Menu
Busca segunda, 25 de maio de 2020
(67) 99659-5905
CORONAVÍRUS

MS garante 138 novas UTI’s, 281 leitos clínicos e 48 semi-intensivos

01 abril 2020 - 07h53Por Da Redação

O Governo do Estado de Mat Grosso do Sul, por meio da SES (Secretaria de Estado de Saúde) está ampliando a rede de leitos hospitalares em Campo Grande e municípios do interior, sempre em parceria com as administrações municipais para fazer frente à pandemia causada pelo novo coronavírus. Com essa estratégia, Mato Grosso do Sul terá 653 leitos hospitalares garantidos para os eventuais pacientes da Covid-19.

Pela estrutura que está sendo montada, serão garantidos 138 novos leitos de UTI, 281 leitos clínicos e 48 semi-intensivos. Dos 138 novos leitos de UTI, 81 estão são em Campo Grande e os 57 restantes em cidades do interior. Os leitos clínicos serão 239 em Campo Grande e 42 em outras regiões do Estado. Os 48 semi-intensivos estão sendo disponibilizados no Hospital Regional de Campo Grande.

O Estado vai entrar com 50% dos valores a serem gastos com os novos leitos em Campo Grande, durante a vigência da epidemia (previsão é de quatro a seis meses). E todos os recursos gastos para a estrutura do Hospital Regional serão absorvidos integralmente pelo Estado.

“Estamos trabalhando para que tenhamos uma estrutura que possa absorver toda a demanda no auge da epidemia, que acreditamos que poderá ser no final do mês de abril e na primeira quinzena do mês de maio”, explica o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende. “Todos os recursos necessários foram colocados à disposição pelo governador Reinaldo Azambuja para podermos montar essa rede de apoio”, salienta.

“Hoje temos 515 leitos de UTI entre os públicos e privados. Vamos acrescentar os novos 138 leitos, o que vai perfazer 653 leitos. Afora isso, há iniciativa de outros municípios para colocar leitos de UTI ou semi-intensivos, cujo custeio deverá ser bancado pelo Estado”, ressalta o secretário. “Está também no horizonte a construção de hospitais de campanha. Mas nesse momento as nossas energias estão voltadas para o aumento do quantitativo de leitos tanto na capital quanto no interior, que possa absorver a demanda da Covid-19, se houver crescimento expressivo da demanda”.

O secretário Geraldo Resende afirma que Mato Grosso do Sul tem, geralmente, uma grande taxa de ocupação de UTI’s, “daí a ampliação das estruturas também em outras cidades, como Paranaíba, Ponta Porã e Costa Rica, bem como com a contratação de leitos ofertados pela iniciativa privada

Campo Grande

O secretário municipal de Saúde de Campo Grande, José Mauro, explica que em fevereiro, foram atendidos cerca de 700 pacientes de trauma na Capital e em março esse número caiu para uma média de 100 pessoas. Por isso, atualmente a taxa de ocupação de leitos local é bem menor.

“Hoje temos vários hospitais privados com taxa de ocupação pequena. Isso fez com que conseguíssemos habilitar vários leitos sem a necessidade de construir hospitais de campanha. Estamos incrementando 139 leitos dentro dos hospitais existentes, com toda a estrutura necessária, numa situação muito mais cômoda para o paciente e para o profissional”, destaca José Mauro.

Para conquistar a ampliação do número de leitos, numa parceria com a Secretaria de Estado de Saúde, Campo Grande convidou os hospitais interessados para praticarem um valor fixo na ocupação de leitos disponíveis. Sete hospitais aceitaram a proposta, três deles já contratualizados com o Município e que aumentaram a oferta de leitos: Santa Casa, Hospital do Câncer e o Hospital Regional.

Hospital do Pênfigo, Clínica Campo Grande, El Kadri e Proncor são os quatro hospitais que não tinham convênio com o sistema público e que firmaram convênio com o Município de Campo Grande na estratégia de enfrentamento ao coronavírus. Essas estruturas serão custeadas sempre por meio de co-financiamento entre o Município e o Estado.

“Saímos de uma situação em que tínhamos, na Capital, 891 leitos e passamos para 1.130 leitos clínicos; passamos de 116 leitos de UTI para 197, e mais 48 leitos de semi-intensivo que podem ser modificados para UTI. Mas isso não para aqui. Estamos diariamente avaliando estratégias que serão implementadas, assim que houver demanda, como é o caso do centro de triagem respiratória no Ayrton Senna”, resume José Mauro.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Homem cai de uma altura de 3 metros após sofrer descarga elétrica
ECONOMIA
Inadimplência cresce 26,3% em instituições privadas de ensino superior
PANDEMIA
Em dia de novo recorde de infecções, secretário alerta para assintomáticos
DOURADOS
Educação organiza retorno, mas atividades em escolas indígenas permanecem suspensas
ECONOMIA
Ministro da Infraestrutura aposta no sucesso na venda de aeroportos
CORONEL SAPUCAIA
PM apreende 33,5 kg de maconha com dupla paranaense
LEVANTAMENTO
Nem frio nem corona faz sul-mato-grossense ficar em casa, e isolamento atinge apenas 50% no fim de semana
PANDEMIA
Voluntários entregam ala reformada do HV para atender pacientes com coronavírus
DOURADOS
Câmara quer Audiência com prefeita para tratar retorno das aulas na Reme
BRASIL
Bolsonaro vai à PGR cumprimentar novo procurador da PFDC

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Homem morre atropelado por rolo compactador
PANDEMIA
Dourados ultrapassa marca de 100 casos confirmados de coronavírus
MARACAJU
Homem morre após tentativa de fuga e troca de tiros com a polícia
MS-145
Motorista disse não ter visto momento que atropelou e matou ciclista