Menu
Busca quarta, 21 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
JUSTIÇA

AGU assegura direito de bloqueio de bens mesmo durante pandemia

22 setembro 2020 - 14h06Por Da redação

A Advocacia-Geral da União (AGU) confirmou na Justiça o direito de solicitar o bloqueio de bens em ações de execução fiscal mesmo durante a pandemia. O caso surgiu após duas empresas deixarem de pagar multas por infrações administrativas emitidas pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e o Ibama. A AGU ingressou com ações cobrando os valores, mas a Justiça Federal do Mato Grosso negou o pedido de bloqueio de bens devido à crise da Covid-19.

Diante disso, a Advocacia-Geral da União recorreu das sentenças ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região afirmando que não há previsão legal autorizando a suspensão de medidas de indisponibilidade dos bens. Segundo a AGU, mesmo nos momentos críticos o Judiciário não pode substituir os demais Poderes na busca por soluções, já que ele não pode atuar como legislador positivo.

Os procuradores federais argumentaram que beneficiar apenas algumas pessoas e empresas com a medida poderia gerar uma quebra da isonomia e desigualdade. "Não é possível apurar, de maneira objetiva, quais são os contribuintes que mais precisariam, ou que precisariam de maneira mais urgente, desse tipo de concessão de medidas", escreveu a AGU no agravo de instrumento.

A Advocacia-Geral lembrou das medidas de enfrentamento à pandemia que vêm sendo implementadas pelo Estado, como linhas de crédito e prorrogação do pagamento de impostos, acrescentando que a decisão poderia agravar os desafios orçamentários do governo federal diante da crise. Outro ponto enfatizado foi a ausência do contraditório, uma vez que o juízo se antecipou aos argumentos das empresas e decidiu em favor delas sem ouvir a AGU.

Manuel Jasmim, coordenador do Núcleo de Atuação Prioritária da Equipe Regional de Cobrança da Procuradoria-Regional Federal da 1ª Região, conta que a AGU despachou com o desembargador responsável pelo caso para demonstrar a necessidade do bloqueio de bens. "O desembargador-relator acolheu os argumentos da AGU e entendeu que o Poder Judiciário não poderia substituir o Legislativo- já que não havia lei possibilitando a suspensão das execuções fiscais- nem o Executivo", disse.

Com a vitória, a AGU prosseguirá com as execuções fiscais já ajuizadas, inclusive com o deferimento de medidas constritivas bens, quando for o caso. Os débitos perseguidos pela ANTT ultrapassam a quantia de R$ 53 mil. Já a dívida da madeireira com o Ibama é de mais de R$ 32 mil. "Esses julgados poderão servir como precedentes em futuras decisões caso venham a ocorrer novas suspensões em outros processos tão somente em decorrência da situação de saúde pública atual", afirmou Manuel Jasmim.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
Mulher vítima de acidente desenvolve fobia e deverá ser indenizada
TRÁFICO DE DROGAS
Gestante é presa com droga que levaria para o MT no centro de Dourados
PANDEMIA
Morre médico voluntário de testes da vacina de Oxford no Brasil
BRASIL
Dólar cai e fecha a R$ 5,60 com esperança de estímulo fiscal nos EUA
POLÍCIA
Carona de motociclista que morreu em acidente é transferida para o Hospital Universitário
FEMINICÍDIO
Agredida a tijoladas, mulher morre em Dourados após nove dias de internação
NOVA ALVORADA DO SUL
Gerente de fazenda leva multa de R$ 5 mil por construção ilegal de ponte
PANDEMIA
MS registra nova queda na taxa de contágio e na média móvel de casos confirmados
REGIÃO
Jovem com problemas psiquiátricos é preso por agredir a própria mãe
BRASIL
Anvisa diz que análise de vacinas contra covid-19 será técnica

Mais Lidas

DOURADOS
Acidente entre carreta e motocicleta mata mulher na BR-163
HOMICÍDIO EM 2013
Condenada pela morte do ex em Dourados é presa na Capital
DOURADOS
Motorista bêbado causa acidente em semáforo da Avenida Marcelino Pires
CONTRABANDO
Depósito de cigarros paraguaios é desarticulado após denúncia em Dourados