Menu
Busca terça, 27 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
PORTARIA

Governo recua e endurece regras de fiscalização do trabalho escravo

29 dezembro 2017 - 08h58Por G 1

Em nova portaria sobre trabalho escravo publicada nesta sexta-feira, dia 29 de dezembro, o governo federal tornou mais rigorosas as definições de jornada exaustiva e condição degradante do trabalhador, além de ampliar outros conceitos para configuração desse tipo de mão de obra. Também retirou a exigência da autorização do ministro do Trabalho para divulgação da lista suja das empresas autuadas por manter trabalhadores em condição de escravidão.

Com as mudanças, auditores do trabalho voltam a ter mais possibilidades de enquadrar um empregador como explorador de mão de obra análoga à escravidão.

A nova regra atualiza uma portaria publicada pelo Ministério do Trabalho em outubro, que causou polêmica por ter sido considerada branda nas definições de trabalho análogo à escravidão, além de ter determinado a autorização do ministro para divulgação da lista suja.

A primeira portaria, questionada no Supremo Tribunal Federal pela Procuradoria Geral da República, foi bastante critica por se restringir ao direito de ir e vir na caracterização da jornada exaustiva e das condições degradantes. Agora, o termo foi substituído por violações aos direitos fundamentais do trabalhador e outros exemplos de exploração indevida da mão de obra.

No texto de outubro, a jornada exaustiva era apontada como:

"a submissão do trabalhador, contra a sua vontade e com privação do direito de ir e vir, a trabalho fora dos ditames legais aplicáveis a sua categoria".
Agora, a definição de jornada exaustiva foi ampliada para:

toda forma de trabalho, de natureza física ou mental, que, por sua extensão ou por sua intensidade, acarrete violação de direito fundamental do trabalhador, notadamente os relacionados a segurança, saúde, descanso e convívio familiar e social.

Em outubro, condição degradante era definida como:

"caracterizada por atos comissivos de violação dos direitos fundamentais da pessoa do trabalhador, consubstanciados no cerceamento da liberdade de ir e vir, seja por meios morais ou físicos, e que impliquem na privação da sua dignidade".

No novo texto, ficou assim:

"é qualquer forma de negação da dignidade humana pela violação de direito fundamental do trabalhador, notadamente os dispostos nas normas de proteção do trabalho e de segurança, higiene e saúde no trabalho".
A portaria publicada nesta sexta foi assinada pelo ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, que pediu exoneração do cargo e vai se desligar do governo. Ele quer se dedicar à reeleição como deputado federal.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UNIÃO
Governo inclui Unidades Básicas de Saúde em programa de concessões
ELDORADO
Homem é preso agredindo mulher a golpes de corrente
ANASTÁCIO
Polícia fecha 'boca de fumo' e encontra menor gerenciando o tráfico
JUSTIÇA
Negada indenização a ex-companheiro por briga mútua com antigos cunhados
DOURADOS
Dupla que furtou loja de shopping é autuada em flagrante e fica presa no 1º DP
DOURADOS
Construtora aceita pagar R$ 444 mil por trecho de calçada, em 10 parcelas
PANDEMIA
Dourados confirma mais 79 casos de coronavírus e ultrapassa 8,3 mil infectados
POLÍTICA
Bolsonaro coordena hoje 38ª Reunião do Conselho de Governo
PONTA PORÃ
Mulher é flagrada carregando quase 30 kg de maconha dentro de ônibus
PANDEMIA
SES divulga recomendações de prevenção à Covid-19 durante feriado de finados

Mais Lidas

GRANDE DOURADOS
Cobertura de barracão de cerealista ‘voa’ com o vento; veja vídeo
DOURADOS
Guarda encerra festa organizada por adolescente em plena pandemia, apreende droga e até arma artesanal
DOURADOS
Délia decreta emergência por causa de danos provocados pela tempestade
TEMPESTADE
Chuva e ventos de 46km/h derrubam árvores e levam sujeira às ruas de Dourados