quinta, 27 de janeiro de 2022
Dourados
33°max
24°min
Campo Grande
30°max
22°min
Três Lagoas
35°max
24°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
LEGISLATIVO DE MS

Produtores defendem Índice do Leite em reunião de Frente Parlamentar na Assembleia

02 dezembro 2021 - 17h45Por Da Redação

Integrantes da Frente Parlamentar do Leite discutiram nesta quinta-feira (2) as metodologias para definição do preço do leite e derivados no Estado. O encontro foi proposto pelo deputado Renato Câmara (MDB), coordenador do grupo de trabalho da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALEMS).

Atualmente, o preço dos produtos lácteos de MS é feito por meio do Índice do Leite, no entanto há debate para que o valor volte a ser definido pela metodologia do Conselho Paritário de Produtores e Indústrias de Leite em Mato Grosso do Sul (Conseleite) - grupo que foi desativado em setembro de 2020, quando o Índice do Leite passou a ser adotado em MS.

"O Conseleite já foi utilizado como índice no passado e tem uma metodologia diferente do cálculo do valor do leite. Muitas pessoas neste momento têm provocado a Frente para que se retorne o Conseleite. Será que seria a metodologia mais eficaz?", pontuou o deputado.

Para mostrar a comparação entre as duas metodologias, o presidente do Sindicato Rural de Campo Grande (SRCG), Wilson Igi, fez uma apresentação mostrando as vantagens e desvantagens de cada uma das referências. "Com várias pessoas pedindo a volta do Conseleite, incluindo deputados, nós que fomos protagonistas no encerramento do Conseleite e na criação do índice, achamos que tínhamos obrigação de prestar esclarecimento do por que acabamos com o Conseleite", afirmou Igi.

Metodologia Conseleite x Índice do Leite de MS

Conforme a apresentação do presidente do sindicato, o objetivo do Índice do Leite foi substituir o Conseleite, além de indicar variação do preço de uma cesta de produtos para servir de referência para negociação do leite ou de indexador para o preço do leite.

“O índice foi discutido aqui na Frente Parlamentar e, à época, um deputado de Goiás mostrou essa metodologia que aquele estado já adotava e MS aderiu há um tempo”, recordou Igi (leia aqui matéria na íntegra sobre a reunião com o parlamentar de Goiás). Para Igi, a falta de divulgação prejudicou o entendimento da nova metodologia e foi um dos motivos para os pedidos da volta do Conseleite.

O índice de MS é composto por uma cesta de quatro produtos: leite spot, pasteurizado, UHT e muçarela. As vantagens da metodologia, segundo Igi, são o custo zero para produtores e indústrias; participação de todas as indústrias do Estado; a transparência dos valores e volumes (nota fiscal); e a disponibilização de um índice para reajuste do leite.

Sobre as desvantagens ele apontou a inexistência de valores de referência; a inexistência de tabela de remuneração por volume e qualidade; e o distanciamento entre produtores e indústria. “Esse distanciamento, até por causa da pandemia, prejudicou a divulgação do índice. A informação não chegou à ponta e isso gerou o desconforto do pedido para a volta do Conseleite”, justificou o representante do Sindicato das Indústrias de Laticínios do Estado de Mato Grosso do Sul (Silems), Paulo Fernando.

Relativo ao Conseleite, o presidente do Sindicato Rural destacou que era um conselho paritário que definia preço de referência no Estado - base para negociação entre as partes. Era de livre adesão, com transparência de regras e metodologias, decisões paritárias com base técnica e composto por 10 empresas. Existiam parâmetros fixos e variados para compor o valor de referência.

Entre as vantagens estavam maior interação entre industriais e produtores; conhecimento dos preços dos concorrentes; divulgação do preço referência; e previsão de preços do mês seguinte.

As desvantagens eram: indústria tinha acesso ao custo de produção estimado da matéria prima do leite e produtor não tinha acesso aos preços da indústria; preço e volume de venda sem transparência; demora na revisão dos custos; e remuneração da universidade tinha alto custo e não foi paritário. “Esses últimos três itens deram motivo para encerrar o Conseleite”, relembrou Igi.

