Menu
Busca segunda, 01 de março de 2021
(67) 99257-3397

Políticas de repressão às drogas devem ser repensadas

21 agosto 2009 - 15h53

Enfrentar o problema do tráfico e do consumo de drogas apenas com armas e punição é uma guerra perdida. Esse é o consenso entre os especialistas nacionais e internacionais e autoridades que participam, durante todo o dia de hoje (21), da primeira reunião da Comissão Brasileira sobre Drogas e Democracia (CBDD), na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que esteve à frente da Comissão Latino-Americana sobre Drogas e Democracia, abriu a reunião e defendeu que a questão das drogas deve ser enfrentada como um problema de saúde pública, e não somente como caso de polícia. Para ele, os usuários deveriam ser tratados no Sistema Único de Saúde (SUS).

“Acreditar num mundo sem drogas é imaginar que possa existir um mundo sem sexo. Vamos quebrar o tabu. O uso da camisinha já foi tabu e hoje defendemos o sexo seguro. Agora, devemos procurar reduzir os danos que as drogas causam na sociedade e, para isso, é necessário conscientizar a população e dar suporte aos tóxico-dependentes.”

O ex-presidente lembrou que o controle territorial por parte de traficantes se tornou um problema grave no Brasil e não deve ser combatido. “Mas a educação e a mudança de mentalidade são fortes estratégias de prevenção do consumo de drogas”, disse Fernando Henrique.

A pesquisadora Celia Morgan, da Beckley Foundation e Fellow da European College of Neuropsychopharmacology, apresentou um estudo que aponta que drogas lícitas, como o álcool, são muito mais nocivas ao cérebro que algumas drogas proibidas como a maconha.  “Esses dados ajudam na reflexão sobre os parâmetros usados para se classificar quais drogas devem ou não ser legalizadas e reconsiderar que há drogas proibidas menos prejudiciais que outras encontradas em farmácias, por exemplo”.

Para o economista Peter Reuter, professor do Departamento de Criminologia da Universidade de Maryland, a legalização de drogas como maconha e cocaína, por exemplo, diminuiria a criminalidade, mas aumentaria o consumo e o vício. “Seria uma medida positiva para os mais pobres que sofrem diretamente com a questão da droga, pois haveria redução da violência. Ao mesmo tempo, seria negativa para a classe média, devido ao aumento do consumo”.

Embora ele não defenda a legalização, Reuter acredita que é necessário criar estratégias radicalmente diferentes das que existem hoje.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Preço pago pelo quilo do mel em MS tem alta de 36% em relação a 2020
RURAL
Preço pago pelo quilo do mel em MS tem alta de 36% em relação a 2020
BRASIL
Técnicos da Anvisa inspecionam laboratório indiano que produz Covaxin
Acesso à UPA recebe nova sinalização em Dourados
TRÂNSITO
Acesso à UPA recebe nova sinalização em Dourados
Produção industrial de MS apresenta bom desempenho em janeiro
ECONOMIA
Produção industrial de MS apresenta bom desempenho em janeiro
Com central telefônica 'problemática', município vai criar site para agendar vacinação
DOURADOS
Com central telefônica 'problemática', município vai criar site para agendar vacinação
MEIO AMBIENTE
Filhote de anta é capturado após ser atacado por cachorros
MATO GROSSO DO SUL
Pesca esportiva está liberada nas bacias do Paraguai e Paraná
CORUMBÁ
Homem é preso acusado de estuprar adolescente de 15 anos
PANDEMIA
Vacinômetro aponta que 4% da população de MS está imunizada contra o coronavírus
BRASIL
Universidades federais têm até dezembro para adotar diploma digital

Mais Lidas

ACIDENTE
Veículo pega fogo ao colidir em coqueiro entre Dourados e Itaporã
DOURADOS
Jovem colide moto e embriagado tenta fugir do hospital, mas é detido
PANDEMIA
Mais uma pessoa morre por covid em Dourados e casos confirmados se aproximam de 21 mil
DOURADOS
Homem é suspeito de incendiar carro de vizinho após ser mordido por cachorro