quarta, 24 de julho de 2024
Dourados
21ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
DEBATE

Inclusão do esporte no vale-cultura divide a opinião de debatedores na CE

20 junho 2024 - 12h47Por Agência Senado

A inclusão de eventos esportivos entre as atividades financiadas pelo vale-cultura dividiu a opinião de debatedores que participaram nesta quinta-feira (20) de uma audiência pública da Comissão de Educação do Senado (CE). O debate teve como tema o PL 5.979/2019, projeto de lei que amplia o alcance do benefício pago pelas empresas aos trabalhadores — e que está em análise na CE. A reunião foi presidida pelo senador Carlos Portinho (PL-RJ), relator da matéria nesse colegiado.

O vale-cultura foi criado em 2012. O voucher de R$ 50 mensais pode ser concedido a trabalhadores com vínculo empregatício que recebem até cinco salários mínimos por mês. Até 2017, as empresas podiam descontar do imposto de renda o valor aplicado no vale-cultura. Mas esse incentivo fiscal foi suspenso no ano seguinte.

O presidente da Autoridade Pública de Governança do Futebol do Ministério do Esporte, Washington Stecanela Cerqueira, defendeu a aprovação do PL 5.979/2019.

— Não há como assegurar o pleno exercício dos direitos à cultura sem incluir o acesso aos eventos esportivos. Por incentivar a vida cultural dos trabalhadores, o vale-cultura transforma o sentido do labor, o que demonstra a efetiva importância da proposta. Esporte e cultura são as duas principais ferramentas de inclusão e transformação social. Principalmente nas periferias — disse.

A advogada Nathalia Pedrosa, da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), manifestou “total apoio ao projeto”.

— O futebol é uma expressão cultural. Esporte e cultura se comunicam perfeitamente porque são lazer e também são formações socioculturais. O esporte e a cultura partem da formação do cidadão e da cidadania. Um cidadão envolvido no esporte se desenvolve em ética e saúde. É um dever do Estado fomentar esse tipo de iniciativa — afirmou.

Resistência

O PL 5.979/2019 encontrou resistência entre os debatedores ligados ao setor cultural. Para Deryk Vieira Santana, da Secretaria de Economia Criativa e Fomento Cultural do Ministério da Cultura, a mudança poderia comprometer o orçamento da pasta.

— Cada ministério tem um valor de renúncia fiscal previsto. Se a gente aprova isso, o incentivo ao esporte estaria dentro da renúncia fiscal prevista para o Ministério da Cultura. Teríamos dificuldade de diferenciar essa utilização. Se a pessoa for ver um jogo no estádio, como isso vai ser debitado? Como vamos alocar essa isenção fiscal? — questionou.

O advogado Felipe Legrazie Ezabella, presidente da Comissão de Direito Desportivo da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em São Paulo, apoia a criação de um voucher para o esporte. Mas defende uma regulamentação específica para a matéria, separada da legislação sobre a cultura.

— Esporte e cultura caminham lado a lado. Mas talvez fosse de melhor técnica que os eventos esportivos estivessem em um projeto separado. Ou que houvesse um capítulo separado tratando dos eventos esportivos, e não apenas um inciso incluído. Talvez, em um projeto que trate da volta dos incentivos fiscais para o vale-cultura, possa haver uma regulamentação mais específica relacionada ao esporte — sugeriu.

Para o senador Carlos Portinho, a inclusão do esporte no vale-cultura se justifica porque as duas áreas estão sob “o mesmo do guarda-chuva do entretenimento e do lazer”. Na opinião do parlamentar, o tratamento unificado de esporte e cultura fortalece os dois setores.

— A gente está somando, não está dividindo. A empresa vai dar o vale-cultura, mas não vai direcionar aonde o trabalhador vai gastar. A decisão fica na mão do beneficiário. Ele é quem vai decidir se vai usar [o vale] na peça de teatro ou num evento esportivo. Se a gente separasse, estaria criando uma concorrência entre os instrumentos de promoção de entretenimento. Isso seria ruim. A empresa ia falar: “Eu quero que meu empregado veja Flamengo e Botafogo e vá ao Maracanã todo mês”. Aí, ele deixa de consumir a cultura — argumentou.

Carlos Portinho apresentou relatório favorável ao PL 5.979/2019 em agosto do ano passado. Além dele, o presidente da CE, senador Flávio Arns (PSB-PR), e a senadora Teresa Leitão (PT-PE) propuseram requerimentos para a realização dessa audiência pública.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ANTIRRETROVIRAL

Remédio injetável é 100% eficaz na prevenção do HIV, diz estudo

Agência antidrogas faz buscas por traficante brasileiro na fronteira
PARAGUAI

Agência antidrogas faz buscas por traficante brasileiro na fronteira

TECNOLOGIA

Sistema de informação do governo fica indisponível; PF é acionada

CAPITAL

Acusado de invadir casa de defensor público e roubar joias é preso

MERCADO FINANCEIRO

Dólar sobe e fecha aos R$ 5,65, em dia de pressão contra emergentes

NAVIRAÍ

Polícia Civil elucida homicídio qualificado e prende suspeito em Caarapó

MUNDO NOVO

Fiscais Estaduais doam imóvel no valor de R$ 2,5 milhões para UEMS

AQUIDAUANA

Homem que matou idosa, roubou objetos para trocar por drogas

SAÚDE

Hospital de MS lança 'Dia D' de cadastro de doadores de medula

AMAMBAI 

Mulher confessa que matou marido esfaqueado durante discussão

Mais Lidas

DOURADOS

Mais de três anos depois, Exército finaliza obras na pista do Aeroporto

DOURADOS

Expo-Flor começa na próxima semana na Praça Antônio João

DOURADOS

Aeroporto tem parte burocrática adiantada, mas Anac solicita 'pequenas correções' na pista

DOURADOS

Corpo encontrado carbonizado em rodovia é de servidor aposentado; mulher é presa na ação