domingo, 25 de fevereiro de 2024
Dourados
22ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
POLÍTICA

Congresso pode analisar vetos a quebra de patentes de vacinas e distribuição de absorventes

06 dezembro 2021 - 15h12Por Agência Câmara

O Congresso Nacional reúne-se em sessão conjunta nesta terça-feira (7) para deliberar sobre 26 vetos que estão com o prazo constitucional de vencido e 16 projetos de lei (PLN). A sessão na Câmara dos Deputados está prevista para as 14h e a do Senado, para as 18h.  Os deputados deliberam novamente às 20h.

Entre os vetos que podem ser analisados estão três propostas na área de saúde: a quebra de patentes de vacinas e remédios para combate à pandemia de Covid-19 (Veto 48/21), o Programa de Proteção e Promoção da Saúde Menstrual (Veto 59/21) e o acesso a tratamentos de quimioterapia por usuários de planos de saúde (Veto 41/21).

Outros temas polêmicos são a privatização da Eletrobras (Veto 36/21) e a definição do crime de comunicação enganosa em massa (fake news) e de atentado ao direito de manifestação (Veto 46/21).

Pandemia
O líder do PT, deputado Bohn Gass (PT-RS), destaca a importância da quebra de patentes de vacinas por causa do risco de novas variantes de coronavírus. "Estamos diante de um novo surto nesta pandemia, o que já está acontecendo em vários países. Nós precisamos da quebra de patentes, para que vacinas e remédios possam ser fabricados com maior intensidade para nossa população. Esse veto precisa ser derrubado", afirmou.

Entre os dispositivos vetados do Projeto de Lei 12/21 estão a dispensa de processo administrativo para licença compulsória durante emergência de saúde pública e a obrigação de o titular da patente prestar informações para fabricação de vacinas e medicamentos, incluindo o fornecimento de material biológico essencial. No veto, o governo afirma que a proposta pode trazer o caos ao sistema nacional de patentes e suscitar conflitos com a indústria farmacêutica.

Será analisado ainda o veto total à Lei Assis Carvalho, que oferece auxílio a pequenos produtores rurais afetados pela pandemia (Veto 51/21).

Absorventes
Parlamentares da bancada feminina já se manifestaram pela derrubada do veto à distribuição gratuita de absorventes higiênicos femininos para estudantes de baixa renda, mulheres em situação de rua ou mulheres apreendidas e presidiárias. Entre elas, a senadora Simone Tebet (MDB-MS). "A menina não pode ficar 40 dias fora da sala de aula, porque isso vai impactar a sua escolaridade, a sua independência econômica", argumenta.

A líder do PSOL, Talíria Petrone (Psol-RJ), também afirma que a falta de absorventes está relacionada à evasão escolar de meninas. "Estamos falando da dignidade. Muitas meninas param de frequentar a escola", relata.

Na justificativa do veto, o governo argumenta que o programa não é compatível com a autonomia das redes e estabelecimentos de ensino e a proposição não indica a fonte de custeio ou medida compensatória.

Quimioterapia
Entre os itens da pauta, o Projeto de Lei 6330/19, que garante tratamentos antineoplásicos domiciliares de uso oral por usuários de planos de saúde, foi vetado integralmente. A proposta beneficiaria mais de 50 mil pacientes que poderiam realizar o tratamento de quimioterapia em casa, sem necessidade de internação hospitalar.

O governo defende o veto por causa do alto custo dos antineoplásicos orais, que poderia "ameaçar a sustentabilidade do mercado de planos privados de assistência à saúde e elevar os preços para os consumidores".

O veto provocou a reação de vários parlamentares. A coordenadora da Frente Parlamentar Mista em Prol da Luta contra o Câncer, deputada Silvia Cristina (PDT-RO), que é paciente oncológica e relatou a proposta na Câmara, se disse “indignada” com o que chamou de “veto à vida”.

Eletrobras
Outro veto apresentado que será analisado nesta terça trata da lei obre a privatização da Eletrobras (Veto 36/21). Os dispositivos vetados incluem garantias para empregados e ex-empregados da Eletrobras e regras para o funcionamento de hidrelétricas e subsidiárias e os novos contratos de concessão de geração de energia. Na justificativa, o governo afirma que a proposta geraria dificuldades no processo de desestatização e provocaria efeitos negativos no processo de fixação do valor das novas ações a serem emitidas.

O aumento no preço da energia é um dos argumentos utilizados por pelo deputado Bohn Gass para apoiar a derrubada dos vetos a 14 dispositivos na lei sobre a privatização da Eletrobras (Medida Provisória 1031/21). "As pessoas têm medo de olhar a conta de luz no fim do mês. Estamos prestes a sofrer uma situação de flagrante dificuldade energética, e estão querendo vender a Eletrobras", afirmou.

Fake news
Também polêmico, o Veto 46/21 trata da definição dos crimes de comunicação enganosa em massa (fake news) e de atentado ao direito de manifestação. Os dispositivos estavam no Projeto de Lei 2462/91, que revoga a Lei de Segurança Nacional e define os crimes contra o Estado Democrático de Direito.

O presidente Jair Bolsonaro justifica o veto afirmando que o texto não deixa claro qual conduta seria objeto da criminalização das fake news, se a conduta daquele que gerou a notícia ou daquele que a compartilhou. O governo ainda afirma encontrar dificuldade em caracterizar o que viria ser manifestação pacífica, e por isso a tipificação do crime de atentado ao direito de manifestação poderia prejudicar a ação das forças de segurança.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL

Projeto regulamenta a atividade de procurador dos direitos das vítimas de acidentes de trânsito

Investimento de R$ 674 milhões reforça sistema de energia em MS
CRESCIMENTO

Investimento de R$ 674 milhões reforça sistema de energia em MS

CE discute projeto que cria marco legal para jogos eletrônicos
DEBATE

CE discute projeto que cria marco legal para jogos eletrônicos

Filme rodado em MS: Juliana Rojas vence prêmio de Melhor Direção em mostra paralela em 'Berlim'
HAPPY HOUR

Filme rodado em MS: Juliana Rojas vence prêmio de Melhor Direção em mostra paralela em 'Berlim'

Lula participa de cúpulas regionais na Guiana e em ilha do Caribe
AGENDA

Lula participa de cúpulas regionais na Guiana e em ilha do Caribe

CASO CHOCOU O BRASIL

Alexandre Nardoni, condenado pela morte da filha, deve ir para regime aberto em 6 de abril

OPORTUNIDADE

UEMS publica editais para seleção de docentes em Paranaíba, Cassilândia e Jardim

ESPORTES

Brasil enfrenta Colômbia no segundo duelo da Copa Ouro Concacaf

BRASIL

Mulher é estuprada dentro de delegacia no Guarujá

TRÊS LAGOAS

Polícia recupera itens furtados e três vão presos

Mais Lidas

VILA SÃO BRAZ

Após ameaçar esposa, homem é morto pelo cunhado em Dourados

DOURADOS

Trio é preso durante investigação contra grupo suspeito de aplicar R$ 130 mi em golpes a produtores

DOURADOS

"Gostei do que vi": mulher denuncia vizinho após flagra-lo olhando pelo muro

JARDIM NOVO HORIZONTE

Bebedeira entre irmãos termina em tentativa de feminicídio em Dourados