Menu
Busca quarta, 20 de outubro de 2021
(67) 99257-3397

PCC quer se infiltrar na política financiando campanhas

31 março 2008 - 06h15


A cúpula do crime organizado quer ter representação política. Depois de entrar no tráfico internacional de drogas, o PCC (Primeiro Comando da Capital) quer se aproximar dos partidos políticos e financiar campanhas eleitorais. Seus líderes consideram que a 'família' pode garantir muitos votos aos seus escolhidos e têm capacidade de mobilização em 10 Estados.
"Muitos partidos políticos não têm essa força", afirmou Daniel Vinícius Canônico, o Cego, porta-voz do líder máximo da organização, Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola. Em um diálogo interceptado pela inteligência do governo estadual, Canônico e o segundo homem na hierarquia do PCC, Julio Cesar Guedes de Moraes, o Carambola, conversam com o advogado Sérgio Wesley da Cunha. Eles começam tratando da manifestação patrocinada pela facção em frente do Congresso Nacional, ocorrida em 28 de novembro. "Doutor, sabe qual a intenção dessa passeata?", pergunta Canônico.
É o próprio porta-voz de Marcola quem responde: "Era pra mostrar para aqueles deputados que nós temos força política." A organização criminosa fretou ônibus em 10 Estados para levar centenas de manifestantes até Brasília com o objetivo de fazer um protesto contra o descumprimento da Lei de Execuções Penais.
No meio da conversa, Wesley defende que o PCC deve ter representação política. “Eu sempre falei pro Marcos (Marcola), uma vez que eu conversei com ele longamente, só na grade, olho no olho: "Marcos, a gente precisa ter uma representação política! O IRA (Exército Republicano Irlandês) que está bem pra cacete lá na Irlanda (do Norte), eles têm o Sinn Fein, que é um partido de representação política!"
Em seguida, Carambola e Canônico questionam o advogado sobre qual candidato a prefeito de São Paulo a facção deveria apoiar. Wesley conta quem são os pré-candidatos de partidos como DEM, PSDB e PT. Nesse trecho, a interceptação do diálogo ficou truncada. Aparentemente, os criminosos discutem como se aproximar dos partidos, doando dinheiro aos tesoureiros para financiar campanhas - há quem desconfie que a facção estaria pensando em se apossar do dinheiro das doações dadas aos partidos.
Essa não é a primeira vez que o PCC tenta entrar na política. Em 2002, a facção quis lançar o advogado Anselmo Neves Maia candidato a deputado federal pelo PMN. Maia acabou preso. Em 2006, outro advogado suspeito, Paulo Bravos, teve sua candidatura recusada pelo PV. Naquele ano, a facção planejava eleger um deputado estadual e um federal em São Paulo. O plano fracassou.
iniciaCorpo("15;12;16;13;17;14;18;15");

Deixe seu Comentário

Leia Também

Suspeitos de assassinato de fazendeiro em Naviraí são presos no Paraná
POLÍCIA
Suspeitos de assassinato de fazendeiro em Naviraí são presos no Paraná
Mais de 400 atletas vão disputar modalidades coletivas dos Jogos Escolares
ESPORTE
Mais de 400 atletas vão disputar modalidades coletivas dos Jogos Escolares
CAPITAL
Guarda municipal é preso dirigindo embriagado após desacatar colegas
Trecho da Rua Hayel Bon Faker afetado no temporal é liberado
DOURADOS
Trecho da Rua Hayel Bon Faker afetado no temporal é liberado
IVINHEMA
Descarga de 34 mil volts mata homem que fazia reparos em rede elétrica
COMER BEM
Caderno "Comer Bem" gera visibilidade e lucro ao seu negócio
PANDEMIA
Fiocruz aponta estabilidade em casos de síndrome respiratória grave
POLÍCIA
Policial militar de folga prende autor de furto em Paranaíba
HOSPITAL DO AMOR
Associação de Apoiadores reelege presidente e diretoria para novo mandato em Dourados
LEGISLATIVO DE MS
Professora Daniela Staut é homenageada com Comenda na ALMS

Mais Lidas

RIO BRILHANTE
Mulher é presa após se masturbar em praça pública
LEGISLATIVO
Em Dourados, projeto quer criar Dia Municipal do Torcedor Flamenguista
CAPTURA
Cobra é capturada em para-choque de carro na região central de Dourados
DOURADOS
Preso por violência doméstica passa por audiência de custódia e tem preventiva decretada