Menu
Busca terça, 07 de julho de 2020
(67) 99659-5905
MEIO AMBIENTE

Bachelet critica 'retrocessos significativos' na política ambiental no Brasil

27 fevereiro 2020 - 20h20Por G 1

A alta-comissária da ONU (Organização das Nações Unidas) para Direitos Humanos, Michelle Bachelet, criticou nesta quinta-feira, dia 27 de fevereiro, o que chamou de "ataques contra defensores de direitos humanos" no Brasil.

Em discurso em Genebra, na Suíça, a representante também alertou para "retrocessos significativos" nas políticas de proteção ambiental e de promoção dos direitos dos povos indígenas em território brasileiro.

"No Brasil, os ataques contra defensores dos direitos humanos, inclusive assassinatos — muitos deles contra líderes indígenas — ocorrem em um contexto de retrocessos significantes das políticas de proteção ao meio-ambiente e aos direitos dos povos indígenas", declarou Bachelet.

O Itamaraty, por meio da delegação brasileira em Genebra, afirmou que Bachelet "está desinformada". "Não há retrocessos nas políticas para proteger o meio-ambiente, muito menos os povos indígenas".

Consultado, o Palácio do Planalto respondeu que não comenta a declaração de Bachelet.

Críticas aos EUA

Bachelet também mencionou os Estados Unidos como outro país que retrocedeu na área de proteção ambiental e citou os recursos hídricos norte-americanos.

A alta-comissária da ONU ainda alertou sobre as políticas migratórias dos Estados Unidos, que, segundo ela, "aumentam preocupações sobre os direitos humanos".

"Reduzir o número de pessoas que tentam entrar no país não pode ser feito ignorando as proteções aos migrantes e requerentes de asilo. A situação das crianças detidas é uma preocupação particular."

América Latina: perigo para os direitos humanos

A declaração de Bachelet vem no mesmo dia em que a Anistia Internacional publicou relatório que coloca a América Latina como local mais perigoso do mundo para ativista de direitos humanos. A entidade citou a repressão na Venezuela como "particularmente severa".

De acordo com a Anistia Internacional, forças de segurança do regime chavista cometeram crimes de acordo com a lei internacional e graves violações de direitos humanos, incluindo execuções extrajudiciais, detenções arbitrárias e uso excessivo de força que podem representar crimes contra a humanidade.

Erika Guevara-Rosas, diretora da ONG para as Américas, afirma que a Anistia já tentou entrar em contato com o governo venezuelano — com pedidos de informação e de encontros. O presidente Nicolás Maduro respondeu que a entidade é um órgão imperialista a serviço dos Estados Unidos.

Em outra declaração na ONU, Bachelet afirmou que vai divulgar uma avaliação sobre a situação dos direitos humanos na Venezuela em 10 de março.


 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Na Capital, anta é resgatada após cair em piscina de chácara
DOURADOS
Dono encontra carro que havia locado “depenado” em barracão
ECONOMIA
Dólar fecha em alta com cautela externa por coronavírus
DOURADINA
TJ mantém preventiva de acusado de tentar matar a ex a marteladas
BRASIL
Maia quer votar projeto que regulamenta Fundeb na próxima semana
PANDEMIA
Comerciante de 45 anos é a 37ª vítima do coronavírus em Dourados
PANDEMIA
Com quase 100% dos leitos de UTI ocupados, HR vai “partilhar” pacientes
DOURADOS
Comerciantes pedem redução de aluguel por conta de pandemia
PANDEMIA
Em reunião com governador, Neno Razuk pede ampliação de leitos de UTI para Dourados
MS-156
Dependente químico é preso transportando maconha para pagar dívida com tráfico

Mais Lidas

DOURADOS
Antes do crime, homem que matou secretário havia sido demitido por não usar máscara
DOURADOS
Acusado de matar secretário em Dourados acaba preso em barreira sanitária
DOURADOS
Carro que atingiu ciclista pega fogo após bater em árvore ao lado de Avenida
DOURADOS
Adolescente pilota moto embriagado e tio morre após queda na Coronel Ponciano