Menu
Busca sábado, 25 de setembro de 2021
(67) 99257-3397
BRASIL

Bolsonaro sanciona programa de combate à violência contra a mulher

28 julho 2021 - 20h50Por Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta quarta-feira, dia 28 de julho, o projeto de lei que cria o programa de cooperação Sinal Vermelho para combater a violência doméstica contra as mulheres. Com a medida, o governo, o Ministério Púbico e a Defensoria Pública poderão firmar parcerias com estabelecimentos privados para ajudar a encaminhar denúncias contra os agressores.

A sanção, realizada durante cerimônia no Palácio do Planalto, oficializa para todo o país a medida, que foi implantada inicialmente pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) para incentivar as vítimas de violência doméstica a denunciarem agressões nas farmácias.

Nesses casos, os estabelecimentos são treinados para ajudar vítimas de violência. Basta mostrar um X vermelho na palma da mão, pintado com batom ou tinta de caneta, para que o atendente, ou o farmacêutico, entenda tratar-se de uma denúncia e em seguida acionar a polícia.

Durante o evento, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou que o presidente Bolsonaro tem compromisso com o combate à violência contra a mulher.

“É uma lei que já pegou. O Brasil inteiro está fazendo um X na mão. É uma lei que está sendo sancionada, mas que já pegou no Brasil. Eu tenho recebido embaixadores, eu tenho recebido contatos de outros países para entender o que é o X na mão. A gente está fazendo história”, afirmou.

Para a ministra-chefe da Secretaria de Governo, Flávia Arruda, a sanção do projeto mostra que a sociedade não tolera a violência contra a mulher e que esforços não serão poupados para ampliar a rede de conscientização.

“A violência contra a mulher é um problema de toda a sociedade, e é com coragem e seriedade que a gente tem que tratar a importância dessa pauta”, disse Flávia.

O projeto também altera a Lei Maria da Penha para criar a pena contra a violência psicológica, caracterizada por ameaças, constrangimento, humilhação, ridicularização, chantagem e limitação do direito de ir e vir da mulher. A pena vai variar entre seis meses e dois anos de prisão.

A partir de agora, juízes poderão afastar imediatamente o agressor da convivência com a vítima diante de risco à integridade psicológica da mulher. Atualmente, a restrição ocorre somente diante de risco à integridade física da vítima e dos dependentes.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Ladrão invade lava-rápido para furtar notebook e dinheiro
DOURADOS 
Ladrão invade lava-rápido para furtar notebook e dinheiro
AMAMBAI
Mulher é presa transportando 145 tabletes de maconha em rodovia
A vida boa de ser vivida - e que está ao alcance de todos!
ARTIGO
A vida boa de ser vivida - e que está ao alcance de todos!
Lojas de veículos são alvos de disparos de arma de fogo na fronteira
PONTA PORÃ
Lojas de veículos são alvos de disparos de arma de fogo na fronteira
Acidente envolvendo três carretas deixa motorista ferido e veículo tombado em MS
RIO VERDE
Acidente envolvendo três carretas deixa motorista ferido e veículo tombado em MS
LOTERIA
Mega-Sena pode sortear R$ 7 milhões neste sábado
NA CAPITAL 
Douradenses participam da final da 'Batalha de Bandas' de MS neste sábado
FRONTEIRA
Motorista acaba preso com postes de concreto 'recheados' com maconha
LEGISLATIVO DE MS
Deputado quer proibir exigência de passaporte sanitário em MS
REGIÃO 
Jovem é flagrado em rodoviária com 11 tabletes de maconha

Mais Lidas

DOURADOS
Homem é encontrado morto em casa por funcionária na Vila São Brás
RACISMO
Em SP, DJ Alok recorda exclusão de integrantes do 'Brô MCs' durante show em Dourados 
TRAGÉDIA 
Motociclista morre na BR-163 em Dourados após bater em uma capivara 
DOURADOS
Júri condena jovem que matou amiga com tiro na nuca e alegou 'acidente'