Menu
Busca domingo, 20 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
DECISÃO

Justiça anula aposentadoria de conselheiro e barra Arroyo no TCE

11 junho 2015 - 07h10

Por maioria de votos, os desembargadores do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), concederam a ordem no mandado de segurança impetrado pelo TCE/MS (Tribunal de Contas do Estado) contra ato praticado pelo governador de Mato Grosso do Sul, materializado no Decreto "P" nº 5.451, de 23 de dezembro de 2014, nomeando o então deputado estadual Antônio Carlos Arroyo para o cargo de conselheiro do TCE, em decorrência da aposentadoria do Conselheiro José Ricardo Pereira Cabral.

Narra o impetrante que o ato de aposentadoria seria nulo, tendo em vista decisão proferida pelo plenário do Tribunal de Contas, anulando "todo e qualquer ato" praticado pelo conselheiro José Ricardo Pereira Cabral no processo administrativo que tratava da própria aposentadoria.

O Desembargador Sideni Soncini Pimentel, relator do processo, embora tenha reconhecido o vício apontado no ato administrativo do conselheiro em remeter ao governador do Estado cópia do processo de sua aposentadoria, defendeu que por não haver prejuízo ao jurisdicionado, tal ato deveria ser convalidado.

Em seu voto, o relator apontou que o ato administrativo viciado deve ser preservado para garantia da segurança jurídica. Apontou também que havia dois pontos em discussão: o vício de forma e de impedimento, considerando o primeiro existente e de fácil reparação e não reconhecendo o segundo.

Sideni apontou ainda que, quanto ao direito de aposentadoria do conselheiro José Ricardo, este é legítimo, mesmo não tendo Cabral preenchido os requisitos para ser aposentado com proventos integrais. No entender do relator, os proventos deveriam ser parciais, não sendo este motivo para impedir a aposentação.

Abrindo a divergência, o Desembargador Júlio Roberto Siqueira Cardoso fez minuciosa retrospectiva dos fatos e apontou que o ato atacado contém vício insanável, pois, além de o processo administrativo de aposentação ter sido enviado ao governador por autoridade incompetente, os autos entregues ao governador eram suplementares e sem validade, puramente cópias do processo original que ainda se encontra concluso com o conselheiro Ronaldo Chadid, corregedor do TCE.

Júlio ressaltou que o corregedor do TCE é autoridade competente para avaliar o processo de aposentadoria, visto que, na época, era vice-presidente em exercício naquela Corte. Ressaltando que houve flagrante ofensa ao devido processo legal, o desembargador lembrou que ao publicar decreto que efetivava a aposentadoria de José Ricardo, o Governador ignorou parecer da Procuradoria do Estado, feito a seu próprio pedido, de que o conselheiro não preenchia os requisitos legais para ser aposentado.

Em parecer, o Ministério Público manifestou-se pela concessão da segurança, tendo em vista que o ato de aposentadoria de José Ricardo Pereira Cabral contém nulidade insanável, consistente no impedimento deste último atuar em expedientes de seu interesse próprio, bem como na remessa de simples cópias do processo administrativo ao Governador, sendo que os autos do processo encontram-se conclusos no gabinete do Corregedor Geral da Corte de Contas.

Com a decisão do TJ/MS, o ex-deputado Antonio Carlos Arroyo fica impedido de assumir a vaga de conselheiro no Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul, ficando a escolha do novo integrante da corte para o governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Deixe seu Comentário

Leia Também

TIKTOK
Aplicativo move processo para tentar reverter banimento nos Estados Unidos
MATO GROSSO DO SUL
Taxa de contágio cai pela primeira vez no Estado, mas de mortalidade continua alta
OPERAÇÃO FOCUS
Fazendeiro é autuado duas vezes por crime ambiental em menos de 24h
BRASIL
Congresso fará aperfeiçoamento da reforma administrativa, diz ministro
BRASIL
STF inicia na segunda-feira audiência pública para debater Fundo do Clima
DOURADOS
Promotora solicita informações sobre fiscalização de biossegurança em mercados
DOURADOS
Amigos e familiares de entregador morto em acidente pedem que justiça seja feita
PANDEMIA
Mato Grosso do Sul confirma mais 10 mortes por Covid-19
BRASIL
Após problema cardíaco, ministro da Justiça tem alta em Brasília
ARTE
Alunos da UEMS se apresentam no palco virtual do Itaú Cultural

Mais Lidas

DOURADOS
Mulher estaciona em vaga preferencial e é xingada por médico
RIO BRILHANTE
Homem de 56 anos cai de trator e morre atropelado em fazenda
DOURADOS
GM flagra aglomeração no centro e três são presos
POLÍCIA
Braço direito de "Marcelo Piloto" é preso no Paraguai