Menu
Busca terça, 02 de junho de 2020
(67) 99659-5905

Pessoas com aparência jovem tendem a viver mais, diz estudo

14 dezembro 2009 - 16h18

Pessoas com rostos de aparência jovem - que não refletem sua verdadeira idade - tendem a viver mais do que as que aparentam ser mais velhas do que sua idade real, diz um estudo.
Cientistas dinamarqueses estudaram 387 casais de gêmeos e concluíram que a aparência é um indicador de probabilidade de longevidade.
Como parte do estudo, enfermeiras, professores estagiários e colegas foram convidados a tentar adivinhar a idade dos gêmeos com base em fotografias.
De maneira geral, os indivíduos tidos como mais jovens viveram mais do que o irmão ou irmã de aparência mais velha.
O estudo foi detalhado em artigo publicado na revista científica British Medical Journal.
Longevidade
Os pesquisadores dizem ter encontrado também uma explicação biológica plausível para os resultados.
Segundo eles, partes do DNA chamadas telômeros, que influenciam a capacidade da célula de se replicar, também estariam associadas à aparência jovem.
Telômeros de comprimento mais curto estariam associados ao envelhecimento mais rápido e a inúmeras doenças.
O estudo verificou que os participantes de aparência mais jovem tinham telômeros mais longos.
Os gêmeos tinham idades entre 70 e 90 anos quando fotografados e foram monitorados durante sete anos.
A equipe, chefiada por Kaare Christensen, da University of Southern Denmark, constatou que quanto maior a diferença entre as idades atribuídas às duplas de gêmeos, maior a probabilidade de que o irmão ou irmã de aparência mais velha morresse primeiro.
Fatores como idade, sexo e formação profissional não pareceram influenciar os resultados.
Vida difícil
Segundo Christensen, é possível que pessoas que tiveram uma vida mais difícil tenham maiores chances de morrer mais cedo - e suas vidas se refletem em seus rostos.
"A idade atribuída a uma pessoa, muito usada por médicos como indicação geral da saúde de um paciente, é um sólido indicador biológico do envelhecimento que prediz a sobrevivência em pessoas com idade acima de 70 anos", disseram os pesquisadores à revista British Medical Journal.
O especialista britânico Tim Spector, que vem fazendo suas próprias pesquisas com gêmeos, disse que seus resultados parecem confirmar as revelações do estudo dinamarquês.
"Também descobrimos isso no nosso estudo", disse Spector. "Provavelmente, é a combinação dos genes e do ambiente durante a vida de uma pessoa que é importante."
"Se um paciente aparenta ser mais velho do que sua idade, talvez (os médicos) devam ficar mais preocupados", disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JARDIM
Dois são presos após realização de festa em residência durante pandemia
JUDICIÁRIO
STF marca julgamento sobre Weintraub de inquérito das fake news
PIQUIRI
Adolescente some em pescaria e bombeiros fazem buscas em Rio
DOURADOS
Pesquisa da UFGD pretende auxiliar em novos planejamentos de teletrabalho
ACIDENTE
Homem morre após cair do telhado de casa enquanto fazia reparos
APOSENTADORIA
INSS: último balanço mostra 1,8 milhão de benefícios represados
POLÍCIA
Foragido há dois anos acusado de matar idoso estrangulado é preso
CONVERSA COM BIAL
'O presidente esqueceu de combinar comigo', diz Aras sobre nota de Bolsonaro
JUSTIÇA
TJ/MS manda Delegado acusado de furtar droga de volta para a prisão
GERAL
Cartórios de notas realizam serviços por videoconferência em todo país

Mais Lidas

PANDEMIA
Estado alerta que Dourados deve ser cidade com mais casos de Covid-19 na próxima semana
POLÍCIA
Homem encontrado morto sob a ponte do Calarge tinha 38 anos
DOURADOS
HU emite nota de esclarecimento sobre atendimento de mulher que morreu com Covid-19
DOURADOS
Homem é encontrado morto embaixo de ponte no córrego Laranja Doce