Menu
Busca sábado, 27 de fevereiro de 2021
(67) 99257-3397

Pesquisadora finlandesa discute formação de professores na Unigran

19 agosto 2009 - 17h30

A Organização Mundial para a Educação Pré-Escolar (Omep/Dourados) realiza, nesta quinta-feira, 20, no anfiteatro da UNIGRAN, às 19h30, a Roda de Conversa “Relato de experiências e comparativos entre Brasil e Finlândia”. O evento tem como convidada especial a estudante finlandesa de mestrado Sofia Maria Evelina Alarova e conta com apoio do curso de Pedagogia da UNIGRAN. As inscrições para o evento podem ser feitas no local. Para emissão de certificado, a taxa é cinco reais.
Sofia morou em Dourados em 2002, quando fez intercâmbio cultural na Escola Decisivo-Anglo, está desenvolvendo um estudo sobre a educação brasileira. Dourados é uma das cidades que estão sendo avaliadas por ela. Na roda de conversa, ela vai tratar sobre as diferentes metodologias de ensino e pesquisa entre o Brasil e Finlândia, oportunidade que os acadêmicos da UNIGRAN vão conhecer os relatos das experiências na área de educação e debater métodos e práticas de ensino.
Na Finlândia, o profissional que decidir seguir a carreira de professor deve conhecer, no mínimo, a realidade educacional de outros dois países. Torna-se professor somente depois do título de mestre. A carreira na área da educação é uma das mais concorridas e o salário se compara as profissões mais valorizadas no Brasil, a exemplo da medicina e engenharia.
Sofia considera interessante no ensino brasileiro a Educação de Jovens e Adultos (EJA). Ela tomou conhecimento desse programa educacional na UNIGRAN, através da Pró-Reitoria de Ensino e Extensão. A EJA tornou-se uma grande novidade para a mestranda em Ciências da Educação, e uma ideia que ela vai sugerir como solução para uma questão emergente em seu país.
Com população de 5,3 milhões de habitantes, educação pública de qualidade é uma garantia às crianças e jovens da Finlândia, com direito a material escolar, refeição e transporte, todos gratuitos. Entretanto, nos últimos anos, a Finlândia está recebendo refugiados do Iraque e de países da África. Muitos deles são analfabetos. Ela entende que um programa especial de letramento de adultos poderá atender à nova demanda educacional do país.
Sofia Alarova pretende apresentar o EJA ao governo finlandês, para as universidades desenvolverem o projeto como atividade de extensão, nos dos que são desenvolvidos pela UNIGRAN e pelo CEEJA

Deixe seu Comentário

Leia Também

Contribuinte não pode mudar declaração de IR simplificada para completa após prazo de entrega
JUSTIÇA FEDERAL
Contribuinte não pode mudar declaração de IR simplificada para completa após prazo de entrega
Ceará lança lista inédita de animais encontrados no estado
BRASIL
Ceará lança lista inédita de animais encontrados no estado
Ampliados setores que vão abrir durante lockdown no Distrito Federal
PANDEMIA
Ampliados setores que vão abrir durante lockdown no Distrito Federal
Liminar impede uso da tese de legitima defesa da honra em processos criminais
STF
Liminar impede uso da tese de legitima defesa da honra em processos criminais
Bia Ferreira é campeã no Torneio de Strandja, na Bulgária
BOXE
Bia Ferreira é campeã no Torneio de Strandja, na Bulgária
DOURADOS
MPE e Defensoria não se opõem a júri para assassino de ex-secretário
STJ
Sexta Turma nega habeas corpus a réu condenado por estupro de vulnerável mesmo sem contato físico
BRASIL
Fábricas de Cultura investem em tecnologia de inteligência artificia
MS
Preso com agrotóxicos é autuado em R$ 180 mil pela PMA
FUTSAL
Minas vence Dois irmãos e encara Magnus na final da Supercopa

Mais Lidas

DOURADOS 
Operação desarticula quadrilha especializada em furtos de máquinas agrícolas
DOURADOS 
Mulher é esfaqueada na região central e encaminhada ao HV em estado grave
PARAGUAI
Quadrilha é presa com 1,4 tonelada de cocaína e até avião na fazenda de Pavão
DOURADOS 
Mulher que esfaqueou rival é autuada em flagrante por tentativa de homicídio