Menu
Busca sexta, 22 de outubro de 2021
(67) 99257-3397
CNJ

Definidos os integrantes do Observatório da Justiça sobre direitos humanos

20 setembro 2020 - 16h40Por Da Redação

A cantora Daniela Mercury, por sua atuação como embaixadora do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) na defesa dos direitos da criança, do adolescente e da mulher, e o ator Wagner Moura, enquanto embaixador da luta contra o trabalho escravo pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), são dois dos 19 integrantes da primeira composição do Observatório dos Direitos Humanos do Poder Judiciário.

Também fazem parte do colegiado, além do presidente do CNJ, ministro Luiz Fux, dez dos 15 conselheiros do CNJ, que conduzem os trabalhos em comissões permanentes diretamente relacionados aos temas do Observatório.

No campo dos direitos de gênero, o observatório contará com a participação da juíza federal Adriana Alves dos Santos Cruz. Já Claudia Maria Costin participará pela experiência na área da Educação. Ela é professora visitante na Faculdade de Educação de Harvard, diretora-geral do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro (FGV/RJ) e integra a Comissão Global sobre o Futuro do Trabalho da OIT.

Também irá contribuir o frei David Raimundo Santos, da ONG Educafro, e a antropóloga Maria Manuela Ligeti Carbeiro, que tem atuação na temática etnológica, da história e dos direitos dos índios e negros. Ela participou das discussões sobre a legislação indigenista que integrou parcialmente o texto da Constituição de 1988.

O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Walmor Oliveira de Azevedo, e o Rosh da Congregação Judaica do Brasil, rabino Nilton Bonder, também fazem parte do colegiado, além do presidente da AVON, Daniel de Almeida Gusmão Alves Silveira. Ele foi convidado em razão do trabalho do Instituto Avon, que promove o empoderamento da mulher e investe em ações sociais e projetos nessa temática.

O grupo de trabalho foi instituído na quinta-feira (17/9) para acompanhar a proteção e a implementação dos princípios de direitos humanos no âmbito do Poder Judiciário.

A criação do GT foi anunciada por Fux em seu discurso de posse na presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) e do CNJ, no dia 10 de setembro. Na ocasião, o ministro apresentou cinco eixos de atuação do CNJ alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 e, entre eles, estavam a proteção dos direitos humanos e do meio ambiente.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FRONTEIRA
Casal de idosos teria sido sequestrado e resgate seria de R$ 285 mil
ADMINISTRAÇÃO
Publicados editais dos processos seletivos da Funsau e Fundtur
Sob condição de buscar tratamento, "homem-aranha" é libertado
Sob condição de buscar tratamento, "homem-aranha" é libertado
Liberado certificado de vacinação para quem tomou vacinas diferentes
VACINAÇÃO
Liberado certificado de vacinação para quem tomou vacinas diferentes
Ao ver WhatsApp da filha, mãe descobre estupro de professor de 42 anos
COMER BEM
Prepare uma deliciosa coxa de frango na cerveja preta para o fim de semana
REGIÃO
Gavião encontrado ferido em córrego é resgatado por policiais
VACINAÇÃO
Imunização contra a Covid-19 será no centro de vacinação neste sábado
DOURADOS
Defesa Civil faz alerta e pede para pessoas ficarem em casa ao observar tempestade
PANDEMIA
Mulheres são novas vítimas da Covid em Dourados e mortes pela doença chegam a 676

Mais Lidas

TRÁFICO
Mortos em queda de helicóptero com cocaína na fronteira são identificados
REGIÃO
Duas pessoas morrem carbonizadas após queda de helicóptero carregado com cocaína
JARDIM MÁRCIA
Bandidos fazem "limpa" em motel de Dourados e levam até carro
JARDIM MÁRCIA
Bêbado colide carro contra muro e acidente deixa três feridos em Dourados