Menu
Busca quarta, 04 de agosto de 2021
(67) 99257-3397

Petrobras não descarta novo reajuste dos combustíveis neste ano

27 novembro 2004 - 17h01

Após dois aumentos nos últimos 42 dias, o diretor de Finanças e Relações com Investidores da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, já não descarta a hipótese de novos reajustes dos combustíveis ainda neste ano.Ontem, a Petrobras anunciou a elevação do preço da gasolina em 4,2% e do diesel em 8% a partir de hoje. Também ontem, a ministra Dilma Rousseff (Minas e Energia) havia dito que os reajustes seriam os últimos deste ano e que não haveria novos aumentos também nos primeiros meses de 2005.Hoje, entretanto, Gabrielli afirmou que um possível reajuste neste ano vai "depender do mercado". Ou seja, da cotação do petróleo no mercado internacional.Após atingir US$ 55,67 em outubro, o barril de petróleo recuou para patamares mais próximos a US$ 49 em Nova York nesta semana. O mercado acredita que, permanecendo nesses patamares, não haveria mais necessidade de elevar o preço dos combustíveis no Brasil por causa do petróleo.Entretanto, caso o preço da commodity volte a subir, poderia haver um novo aumento. Na ata da reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) divulgada ontem, os diretores do Banco Central admitem que novas turbulências no mercado de petróleo poderiam ter impacto sobre a inflação e levar a um aumento mais agressivo da taxa básica de juros da economia brasileira (Selic).EleiçõesO diretor da Petrobras também admitiu que a estatal foi influenciada pelas eleições municipais em suas decisões de reajuste. No dia 14 de outubro, a empresa reajustou a gasolina em 4%.O mercado e o BC avaliaram que o aumento não era suficiente para cobrir a defasagem do preço interno com o mercado internacional e falaram abertamente que seria necessário um novo reajuste.A Petrobras, entretanto, adiou o anúncio do novo aumento, que foi realizado apenas ontem.Questionado se a Petroras levou em consideração as eleições em sua avaliação do mercado, Gabrielli disse: "A eleição é um fenômeno político que afeta a economia tanto no Brasil como no exterior. Nós levamos isso em conta, nós estamos no mundo real".A afirmação contradiz todo o discurso adotado pela diretoria da Petrobras nos últimos meses. Os diretores da empresa sempre afirmaram que a política de preços da empresa leva em consideração apenas critérios técnicos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CRIME AMBIENTAL
Usina sucroenergética é multada em R$ 2,550 mi por incêndio em matas
BRASIL
Deputados aprovam texto-base de projeto sobre regularização fundiária
Avião apreendido com cocaína é de piloto do MS preso por tráfico
EDUCAÇÃO
UFGD oferece vagas em disciplinas isoladas em mestrado e doutorado
Mulher é multada em R$ 5 mil por construção de um rancho pesqueiro
MEIO AMBIENTE
Mulher é multada em R$ 5 mil por construção de um rancho pesqueiro
FUTEBOL
Vanderlei Luxemburgo é o novo técnico do Cruzeiro
NOVA ANDRADINA
Polícia apreende 310 quilos de maconha e 16,5 quilos de skunk na BR-376
REGIÃO
Agosto Lilás, lança campanha de enfrentamento à violência doméstica
Arara-canindé morre eletrocutada após bater em fiação de energia
COMISSÃO
Deputados convocam Braga Netto a explicar suposta ameaça às eleições

Mais Lidas

SP
Homem leva menina de 15 anos ao hospital e diz que ela morreu após sexo; polícia investiga
POLÍCIA
Jovem é agredida durante assalto em Dourados
PANDEMIA
Jovem de 21 anos e sem comorbidades é vítima do coronavírus em MS
DOURADOS
Motorista embriagado foge, causa acidente e termina preso