Menu
Busca domingo, 25 de julho de 2021
(67) 99257-3397
DEPUTADOS

CCJ da Câmara aprova intimação judicial por aplicativo de mensagens

16 junho 2021 - 20h20Por Da Redação com Agência Câmara

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (16), o Projeto de Lei 1595/20, do Senado Federal, que autoriza a intimação judicial por meio de aplicativo de mensagens. A proposta altera o Código de Processo Civil.

O relator, deputado Enrico Misasi (PV-SP), apresentou parecer pela aprovação, com ajustes de técnica legislativa. Como a proposta tramitou em caráter conclusivo, poderá seguir para sanção presidencial, a não ser que haja recurso para votação pelo Plenário.

Desde 2017, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) considera válida a utilização do WhatsApp para a comunicação de atos processuais às partes, e alguns tribunais já adotaram o procedimento.

Mas, para o autor do projeto, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), a previsão em lei pode contribuir para que a prática seja disseminada no País com segurança jurídica. Na justificativa da proposta, ele explica que fixou no projeto os mesmos parâmetros estabelecidos pelo CNJ.

Regras
De acordo com o projeto, poderão ser intimados eletronicamente por meio de aplicativo de mensagens multiplataforma os advogados e as partes que manifestarem interesse por essa forma de comunicação.

A intimação será considerada cumprida se houver confirmação de recebimento da mensagem no prazo de 24 horas de seu envio. A resposta deverá ser encaminhada por meio do aplicativo, em mensagem de texto ou de voz, usando-se as expressões “intimado(a)”, “recebido”, “confirmo o recebimento” ou outra expressão análoga.
Caso não haja confirmação de recebimento no prazo, deverá ser feita outra intimação.

Enrico Misasi destacou que a proposta não cria uma obrigação. “Ela confere uma liberdade, uma possibilidade a mais, dentro do processo civil, para que as intimações ao longo do processo possam ser feitas por aplicativos de mensagem multiplataforma".

Para ele, por não ser obrigatório, é algo que a parte pode requerer e se cadastrar para que, se quiser, possa receber as intimações. "Pode se desligar quando quiser. Estamos dando mais uma possibilidade para que possa ocorrer com maior fluidez as intimações, com maior celeridade e ajudar os advogados, o Ministério Público e todas as partes envolvidas nos processos judiciais”, defendeu o parlamentar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Homem é esfaqueado na Rua Monte Alegre e encaminhado em estado grave ao HV
DOURADOS
Homem é esfaqueado na Rua Monte Alegre e encaminhado em estado grave ao HV
ECONOMIA
Corumbá pagará 13º dos servidores de forma integral em dezembro
VACINAÇÃO COVID
Após risco de desabastecimento, Ministério promete enviar 10,2 milhões de doses nesta semana
"É uma vergonha": medalha de prata expõe racha no skate do Brasil
OLIMPÍADAS
"É uma vergonha": medalha de prata expõe racha no skate do Brasil
Após perseguição da PRF, motorista consegue fugir de flagrante de tráfico
POLÍCIA
Após perseguição da PRF, motorista consegue fugir de flagrante de tráfico
DOURADOS
Revoltados por morte de adolescente, populares atacam casa de acusado
PANDEMIA
Dourados tem 66% de ocupação e 15 vagas disponíveis de UTI Covid
PANDEMIA
Família quer que prefeitura assuma conta de R$ 130 mil de paciente que não conseguiu vaga em UTI
ESPORTE
Flamengo goleia São Paulo de virada no Maracanã pelo brasileirão
POLÍCIA
Acusadas de 'magia negra', mulher e filha de 11 anos são assassinadas a tiros

Mais Lidas

NAS REDES
Dourados 360°: imagem mostra a cidade de uma forma diferente; confira
CLIMA
Nova onda de frio pode provocar mínima de 0ºC em Dourados na próxima semana
DOURADOS
Enquanto rapaz viajava, casa é furtada no Água Boa e autores levam até o cachorro
DOURADOS
Jovem bêbado é preso dirigindo em 'zigue-zague' na Presidente Vargas