Menu
Busca sexta, 23 de abril de 2021
(67) 99257-3397

Pobreza e densidade demográfica determinam taxas de fecundidade

07 maio 2005 - 17h05

As taxas de fecundidade estão relacionadas à pobreza e à densidade demográfica: quanto maior a pobreza e menor a concentração populacional, maior a fecundidade. É o que mostra o Perfil das Mães Brasileiras, divulgado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio de Janeiro. Para o diretor do Centro de Políticas Sociais da FGV, Marcelo Néri, esse é o principal resultado do estudo. Segundo o levantamento, as menores taxas de fecundidade são verificadas nos municípios de Santos e São Caetano, em São Paulo, e Niterói, no Rio de Janeiro. Além da reduzidos níveis de pobreza, as três cidades apresentam altos índices de desenvolvimento humano (IDHs) e elevada concentração populacional, conforme o estudo. Já os municípios da Amazônia são os que registram as maiores taxas de fecundidade, resultado da combinação entre pobreza e baixa densidade populacional. No que se refere à taxa de maternidade entre mulheres, o estudo mostra que, em municípios com um maior número de mães, as mulheres costumam ter menos filhos. Outra conclusão é que essas localidades tendem a apresentar maiores IDHs, menores taxas de pobreza e maiores indicadores de aproveitamento educacional. Em entrevista à Agência Brasil, Marcelo Néri, diz que essa relação permite fazer uma "celebração responsável da maternidade", sob o ponto-de-vista social. Santa Catarina, por exemplo, um dos estados brasileiros com maior taxa de maternidade, (2,06 filhos nascidos vivos), tem índices sociais considerados bons. Já o município de Jordão (AC), que apresenta o segundo menor IDH brasileiro, tem uma taxa de maternidade baixa, apenas 40% das mulheres são mães.Para Néri, a presença das mães "como protagonistas sociais" é importante para explicar os indicadores. "Na verdade, as ações sociais modernas, como o Bolsa Família e outros programas similares implementados em outros países com outros nomes, aproveitam o canal da mãe que cria, educa com responsabilidade, ou faz com que o filho freqüente as aulas, a mãe que cuida da vacinação, cuida da saúde do filho", observa o diretor. "Eu diria que a própria política social está reconhecendo o papel central da mãe na geração de bons resultados sociais que, no fim, é o que vai gerar bons resultados econômicos também", ressalta. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Douradenses vacinados contra Covid-19 são quase 50 mil
IMUNIZAÇÃO
Douradenses vacinados contra Covid-19 são quase 50 mil
Empresas do setor da construção civil abrem processo seletivo pela Funtrab
OPORTUNIDADE
Empresas do setor da construção civil abrem processo seletivo pela Funtrab
COVID
Uma dose de vacinas reduz infecção em até 65%, revela estudo
É LEI
ICMS Educacional é promulgado e altera Constituição de Mato Grosso do Sul
Dourados receberá mais 6,7 mil doses de vacinas do novo lote
COVID-19
Dourados receberá mais 6,7 mil doses de vacinas do novo lote
ABRIL LARANJA
Neno alerta para importância de denunciar maus-tratos contra animais
EDUCAÇÃO
Sisu: Terminam hoje os prazos para matrículas na primeira convocação
TELEVISÃO
João Luiz é o 12º eliminado do 'BBB21', com 58,86% dos votos
AJUDA DO GOVERNO
Auxílio emergencial é pago a beneficiários do Bolsa Família com NIS 5
DOURADOS
Operação desarticula quadrilha que fornecia drogas do MS para capitais do Brasil

Mais Lidas

DOURADOS
Grupo receberia comissão se conseguisse negociar carga de maconha no Água Boa
DOURADOS
Jovem confessa 18 tiros, mas diz que idoso morreu antes por enforcamento
IVINHEMA
Polícia encontra mais de 800kg de maconha em casa alugada para o tráfico
DOURADOS
Ladrão invade alojamento do Hospital da Vida e leva pertences de enfermeiras