Menu
Busca sábado, 24 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
CPI DA JBS

Deputados intermediam acordo entre Governo e JBS para garantir empregos

17 outubro 2017 - 17h35Por Da redação/ALMS

Atendendo à solicitação de funcionários do Grupo JBS, os deputados estaduais decidiram intermediar acordo entre a empresa e o Governo do Estado para garantir que sejam preservados pelo menos dois mil empregos em Mato Grosso do Sul. Durante reunião com os trabalhadores na presidência da Casa de Leis, após a sessão plenária desta terça-feira (17/10), os parlamentares membros da Comissão Permanente de Inquérito (CPI) das Irregularidades Fiscais e Tributárias do Estado de Mato Grosso do Sul detalharam os trabalhos realizados.

"Tudo o que fizemos foi no sentido de apurar as irregularidades e pedimos judicialmente o bloqueio de bens da empresa porque era o correto a fazer. Agora, cabe à JBS apresentar uma proposta para ressarcir o Estado e firmar esse acordo com o Governo do Estado", afirmou o presidente da CPI, Paulo Corrêa (PR).

Após ouvir os representantes dos trabalhadores, preocupados com a possibilidade de um "efeito cascata" a partir do bloqueio judicial de R$ 730 milhões em recursos e bens do grupo, Corrêa informou que a comissão solicitará ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) uma audiência de conciliação, que deverá reunir representantes do Grupo JBS, Ministerío Público Federal (MPF), Ministerío Público do Trabalho (MPT), Ministério Público Estadual (MPE) e Governo do Estado.

"A CPI foi vitoriosa ao conseguir na Justiça o bloqueio, que é uma forma de garantir que o Estado seja ressarcido. Agora, esses termos podem ser negociados mediante alguma proposta. Vale lembrar que as unidades da JBS estão funcionando normalmente em Mato Grosso do Sul e que a empresa está pleiteando a ampliação dos abates de frango em Dourados e Sidrolândia", complementou Corrêa. 

Vice-presidente da CPI, Eduardo Rocha (PMDB) sugeriu que sejam rediscutidos os termos do acordo de leniência firmado pela empresa com o MPF. "É preciso que fique acordada nacionalmente a garantia de manutenção dos empregos e o ressarcimento dos prejuízos causados pela empresa ao Estado", disse. O presidente da Casa de Leis, Junior Mochi (PMDB), reiterou que a mobilização em Mato Grosso do Sul é referência para o Brasil.

"Este é um momento histórico e a CPI sai na frente ao conseguir o bloqueio dos bens da empresa. Agora, é preciso reunir todas as partes para firmar um acordo que garanta a manutenção dos empregos, o pagamento aos fornecedores e a devolução dos recursos devidos ao Estado ", afirmou. O relator da CPI, Flavio Kayatt (PSDB), deverá apresentar o relatório final dos trabalhos dia 27 de outubro, que será votado pelos parlamentares membros da comissão. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

LEVANTAMENTO
Informalidade permanece estável em setembro no MS
DOURADOS NEWS PERGUNTA
Como será tratada a questão da mobilidade urbana caso seja eleito?
SAÚDE & BEM - ESTAR
Transtorno de ansiedade – o que te preocupa tanto?
TV DOURADOS NEWS
Depois de 6 mandatos, vereador Bebeto não disputa as eleições 2020 e vai cuidar da saúde e família
CORUMBÁ
Homem é assassinado a golpes de faca no abdômen e na cabeça
POLÍTICA
Nelsinho Trad recebe do Dnit garantia de R$ 41,2 milhões para obras em MS
POLÍCIA
Homem é preso após subornar policiais militares com "corrente de ouro"
SAÚDE
Profissionais da maternidade do HU recebem curso sobre imunização
CAPITAL
Motorista de carro que bateu em carreta morre após parada cardiorrespiratória
TECNOLOGIA
WhatsApp agora permite silenciar conversas e grupos; veja como fazer

Mais Lidas

DOURADOS
Acusado de matar mulher por asfixia no Canaã I é preso no Piratininga
TRÂNSITO
Moto invade preferencial, é atingida por caminhonete e dois ficam feridos na Marcelino
TRÁFICO DE DROGAS
Jovens que saíram de Dourados são flagrados com maconha no interior paulista
PONTA PORÃ
PF faz segunda maior apreensão de cocaína do ano em MS