Menu
Busca sexta, 23 de outubro de 2020
(67) 99659-5905

1ª Câmara julga 33 processos e total de impugnações soma R$ 186 mil

15 junho 2011 - 08h41

Durante a Sessão da 1ª Câmara do Tribunal de Contas do Estado (TCE/MS), realizada nesta terça-feira (14.06), os conselheiros Iran Coelho das Neves, José Ricardo Pereira Cabral, conselheiro substituto Joaquim Martins de Araújo Filho e o representante do Ministério Público de Contas, João Antônio de Oliveira Martins Júnior, julgaram 32 processos, dos quais nove foram considerados irregulares totalizando 690 Uferms, em multas aplicadas.

O conselheiro José Ricardo Pereira Cabral relatou o processo de n° 3726/2009 referente ao contrato firmado entre a Prefeitura de Porto Murtinho e a empresa Paulo lima Pinheiro – ME para prestação de serviços de manutenção, reparos mecânicos e elétricos nos veículos pertencentes à Prefeitura, sendo constatada irregularidade na etapa de execução do contrato.

De acordo com o processo, “a autoridade responsável não apresentou qualquer documentação que tivesse o condão de sanar a referida irregularidade, demonstrando total descaso com as normas desta Corte de Contas”. O conselheiro José Ricardo Pereira Cabral aplicou multa ao prefeito de Porto Murtinho, Nelson Cintra Ribeiro no valor equivalente a 100 Uferms e o impugnou com a quantia de R$ 177.250,00 referente a ausência da liquidação da despesa contratual.

Já no processo de n° 3376/2007 referente ao contrato administrativo celebrado entre a Prefeitura de Dourados e a DZM Comunicação e Eventos Ltda., para a prestação de serviços de publicidade aos órgãos da administração direta, referente a elaboração de campanhas publicitárias, informativas, educativa e de utilidade pública foi detectada irregularidade e ilegalidade na execução financeira.

O conselheiro relator Iran Coelho aplicou multa à ordenadora de despesas à época, Dalva de Melo Gonçalves no valor de 50 Uferms e a impugnou na quantia equivalente a R$ 8.781,40 em face de pagamentos realizados sem respaldo legal, acima do valor pactuado pelas partes, com o prazo de 60 dias para a comprovação do recolhimento ao cofre público municipal.

Após publicação no Diário Oficial Eletrônico do TCE/MS, os gestores dos respectivos órgãos jurisdicionados poderão entrar com pedido de recurso, revisão e/ou reconsideração, conforme os casos apontados nos processos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TJ/MS
Justiça mantém direito a pensão com base na segurança jurídica
TRÂNSITO
Moto invade preferencial, é atingida por caminhonete e dois ficam feridos na Marcelino
CAPITAL
Mestre de capoeira é investigado por suposto abuso contra aluno
COVID-19
Anvisa libera importação de 6 milhões de doses da CoronaVac
DOURADOS
Restando apenas três lombadas, retirada dos equipamentos deve acabar nos próximos dias
CÂMARA DOS DEPUTADOS
Projeto prevê regras para divisão do Fundo Nacional da Cultura entre estados e municípios
BRASIL
No STF, Ricardo Salles defende reformulação do Fundo Amazônia
MATO GROSSO DO SUL
Trabalhos enviados para Revista da PGE começam a ser distribuídos para avaliação
COTAÇÃO
Dólar fecha em alta nesta sexta, mas recua no acumulado da semana
ECONOMIA
Unidade industrial de Dourados vai retomar exportação de frango para China após três meses

Mais Lidas

DOURADOS
Carona de motociclista que morreu em acidente com carreta corre risco de ter perna amputada
DOURADOS
Vítima de acidente na Marcelino Pires morre na mesa de cirurgia
FEMINICÍDIO
Agredida a tijoladas, mulher morre em Dourados após nove dias de internação
POLÍCIA
Carona de motociclista que morreu em acidente é transferida para o Hospital Universitário