Menu
Busca segunda, 25 de outubro de 2021
(67) 99257-3397
BONITO

Vereadora dá golpe de R$ 12 mil em colegas e é condenada por improbidade

23 novembro 2020 - 19h05Por Da Redação

Luísa de Lima, vereadora pelo MDB, em Bonito, cidade localizada na região Sudoeste do Estado, foi condenada por improbidade administrativa, após aplica golpe de R$ 12 mil nos colegas de Câmara. Reeleita nas eleições de 2020, ela perderá o mandato e terá os direitos políticos suspensos por 4 anos.

A juíza Adriana Lampert, da 1ª Vara de Bonito, condenou a vereadora em sentença divulgada no dia 18. A ação civil pública, apresentada pelo Ministério Público Estadual por atos praticados pela vereadora em setembro de 2010, época em que a vereadora exercia a presidência da Câmara de Bonito.

Conforme a denúncia, a presidente teria tentado arrecadar dinheiro junto aos vereadores para pagar suposta propina a inspetores do Tribunal de Contas do Estado para evitar fiscalização sobre pagamento irregular de verba indenizatória de diárias e auxílio-transporte. Segundo o site Campo Grande News, o suborno não foi comprovado, mas a vereadora justificou ter gasto o dinheiro para pagar consultoria sobre a legalidade de reembolso de despesas dos vereadores.

A contratação de parecer, que legalmente deve ser assumida pela Câmara, não se comprovou e a presidente não provou o gasto supostamente feito por fora e nem devolveu o dinheiro arrecadado, ato que o MPE entendeu e a Justiça acatou como "conduta de improbidade administrativa".

A vereadora foi condenada com perda de função pública; suspensão dos direitos políticos pelo prazo de quatro anos; multa civil no valor de dez vezes o valor da remuneração que auferia no cargo que ocupava na época dos fatos; além de proibição de contratar com o Poder Público pelo prazo de quatro anos.

Eleita novamente em 2020, Luísa iria cumprir seu quarto mandato como vereadora.

Sumiu com R$ 12 mil - De acordo com a ação, em meados de setembro de 2010, a presidente da Câmara teria convocado reunião exigindo propina no valor de R$ 16 mil para cada vereador, cujo montante seria repassados para fiscais do Tribunal de Contas do Estado com intuito de que os referidos fiscais ignorassem irregularidades nos pagamentos de diárias e auxílio-transporte.

Segundo o MPE, Luísa de Lima teria prometido "quitar a cota de cada parlamentar caso os referidos vereadores apoiassem a reeleição dela para o cargo de presidente do Poder Legislativo Municipal".

Numa segunda reunião, em outubro, Luísa de Lima pediu que os vereadores dividissem entre si o valor de R$ 12 mil, pois esta quantia representava uma multa que os fiscais do TCE teriam aplicado à Câmara em razão de constatações advindas do procedimento fiscalizatório.

Os vereadores acreditaram na presidente da Câmara, mas ela não comprovou o pagamento da multa.

A defesa da vereadora vai recorrer da sentença. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Churrasco de peões em fazenda termina com um morto e outro ferido
SUSTENTABILIDADE
Inscrição em edital para organizações quilombolas termina amanhã
TRÊS LAGOAS
Mulher é espancada pelo marido enquanto dormia por suspeita de traição
DORES LOMBAR
Roberto Jefferson pede atendimento médico e é levado para hospital
FRONTEIRA
Homem ameaça matar família, atira contra residência e foge
CONTAS
Guedes reafirma flexibilização do teto de gastos e cobra reformas
Idosa denuncia ter sido agredida por homem que conhece desde criança
IMUNIZAÇÂO
Confira como será a vacinação contra a Covid-19 nesta segunda-feira
JARDIM
Motociclista não resiste e morre ao cair sozinha de motocicleta
FÓRMULA 1
Verstappen segura Hamilton, vence GP dos EUA e amplia liderança

Mais Lidas

CÁRCERE PRIVADO
Tentativa de sequestro a criança termina com jovem preso em Dourados
CLIMA
Vendaval atinge Dourados e deixa rastro de destruição
ACIDENTE
Morto em acidente na BR-163 voltava de festa em Caarapó
DOURADOS
Vento supera 40 quilômetros por hora e grande perigo de tempestade inicia de tarde