Menu
Busca sexta, 07 de agosto de 2020
(67) 99659-5905
EX-MINISTRO

Banco Mundial anuncia aprovação de Abraham Weintraub como diretor-executivo

31 julho 2020 - 06h57Por G 1

O Banco Mundial divulgou um comunicado na noite desta quinta-feira, dia 30 de julho, no qual informou que o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub foi aprovado como diretor-executivo do conselho da instituição da entidade.

Weintraub deixou o MEC (Ministério da Educação) em junho, em meio a uma série de polêmicas. Alvo de dois inquéritos, um que apura suposto racismo contra chineses e outro que apura ameaças a ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), Weintraub foi indicado para o Banco Mundial pelo governo do presidente Jair Bolsonaro.

A indicação, contudo, precisava ser confirmada pelos demais integrantes do conselho do qual Weintraub será diretor-executivo. O banco tem sede em Washington (EUA).

"O Banco Mundial confirma que o sr. Abraham Weintraub foi eleito pelo grupo de países (conhecido como constituency) representando Brasil, Colômbia, República Dominicana, Equador, Haiti, Panamá, Filipinas, Suriname e Trinidad e Tobago para ser Diretor Executivo no Conselho do Banco", informou o banco.

"O sr. Weintraub deve assumir seu cargo na primeira semana de agosto e cumprirá o atual mandato que termina em 31 de outubro de 2020, quando a posição será novamente aberta para eleição. Diretores Executivos não são funcionários do Banco Mundial. Eles são nomeados ou eleitos pelos representantes dos nossos acionistas", acrescentou a instituição.

Funcionários se manifestaram contra indicação

No mês passado, a associação de funcionários do Banco Mundial enviou uma carta aberta ao Comitê de Ética da instituição pedindo a suspensão da indicação de Weintraub (relembre no vídeo acima).

Na ocasião, os funcionários do banco se disseram preocupados com declarações tidas como preconceituosas de Weintraub sobre os chineses e sobre minorias.

Weintraub nega ter cometido racismo. Em depoimento por escrito à Polícia Federal, o ex-ministro da Educação afirmou que relacionar a China à pandemia do novo coronavírus "não é mera ilação".

Em meio à polêmica, o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming , afirmou que os "críticos contumazes" da relação entre os dois países devem pensar "a longo prazo".

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, a China é o principal parceiro comercial do Brasil desde 2009. Integrantes do governo e familiares do presidente Jair Bolsonaro, contudo, têm criado polêmicas porque acusam o país de envolvimento na pandemia do novo coronavírus.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOF
Quatro veículos com cigarros que vinham para Dourados são apreendidos
UEMS
Mestrado em Ensino em Saúde abre inscrições a aluno especial e vinculado
POLÍCIA
‘Vou te matar na frente do seu filho’: Homem suspeita de traição e ameaça cunhado
JUDICIÁRIO
PGR recorre da decisão de Fachin que derrubou acesso a dados da Lava Jato
CAMPO GRANDE
Namorados que morreram em acidente trocavam juras de amor pela internet
INTERNACIONAL
Avião se parte em dois durante pouso na Índia e deixa 17 mortos
CAPITAL
Fogo se alastra para terrenos vizinhos depois de queimar 80 carros
EaD/UEMS
Inscrições para seleção de professores para graduação vão até 21 de agosto
COXIM
Caminhão tomba, uma pessoa morre e outra é socorrida em estado grave
Casa da Acolhida serve café da manhã em comemoração ao Dia dos Pais

Mais Lidas

PANDEMIA
Dourados registra mais três óbitos por coronavírus; um deles é de outro município
DOURADOS
Guardas capturam foragido da justiça próximo a residenciais de luxo
INVESTIGAÇÕES
Polícia desarticula quadrilha responsável por furtos e tentativa de homicídio em Dourados
TRÁFICO DE DROGAS
Polícia prende dupla que contratou guincho para carregar veículo com drogas