Menu
Busca quarta, 12 de maio de 2021
(67) 99257-3397
LIDER INDÍGENA

Polícia Federal intima índia Sonia Guajajara após críticas ao governo

30 abril 2021 - 20h20Por G 1

A Polícia Federal intimou a líder indígena Sonia Guajajara, da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), a prestar depoimento em um inquérito aberto em razão de documentário divulgado na internet que, segundo a Fundação Nacional do Índio (Funai), propaga "mentiras" contra o governo.

A informação foi divulgada nesta sexta-feira, dia 30 de abril, pela revista "Época". Vinculada ao Ministério da Justiça — ao qual também é subordinada a Polícia Federal —, a Funai é a autora do pedido de investigação da Apib.

O inquérito foi aberto em 19 de março pelo delegado Francisco Vicente Badenes Junior. Ele tomou como base documentação e vídeos enviados pela Funai em 7 de outubro do ano passado, por meio de ofício assinado pelo presidente da fundação, Marcelo Augusto Xavier da Silva, e dirigido ao então diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Alexandre de Sousa.

Coordenadora da Apib, Sonia Guajajara foi intimada na última terça-feira (27). O depoimento estava marcado para esta quinta-feira (29), em Brasília, mas, segundo registros da Polícia Federal, o advogado da líder indígena informou que ela não se encontrava na capital federal e que, por isso, iria fazer um requerimento solicitando alteração da data.

"A perseguição desse governo é inaceitável e absurda! Eles não nos calarão!", escreveu Sonia Guajajara em uma rede social.

Em nota, a Apib afirmou que a intimação foi uma forma de “criminalizar o movimento indígena“.

"O governo busca intimidar os povos indígenas em uma nítida tentativa de cercear nossa liberdade de expressão, que é a ferramenta mais importante para denunciar as violações de direitos humanos. Atualmente, mais da metade dos povos indígenas foram diretamente atingidos pela Covid-19, com mais de 53 mil casos confirmados e 1.059 mortos“, diz a nota da entidade.

O pedido da Funai

No documentário, uma webserie em oito episódios intitulada "Maracá", a Apib aponta violações de direitos dos povos indígenas pelo governo federal durante a pandemia da Covid-19. De acordo com a entidade, o governo promove "genocídio indígena".

"Trata-se de uma série de oito vídeos, com título "Agora é a Vez do Maracá", divulgada como uma mobilização nacional e internacional em prol dos povos indígenas do Brasil durante a pandemia, com divulgação de diversas informações torcidas e tendenciosas, de forma a deformar a verdade dos fatos, acusando o governo federal de total abandono aos indígenas, além de diversas outras acusações graves", afirma o presidente da Funai no documento enviado à PF.

No ofício, a Funai fala em "campanha de calúnia e difamação" por suposta divulgação de informações falsas sobre o número de indígenas doentes e mortos e aponta "possível cometimento de calúnia e difusão de fake news e estelionato".

De acordo com a fundação, "as referidas 'fake news' aparentam ter como intuito levar vítimas a eventuais prejuízos financeiros, podendo ser enquadrada no crime de estelionato (art. 171, CP), posto que busca vantagem ilícita em prejuízo alheio, ao difundir mentiras para arrecadar fundos".

No documento, a Funai relaciona a Apib a "organizações comunistas" que, segundo a fundação, "prejudicam o Brasil, ao articular informações para denegrir a imagem para o exterior. Assim, mais uma vez fica demonstrado a articulação para captação de recurso internacional".

Ação no Supremo

Uma ação contra o governo apresentada pela Apib e por seis partidos políticos (PSB, PSOL, PCdoB, Rede, PT, PDT) tramita desde o ano passado no Supremo Tribunal Federal.

Na ação, a entidade e os partidos reclamam de omissão do governo federal no combate à Covid-19 entre os indígenas.

O ministro Luís Roberto Barroso, relator da ação, validou parcialmente no último dia 16 de março — depois de três versões rejeitadas — um plano de ações do governo federal para tentar conter o avanço da Covid entre os povos indígenas.

Naquela decisão, Barroso também determinou a apresentação de novas medidas capazes de isolar as comunidades indígenas de sete áreas do contato com invasores e para informar como será a execução e o monitoramento do plano homologado.

A Advocacia Geral da União (AGU) apresentou uma nova versão do plano — a quinta — que agora deve ser novamente analisada pelo ministro.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Sete em cada dez empreendedores fizeram vendas online na pandemia
ECONOMIA
Sete em cada dez empreendedores fizeram vendas online na pandemia
Policial Militar salva bebê recém-nascido que se afogou com o leite materno
ANAURILÂNDIA
Policial Militar salva bebê recém-nascido que se afogou com o leite materno
Dourados registra 132 novos infectados com o Coronavírus e segue com 1.546 casos ativos
PANDEMIA
Dourados registra 132 novos infectados com o Coronavírus e segue com 1.546 casos ativos
Marco regulatório do superendividamento volta ao Senado
POLÍTICA
Marco regulatório do superendividamento volta ao Senado
Em CPI, Wajngarten fala sobre campanha contra covid e vacina da Pfizer
PANDEMIA
Em CPI, Wajngarten fala sobre campanha contra covid e vacina da Pfizer
OPERAÇÃO METANOIA
Três são presos em fiscalizações da PM em Campo Grande
POLÍCIA
Jovem com mandado em aberto é detido em Bataguassu
INTERNACIONAL
Comissão da OMS faz recomendações para evitar próxima pandemia
BENEFÍCIO
Publicado extrato de adesão de contrato para emissão dos cartões do Mais Social
ORDEM DO DIA
Aprovados PLs que prorrogam estado de calamidade pública

Mais Lidas

PANDEMIA
Levado pela Covid-19, "João da União" deixa legado para família e em Dourados
INDÁPOLIS
'Frio' e com roupa ainda suja de sangue, assassino de tio não mostrou arrependimento ao ser preso
DOURADOS
Homem morre no HV após acidente com condutor que empinava moto
PANDEMIA
Novo decreto mantém toque de recolher às 21h e autoriza abertura de cinema em Dourados