Menu
Busca terça, 07 de abril de 2020
(67) 9860-3221
RACHADINHA

Justiça do Rio de Janeiro libera investigação contra Flávio Bolsonaro

23 março 2020 - 21h05Por G 1

A Justiça do Rio de Janeiro decidiu nesta segunda-feira, dia 23 de março, que o senador Flávio Bolsonaro continue a ser investigado pelo Ministério Público estadual por crimes que teria praticado durante o seu mandato como deputado estadual.

A advogada Luciana Pires, que defende o senador, disse que não irá se manifestar sobre a decisão.

De acordo com o Ministério Público estadual, o senador é investigado por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa, em um suposto esquema de "rachadinhas" – no qual funcionários do então deputado devolveriam parte do salário pago por ele quando era deputado estadual, na Assembleia Legislativa (Alerj).

A decisão é da desembargadora Suimei Cavalieri, da 3ª Câmara Criminal, que havia suspendido a investigação, em 11 de março.

A magistrada queria que o caso fosse analisado por outros desembargadores da 3ª Câmara Criminal. Na nova decisão, ela citou que a "pandemia de coronavírus" suspendeu as sessões de julgamento até 31 de março, e a levou a mudar de ideia.

Segundo Cavalieri, a espera pelo colegiado poderia perpetuar “indefinidamente a suspensão do procedimento investigatório, o que não corresponde ao alcance que se pretendia atribuir àquela decisão monocrática”.

A desembargadora considera que a Câmara Criminal já analisou o tema ao considerar que não havia arbitrariedade nas medidas judiciais aplicadas no processo contra o senador.

Suimei Cavalieri seguiu decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) e entende ainda que não cabe ao senador o foro já que os supostos crimes ocorreram quando ele exercia o cargo de deputado estadual.

O Ministério Público afirma que Flávio Bolsonaro é o chefe de uma organização criminosa que atuou no gabinete da Alerj.

O ex-PM Fabrício Queiroz, que trabalhou como assessor de Flávio Bolsonaro, é apontado pelo MP como operador do esquema.

A estimativa é que cerca de R$ 2,3 milhões tenham sido movimentados no esquema de "rachadinha". Segundo o MP, alguns servidores eram fantasmas. Ou seja, constavam na folha de pagamento, mas não apareciam para trabalhar. Parte do salário, de acordo com a investigação, era devolvido.

O dinheiro, ainda segundo o MP, era lavado com aplicação em uma loja de chocolates no Rio da qual o senador é sócio e em imóveis.

Flávio Bolsonaro nega todas as acusações, diz ser vítima de perseguição e critica o vazamento das informações do processo, que corre em segredo de Justiça.

Segundo promotores, a organização criminosa existiu “com alto grau de permanência e estabilidade, entre 2007 e 2018, destinada à prática de desvio de dinheiro público e lavagem de dinheiro”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
Caminhão com 450 mil maços de cigarro é apreendido em Caarapó
COVID-19
Saúde de MS recomenda uso de máscaras por toda população
ECONOMIA
Governo começa a pagar auxílio emergencial de R$ 600 na quinta
UNIGRAN
Carreira em Administração: há muitas vagas, mas exige profissionais idealizadores
INTERNACIONAL
Premiê britânico segue estável e de bom humor, diz porta-voz
CORONAVÍRUS
MS ocupa as últimas colocações em ranking de isolamento nacional
OPERAÇÃO SEMANA SANTA
Trabalho de prevenção e repressão à pesca predatória tem inicio hoje em MS
FUTEBOL
Após apelo, CBF destina R$ 19 milhões a clubes e federações
SAÚDE PÚBLICA
Dourados tem 640 casos de dengue e quase 300 suspeitas aguardam resultado
Dourados News
Campanha Solidária "Anjos de Dourados"

Mais Lidas

DOURADOS
Dois homens são executados por dupla de moto no Jardim Carisma
FLEXIBILIZAÇÃO
Com restrições, comércio volta a funcionar amanhã em Dourados
COVID-19
Estado tem mais três confirmações do novo coronavírus em 24 horas, todas no interior
DOURADOS
Polícia apura que filho matou pai a pauladas após agredir a mãe grávida