Ao final da apresentação, o presidente do sindicato mostrou um exemplo com a comparação entre os valores do Conseleite Paraná e do Índice do Leite de MS. “A média de valores mostra que o índice de MS é tão bom quanto à metodologia do Conseleite do Paraná, que é melhor que o Conseleite MS”, disse.

Na maioria dos valores apresentados, o Índice do Leite de MS ficou igual e/ou maior que o Conseleite Paraná. “Esse comparativo com o estado do Paraná é bem próximo com nossa realidade”, explicou o deputado Renato Câmara.

Sobre a conclusão, Igi afirmou que existe equivalência na variação dos preços entre o Conseleite Paraná e o MS; as indústrias estão remunerando acima do índice de MS; se ainda existisse Conseleite, os preços seriam piores; e os pequenos produtores devem se organizar em associações e cooperativa para serem mais bem remunerados.

Debates na Frente Parlamentar

O produtor rural e representante da Associação Brasileira dos Produtores de Leite (Abraleite), Marcelo Real, destacou a importância de discutir, no Parlamento, a cadeia de laticínios. “É importante ressaltar a importância da Frente criada pelo deputado, porque ela trás à luz o debate para os produtores de leite do Estado. Acho que esse tipo de iniciativa é muito positiva para a cadeia, que passa por um momento extremamente crítico. O Índice do Leite ele ajuda muito, porque tende a nos dar uma transparência maior e permitir com que a gente aborde junto à indústria um balizamento de custos, e isso favorece as relações comerciais entre os setores”, destacou.

Ao encerrar a reunião, o coordenador da Frente Parlamentar do Leite também enfatizou o trabalho do grupo. “A gente aqui é espaço democrático, onde podemos apresentar ponderações do produtor, da indústria, do governo e dos deputados para fazer esse debate. Estamos pensando em como contribuir, não existe uma fórmula pronta, mas que precisa ser discutida. O importante é ter consciência e preocupação da necessidade agir de alguma forma”, finalizou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cantora gospel Ludmila Ferber morre aos 56 anos
LUTO

Cantora gospel Ludmila Ferber morre aos 56 anos

Macrorregião de Dourados continua com a maior taxa de ocupação em leitos de UTI/SUS
PANDEMIA

Macrorregião de Dourados continua com a maior taxa de ocupação em leitos de UTI/SUS

Durante levantamento e vistorias, PMA autua homem em R$ 50 mil
MEIO AMBIENTE

Durante levantamento e vistorias, PMA autua homem em R$ 50 mil

Marçal e Reinaldo assinam convênio para obra de conclusão da Colônia Paraguaia de Maracaju
AÇÃO PARLAMENTAR

Marçal e Reinaldo assinam convênio para obra de conclusão da Colônia Paraguaia de Maracaju

Projeto prevê descontos proporcionais na conta de luz de quem economizar
CONSUMIDOR

Projeto prevê descontos proporcionais na conta de luz de quem economizar

SELVÍRIA

Idoso é preso por posse ilegal de arma de fogo de uso permitido

TRÂNSITO

Semáforo desligado na região central de Dourados causa transtornos para comerciantes

EDUCAÇÃO

Projeto adia a implantação total da reforma do ensino médio para 2024

POLÍCIA

Autor de homicídio no MT em 2016 é capturado em Campo Grande

ECONOMIA

Secretários de Fazenda aprovam congelamento do ICMS sobre combustíveis

Mais Lidas

DOURADOS

Homem ostenta em boate, não concorda com valor da conta e vai parar na delegacia

FURTO

Jovem abre algema e tenta fugir de delegacia em Dourados durante autuação

DOURADOS

Preso o jovem autor de pelo menos 20 furtos apenas neste ano

RIBAS DO RIO PARDO

Pai, mãe e filho morreram em colisão entre veículos na BR-262