Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021
(67) 99257-3397
VERSÕES

MP diz que Flávio Bolsonaro pode ter cometido crime ao faltar à acareação

23 setembro 2020 - 07h20Por G 1

O Ministério Público Federal do Rio de Janeiro afirmou que o senador Flávio Bolsonaro pode ter cometido crime de desobediência por não ter comparecido à acareação com o empresário Paulo Marinho, na última segunda-feira, dia 21 de setembro, no Rio.

O procurador do Ministério Público Federal do Rio Eduardo Benones não aceitou os argumentos da defesa do senador Flávio Bolsonaro, do Republicanos, para faltar à acareação com Paulo Marinho, empresário e suplente do senador.

Primeiro, o senador alegou que estava com Covid, como consta no documento do dia 3 de setembro: “seria temerária em razão do requerente ter contraído infecção pelo Sars-CoV-2; estaria impedido de tomar parte na acareação, a fim de que a saúde dos circunstantes fosse resguardada”.

Mas o procurador observou que “a petição veio desacompanhada de atestado médico pertinente” e concluiu que não poderia aceitar um argumento sobre uma possibilidade futura: “Admitir a não realização de ato investigatório futuro sob a mera alegação de impossibilidade de comparecimento por motivo de saúde não contemporânea seria perfilhar a prevaricação”, ou seja, seria uma omissão do procurador.

O senador anunciou nas suas redes sociais que estava curado da Covid no dia 6 de setembro, duas semanas antes da acareação. Além disso, na segunda, Flávio Bolsonaro cumpriu agenda em Manaus e postou fotos dele em um programa de TV.

Nesta terça (22), o procurador do caso acionou a Procuradoria-Geral da República e disse que não foi informado pela assessoria do senador sobre a agenda oficial de Flávio Bolsonaro em Manaus. O procurador apontou “não comparecimento injustificado em ato de acareação” e, por isso, a suposta configuração do crime de desobediência pelo senador.

No documento à PGR, o procurador também criticou o pedido da defesa de Flávio Bolsonaro, de que a acareação fosse feita no gabinete no Senado e que o procurador estava “convidado". “Desrespeito institucional. Não se trata de um ato cerimonial ou de solenidade pública. O MPF não tem que ser convidado, muito menos ser colocado na posição de ‘recusar’ o dito ‘convite.’”

A acareação faz parte das investigações sobre a suspeita de vazamento da operação Furna da Onça, em 2018. Paulo Marinho disse que ouviu de um amigo de Flávio que um delegado da Polícia Federal vazou informações da operação e relaciona o fato à demissão de Fabrício Queiroz, então assessor de Flávio Bolsonaro, que era deputado estadual na época. Flávio Bolsonaro não é investigado e vem negando as informações do empresário Paulo Marinho.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÊS LAGOAS
Ao ser abordado, homem diz passar fome e que precisa ser preso
BRASIL
PGR pede ao STF para aprofundar investigação contra Renan Calheiros
Bombeiros encerram buscas por idoso desaparecido há 11 dias
PANTANAL
Bombeiros encerram buscas por idoso desaparecido há 11 dias
EDUCAÇÃO
UFGD abre 457 vagas em cursos de mestrado e doutorado para 2022
CAPITAL
Sequestro que durou 1 hora termina com dois presos e reféns liberadas
EMPREGO
Divulgada abertura de Seleção da Agepan e convocação da Ageprev
CORUMBÁ
Motorista de aplicativo é sequestrada durante roubo na fronteira
204 MIL VAGAS
IBGE cancela concurso para o Censo 2022 e diz que devolverá inscrição
REGIÃO
Dupla é detida após invadir fazenda e abater animal da propriedade
UEMS
Inscrições abertas: Concurso público para docente de Medicina

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Bombeiros encontram mais três corpos e número de mortos em naufrágio chega a seis
ROMA I
Acusados de estupro, mãe de menor e jovem responderão processo em liberdade
DOURADOS
PMA prende e autua dois pescadores em R$ 2,6 mil
DOURADOS 
Cidade não tem desabrigados, mas tempestade afetou dezenas de casas na periferia