Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021
(67) 99257-3397
RIO DE JANEIRO

Fachin rejeita novo pedido de Witzel para voltar ao cargo de governador

28 setembro 2020 - 22h20Por G 1

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin rejeitou nesta segunda-feira, dia 28 de setembro, um novo pedido da defesa do do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), para voltar ao cargo.

A ação foi apresentada no último dia 14, dias após outra decisão que também negou suspender o afastamento determinado pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Witzel foi denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro por supostamente integrar um esquema de desvio de recursos da saúde. O afastamento vale por 180 dias e foi determinado a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), que investiga irregularidades e desvios na saúde. Witzel nega as acusações.

Segundo Fachin, o tipo de ação escolhida pelos advogados, um habeas corpus, não é o meio adequado para enfrentar o tema.

"Considerando que o presente writ [habeas corpus] pretende a reconduc?a?o do paciente ao exerci?cio de cargo pu?blico e na?o a tutela a direito de locomoc?a?o imediatamente afetado ou ameac?ado, concluo que a via eleita e? inadequada”, escreveu o ministro.

Fachin afirmou que o afastamento de Witzel, determinado inicialmente de forma monocrática (individual) pelo ministro Benedito Gonçalves, do STJ, já confirmado por 14 votos a 1 durante julgamento na Corte Especial, que reúne os 15 ministros mais antigos do tribunal.

O ministro do STF rechaçou o risco de Witzel ser preso pelas informações que existem até o momento sobre as investigações. No entendimento do ministro, se uma prisão vier a ocorrer, será por fatos novos. O ministro classificou de "ilação" a possibilidade de prisão, representando “construc?a?o argumentativa sem efetiva corresponde?ncia concreta”.

Fachin citou ainda que o plenário da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) aprovou o encaminhamento do processo de impeachment, o que também lhe impôs afastamento de 180 dias do cargo.

“Essa paralela circunsta?ncia poli?tica adensa a conclusa?o pela na?o pertine?ncia do writ [habeas corpus] na hipo?tese, na medida em que, ainda que cabi?vel fosse, eventual acolhimento seria ino?cuo para o retorno ao cargo de governador do Estado do Rio de Janeiro, pois subsistiria, de toda sorte, o afastamento determinado pela Casa Legislativa”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Bombeiros encerram buscas por idoso desaparecido há 11 dias
PANTANAL
Bombeiros encerram buscas por idoso desaparecido há 11 dias
EDUCAÇÃO
UFGD abre 457 vagas em cursos de mestrado e doutorado para 2022
CAPITAL
Sequestro que durou 1 hora termina com dois presos e reféns liberadas
EMPREGO
Divulgada abertura de Seleção da Agepan e convocação da Ageprev
CORUMBÁ
Motorista de aplicativo é sequestrada durante roubo na fronteira
204 MIL VAGAS
IBGE cancela concurso para o Censo 2022 e diz que devolverá inscrição
REGIÃO
Dupla é detida após invadir fazenda e abater animal da propriedade
UEMS
Inscrições abertas: Concurso público para docente de Medicina
Aposentado vai consertar telhado após vendaval, cai e morre
CPI DA COVID
'Tudo que saiu na imprensa vou exigir que ele mantenha', diz Aziz

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Bombeiros encontram mais três corpos e número de mortos em naufrágio chega a seis
ROMA I
Acusados de estupro, mãe de menor e jovem responderão processo em liberdade
DOURADOS
PMA prende e autua dois pescadores em R$ 2,6 mil
DOURADOS 
Cidade não tem desabrigados, mas tempestade afetou dezenas de casas na periferia