Menu
Busca quinta, 29 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
JUDICIÁRIO

MPF recorre ao TRF-1 para afastar ministro Ricardo Salles do cargo

28 setembro 2020 - 18h50Por G 1

O MPF (Ministério Público Federal) pediu ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), nesta segunda-feira, dia 28 de setembro, que analise um pedido de afastamento do cargo do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

A medida tinha sido proposta pelo MP em uma ação de improbidade administrativa contra o ministro, apresentada em 6 de julho na primeira instância da Justiça Federal em no Distrito Federal. Até esta segunda, o pedido ainda não tinha sido avaliado.

A ação tramita na 8ª Vara Federal no Distrito Federal. Inicialmente, a Justiça considerou que o caso deveria ser enviado à Justiça Federal de Santa Catarina, onde já haveria uma ação semelhante, mas o MP recorreu para que o pedido fosse mantido em Brasília.

Na última sexta-feira (25), os procuradores reiteraram o pedido para que o afastamento fosse analisado, mas a decisão foi no sentido de aguardar recursos pendentes de análise no TRF-1.

Novo recurso

Ao recorrer nesta segunda, os procuradores reiteraram o argumento de que "a permanência do requerido Ricardo de Aquino Salles no cargo de Ministro do Meio Ambiente tem trazido, a cada dia, consequências trágicas à proteção ambiental, especialmente pelo alarmante aumento do desmatamento, sobretudo na Floresta Amazônica".

"O cenário exposto é resultado do doloso desmantelamento das estruturas de fiscalização do IBAMA e das atividades do MMA, por parte do Ministro do Meio Ambiente requerido, mediante redução do orçamento do órgão, inativação de estruturas internas, desautorização do trabalho de servidores e incitação a atos de destruição ao meio ambiente, em completa incompatibilidade com o papel central que deveria exercer titularizando a pasta ambiental", afirmou o MP.

"Ademais, o cenário descrito na exordial – de alarmante aumento do desmatamento em consequência da prática reitera, pelo requerido Ricardo Salles, de atos de desmonte das estruturas de Estado de proteção ao meio ambiente – continua se agravando desde a data de ajuizamento da ação, demonstrando a urgência da apreciação do pedido liminar de afastamento cautelar do requerido do cargo de Ministro do Meio Ambiente", completou.

No recurso, eles ainda apresentam dados sobre o desmatamento entre 2018 e 2019 na Amazônia.

Neste contexto, os procuradores sustentam ainda que, sem uma decisão sobre o caso, há chances de a Floresta Amazônica chegar a um ponto em que não poderá mais se recuperar, diante do números de desmatamento.

"Caso não haja o cautelar afastamento do requerido do cargo de Ministro do Meio Ambiente, o aumento exponencial e alarmante do desmatamento da Amazônia, consequência direta do desmonte deliberado de políticas públicas voltadas à proteção do meio ambiente, pode levar a Floresta Amazônica a um “ponto de não retorno”, situação na qual a floresta não consegue mais se regenerar".

Deixe seu Comentário

Leia Também

NAVIRAÍ
Homem espancou ex com socos e joelhadas, desfigurando o rosto dela
EDUCAÇÃO
UFGD realiza colação de grau de diversos cursos por webconferência
CRIME AMBIENTAL
Homem é multado em R$ 3 mil por matar cachorro de vizinho a pauladas
PONTA PORÃ
Bombeira salva bebê com cordão umbilical enrolado no pescoço
EDUCAÇÃO
UEMS oferta mais de 400 vagas para cursos de graduação EaD em 12 polos
PEDRO GOMES
‘Benzedeira do PCC’ promete amor de volta e mulher perde R$ 17 mil
LEVANTAMENTO
Dourados mantém saldo positivo de empregos pelo quinto mês seguido
DOURADOS
Investigação termina com apreensão de adolescente, drogas, arma e munições
BRASIL
Barroso pede a candidatos que sigam alertas para evitar covid-19
MATO GROSSO DO SUL
Governador autoriza promoções e progressões para Bombeiros e Polícia Militar

Mais Lidas

DOURADOS
Enquanto filma chuva, interno mostra ‘plantação’ de maconha em cela da PED
BR-463
Homem para carro em bloqueio, desce atirando e morre em confronto com a polícia
PANDEMIA
Menino de 5 anos é a primeira criança a morrer de coronavírus em MS
PROCURADO
Acusado pela morte de ator falsificou documento e disse ter nascido em MS