Menu
Busca quinta, 29 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
RIO DE JANEIRO

Fachin rejeita novo pedido de Witzel para voltar ao cargo de governador

28 setembro 2020 - 22h20Por G 1

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin rejeitou nesta segunda-feira, dia 28 de setembro, um novo pedido da defesa do do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), para voltar ao cargo.

A ação foi apresentada no último dia 14, dias após outra decisão que também negou suspender o afastamento determinado pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Witzel foi denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro por supostamente integrar um esquema de desvio de recursos da saúde. O afastamento vale por 180 dias e foi determinado a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), que investiga irregularidades e desvios na saúde. Witzel nega as acusações.

Segundo Fachin, o tipo de ação escolhida pelos advogados, um habeas corpus, não é o meio adequado para enfrentar o tema.

"Considerando que o presente writ [habeas corpus] pretende a reconduc?a?o do paciente ao exerci?cio de cargo pu?blico e na?o a tutela a direito de locomoc?a?o imediatamente afetado ou ameac?ado, concluo que a via eleita e? inadequada”, escreveu o ministro.

Fachin afirmou que o afastamento de Witzel, determinado inicialmente de forma monocrática (individual) pelo ministro Benedito Gonçalves, do STJ, já confirmado por 14 votos a 1 durante julgamento na Corte Especial, que reúne os 15 ministros mais antigos do tribunal.

O ministro do STF rechaçou o risco de Witzel ser preso pelas informações que existem até o momento sobre as investigações. No entendimento do ministro, se uma prisão vier a ocorrer, será por fatos novos. O ministro classificou de "ilação" a possibilidade de prisão, representando “construc?a?o argumentativa sem efetiva corresponde?ncia concreta”.

Fachin citou ainda que o plenário da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) aprovou o encaminhamento do processo de impeachment, o que também lhe impôs afastamento de 180 dias do cargo.

“Essa paralela circunsta?ncia poli?tica adensa a conclusa?o pela na?o pertine?ncia do writ [habeas corpus] na hipo?tese, na medida em que, ainda que cabi?vel fosse, eventual acolhimento seria ino?cuo para o retorno ao cargo de governador do Estado do Rio de Janeiro, pois subsistiria, de toda sorte, o afastamento determinado pela Casa Legislativa”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CRIME AMBIENTAL
Homem é multado em R$ 3 mil por matar cachorro de vizinho a pauladas
PONTA PORÃ
Bombeira salva bebê com cordão umbilical enrolado no pescoço
EDUCAÇÃO
UEMS oferta mais de 400 vagas para cursos de graduação EaD em 12 polos
PEDRO GOMES
‘Benzedeira do PCC’ promete amor de volta e mulher perde R$ 17 mil
LEVANTAMENTO
Dourados mantém saldo positivo de empregos pelo quinto mês seguido
DOURADOS
Investigação termina com apreensão de adolescente, drogas, arma e munições
BRASIL
Barroso pede a candidatos que sigam alertas para evitar covid-19
MATO GROSSO DO SUL
Governador autoriza promoções e progressões para Bombeiros e Polícia Militar
CLIMA
Chuva acumulada em Dourados pode superar média histórica de outubro
BRASIL
Criação de empregos em setembro atinge melhor nível em dez anos

Mais Lidas

DOURADOS
Enquanto filma chuva, interno mostra ‘plantação’ de maconha em cela da PED
BR-463
Homem para carro em bloqueio, desce atirando e morre em confronto com a polícia
PANDEMIA
Menino de 5 anos é a primeira criança a morrer de coronavírus em MS
PROCURADO
Acusado pela morte de ator falsificou documento e disse ter nascido em MS