Menu
Busca quinta, 02 de dezembro de 2021
Dourados
33°max
20°min
Campo Grande
30°max
22°min
Três Lagoas
35°max
22°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
PARLAMENTARES

Congresso não revelará nomes de já beneficiados no orçamento secreto

25 novembro 2021 - 22h20Por G 1

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), informou que será publicado nesta sexta-feira, dia 26 de novembro, um ato conjunto da Câmara e do Senado com a implementação de mecanismos para "ampliar a publicidade e a transparência" das emendas de relator, que ficaram conhecidas como "orçamento secreto".

Ao contrário das emendas individuais, que seguem critérios bem específicos e são divididas de forma equilibrada entre todos os parlamentares, as emendas de relator não seguem critérios usuais.

Nesse tipo de modalidade de destinação de recursos, há a identificação do órgão orçamentário, da ação que será desenvolvida e até do favorecido pelo dinheiro. Mas o nome do congressista que indicou a destinação da verba fica oculto.

O ato conjunto promete dar "transparência". Porém, a publicidade que pretende dar não permitirá a identificação dos parlamentares que fizeram as indicações de emendas anteriormente. O texto aponta "a impossibilidade fática de se estabelecer retroativamente um procedimento para registro das demandas".

Entenda o 'orçamento secreto'

Na prática, a destinação dos recursos é definida em acertos informais entre parlamentares aliados e o governo federal. Por isso, esses repasses são alvo de críticas de especialistas.

Um dos objetivos do ato anunciado por Pacheco é o cumprimento da decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que, no início do mês, manteve uma decisão da ministra Rosa Weber e suspendeu esse tipo de emenda, no caso do "orçamento secreto".

O ato anunciado nesta quinta é uma resposta dos congressistas a essa decisão da Corte.

No último dia 18, Pacheco se reuniu com o presidente do Supremo, ministro Luiz Fux, para tentar encontrar solução para emendas do chamado 'orçamento secreto'. Nesta quinta (25), o presidente do Congresso disse que vai se reunir com a ministra Rosa Weber.

"Nosso objetivo é justamente, através desse ato conjunto das Mesas da Câmara e do Senado estabelecer cumprimento da decisão do STF. Vou apresentar à ministra Rosa Weber o trabalho que foi realizado e estabelecer as diretrizes do porvir em relação ao orçamento, mas sobretudo os orçamentos de 2020 e 2021 porque o Congresso está atento à determinação judicial e irá cumpri-la", disse o presidente do Congresso.

De acordo com a nota divulgada pela Presidência do Congresso, os mecanismos previstos no ato serão utilizados para dar transparência às emendas de relator nos Orçamentos de 2020 e 2021.

Rodrigo Pacheco afirmou que não há "ocultação" referente às emendas de relator. "Estamos propondo é uma adequação normativa para atender a essência da decisão do Supremo, que é garantir a transparência no emprego do orçamento", disse o presidente do Senado.

Um projeto para tratar das emendas dos próximos anos será votado em sessão do Congresso nesta sexta-feira (26). O relator da proposta, senador Marcelo Castro (MDB-PI), sustenta que as emendas de relator não podem ser demonizadas, mas precisam de um limite.

"Não se pode demonizar as emendas de relator, que sempre existiram e continuarão existindo. O problema está na quantidade, um excesso que precisa ser corrigido. Eu defendo que seja estipulado um limite para esses recursos e que sejam fortalecidas as emendas de bancada e de comissões, analisadas por parlamentares que possuem amplo conhecimento sobre os temas específicos e as demandas prioritárias de seus estados", afirmou Castro.

Ato

O texto do ato que será publicado nesta sexta-feira (25) diz que o detalhamento da execução orçamentária das despesas referentes às emendas de relator será publicado nos diários oficiais da Câmara e do Senado, por emenda, órgão orçamentário, dotação atualizada, empenhada, liquidada e paga.

Caberá à Comissão Mista de Orçamento (CMO) acompanhar a execução orçamentária das despesas.

Conforme o documento, serão disponibilizados relatórios atualizados periodicamente, contendo a identificação dos beneficiários. Também haverá um link de acesso à consulta personalizada na plataforma Mais Brasil, que permitirá o acompanhamento da execução e demais recursos de transferências da União.

Os pedidos de destinação de recursos serão publicados na internet pela CMO e encaminhados ao Poder Executivo.

'Risco grave'

No ato que será publicado, o presidente do Senado diz que, com a decisão do STF, há um "risco grave, iminente e irreparável" que decorre da não execução das emendas de relator até o fim deste ano.

De acordo com o ato, as despesas classificadas como emendas de relator, são:

R$ 7,5 bilhões são relacionados a ações na área de saúde;

R$ 5,7 bilhões, a ações do Desenvolvimento Regional;

R$ 1,2 bilhão, ações de Agricultura, Pecuária e Abastecimento;

R$ 795 milhões, a ações na área de Cidadania;

R$ 781 milhões, a ações na área de Educação;

R$ 350 milhões, a ações na área de Defesa;

R$ 350 milhões, a ações na área de Economia;

R$ 75 milhões, a ações na área de Ciência e Tecnologia.

"Com grave prejuízo a serviços e obras empenhados ou em andamento, e com desperdício de recursos públicos decorrentes de sua paralisação", diz o documento.

O presidente do Senado diz ainda que o ato é necessário diante da "insegurança jurídica" e do risco de "judicialização em larga escala".

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Tribunal de Justiça abre leilão de veículos apreendidos em ações penais
CAPITAL
Ciclista está entubado e sedado após ser atropelado por caminhão
Trio paraguaio é preso no Altos do Alvorada com maconha e skunk
DOURADOS
Trio paraguaio é preso no Altos do Alvorada com maconha e skunk
ECONOMIA
Prefeitura de Dourados paga salários de servidores nesta quinta-feira
Produtores defendem Índice do Leite em reunião de Frente Parlamentar na Assembleia
LEGISLATIVO DE MS
Produtores defendem Índice do Leite em reunião de Frente Parlamentar na Assembleia
TRÁFICO
Polícia encontra quase meia tonelada de maconha e skunk em utilitário
LEGISLATIVO DE MS
Capitão Contar questiona pontuação diferenciada para grupos específicos em processo seletivo
ENTREPOSTO
Cocaína apreendida no Parque Alvorada é avaliada em R$ 1 milhão
ECONOMIA
Senado aprova Auxílio Brasil, programa social que substitui o Bolsa Família
SEXTA-FEIRA
Aplicação de 2ª e 3ª doses contra Covid continua no Dom Teodardo Leitz

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Caminhoneiro que morreu em acidente na Serra de Maracaju era douradense
PONTA PORÃ
Morre agente de saúde alvo de atentado a tiros na fronteira
DARK CARD
Operação que apura desvios de recursos públicos feitos por servidores mira oficina em Dourados
DOURADOS
Homem persegue trio que invadiu o comércio dele e consegue recuperar celulares