive
LEVANTAMENTO
Contratação de mulheres em cargos de liderança cresceu 20% em 2020, mostra Page Executive
PONTA PORÃ
Homem fica nervoso ao ver policiais e é preso com mandado de prisão em aberto
Abel Ferreira pede tranquilidade ao Palmeiras na Final da Copa do Brasil
ESPORTES
Abel Ferreira pede tranquilidade ao Palmeiras na Final da Copa do Brasil
REGIÃO
Embriagada, mulher bate carro em poste e vai parar na delegacia
SE ACIDENTOU NO TRAJETO
Após cometer crime no Brasil, bandido foge para o Paraguai, mas acaba preso
AMAMBAI
PMA autua dois pescadores por pesca ilegal e apreende petrechos de pesca
BRASIL
TRF3 concede aposentadoria por invalidez a trabalhador rural portador de lombalgia
MS
Pescadores são autuados por pescar em cachoeira

Mais Lidas

EXECUÇÃO
Executado na fronteira era publicitário e morador em Dourados
PONTA PORÃ
Homem é assassinado na região de fronteira e autores deixam recado ao lado do corpo
SIDROLÂNDIA
Empresário morre em acidente que deixou outros três feridos
FRONTEIRA
Corpo de bebê é encontrado em matagal e enrolado em cobertor